Entrando no mundo dos HDs híbridos

Depois de lotar o HD original do meu Macbook Pro e de perder a paciência com a lerdeza dele (um Toshiba de 250GB @5400RPM), resolvi procurar uma solução maior e mais ágil para o HD do meu notebook.

Quando se pensa em “mais rápido” a primeira coisa que vem à cabeça é o SSD, aquele dispositivo de memória não volátil que aumenta imensamente a performance do computador. Infelizmente, a idéia de SSD nem chega a ser cogitada por causa do preço infeliz que ele ainda custa e porque o maior SSD que se encontra para vender por aí é o de 160GB, ou seja, pouco mais da metade do espaço do meu HD que já estava lotado. (Só por curiosidade, um SSD de 160GB custa aproximadamente R$ 1.000,00)

Procurando HDs de 7200RPM para notebook, o mais barato que eu encontrei de 500GB custava R$ 230,00 (note que estou falando de 7200 RPM, os de 5400 RPM custam bem mais barato).

Olhando por curiosidade os HDs mais caros de 7200RPM me deparei com uma opção interessante chamada Seagate Momentus XT, um HD híbrido. Ele tem 4GB de SSD e um disco rígido de 500GB. O preço não chega a ser um chute no …, na canela, apesar de não ser nada barato, R$ 335,00. Mas e a performance?

Fui pesquisar mais sobre o assunto e reparei que o HD híbrido da Seagate prometia estar, no quesito performance, entre os HDs de 10.000RPM e os SSD. 😮 Espantoso… Segundo a Seagate, o Momentus XT é esperto o suficiente para fazer um buffer no SSD do que você está acessando e, com 4GB de memória não volátil, as coisas passam a ser quase instantâneas.

Em tese, o HD híbrido possui o melhor de dois mundos. Por um lado a capacidade de armazenamento barata de discos rígidos e por outro a velocidade do SSD.

Ontem comprei o tal HD da Seagate e instalei no notebook.

Desmontar o Macbook Pro para colocar o HD não foi uma tarefa tão complicada, mesmo com a lâmpada queimando e me fazendo ir para a cozinha desmontar o bicho. Antes que alguém venha me zoar, não era uma lâmpada comum, e não pude trocar na hora.

Voltando ao assunto, um punhado de parafusos mínimos segura a tampa do Mac e, lá dentro, dois outros parafusos seguram o HD ao corpo do notebook. Mais quatro parafusos servem de apoio para ele. Nada do outro mundo.

HD instalado, hora de trazer a vida de volta ao notebook, recuperando o backup do Time Machine. Em mais ou menos duas horas o notebook estava pronto para usar novamente, exatamente como eu havia deixado antes de desmontá-lo. Agora com o dobro de HD.

Para começar, o boot, que antes demorava pouco mais de 1 minuto e 30 segundos, passou a durar 30 segundos. Eu filmei o “antes”, mas como a luz queimou, acabei não filmando o “depois”. 😀 Qualquer hora dessas filmo o “depois”.

Depois de dar boot, tudo passou a ser quase instantâneo. Eu clico no ícone do Safari e, póóim!, aparece o Safari. Antes, eu clicava, contava até 4, e o Safari aparecia carregando as miniaturas dos sites len-ta-men-te. O mesmo passou a acontecer com todos os outros programas. Tudo quase instantâneo.

Resolvi escrever esse post e o título dele iria ser “Não tem dinheiro para SSD? Vai de HD híbrido!”, mas resolvi, antes de ser tão otimista, procurar os defeitos desse HD Momentus XT. Pra que? 🙁

Para minha surpresa, logo de cara encontrei um montão de gente reclamando do Momentus XT justamente no Macbook Pro! Todos com problemas de dados corrompidos quando usavam com o Snow Leopard.

Resumindo a história, esse HD regula exatamente o que é guardado no SSD e o que vai para o disco rígido. Na prática, tudo vai para o disco rígido, mas algumas coisas ficam espelhadas no SSD ou ficam lá por algum tempo antes de irem para o disco, para aumentar a performance. Quem decide o que fica no SSD é o firmware, que, na versão SD23 não funcionava de jeito nenhum com Macbook Pro com Snow Leopard (não me pergunte o porquê). Nas versões seguintes a Seagate foi resolvendo os problemas e parece que a versão atual SD26, ainda não deu problema com os Macbook Pro.

Fui correndo ver a versão do meu firmware e, para minha tranquilidade, o bicho já veio com a SD26. Menos mal.

É muito cedo para comemorar, mas, por enquanto, estou muito contente com o HD. O tempo para carregar as coisas diminuiu muitíssimo e, o que é melhor, a bateria continua aguentando as mesmas 5 ou 6 horas de antes. Achei que, por ser um HD de 7200 RPM, ele gastaria mais, mas até agora está indo muito bem. Hoje ainda não usei o computador ligado à tomada e ainda tenho 30% de carga, o que me dá umas 2h de uso.

Ainda não posso fazer um post com o título que eu ia usar antes, mas, apesar de ter lido sobre esses problemas, acho que a performance desse HD é impressionante e o preço não chega a ser proibitivo como o do SSD. Quem sabe, se ele se comportar bem nos próximos meses, eu não faça o tal post que eu iria fazer hoje? Vamos torcer que sim!