Como será o uso do celular daqui a 2 ou 4 anos?

A Nokia contratou dois designers dinamarqueses para fazerem uma pesquisa de como as pessoas deverão usar seus celulares entre dois e quatro anos a partir de hoje.

Depois de entrevistar umas poucas pessoas, eles chegaram à conclusão que deveriam colocar o foco da pesquisa em três áreas: Playfulness, Staying Connected e People Centric.

Melhor do que eu traduzir as idéias, os três vídeos abaixo explicam melhor cada uma das três áreas.

1. Mobile Playfulness from Kevin Cannon on Vimeo.

2. Staying Connected from Kevin Cannon on Vimeo.

3. Little World from Kevin Cannon on Vimeo.

Gostei muito desse mundo do terceiro vídeo, apesar de ser uma interface um pouco infantil.

Fonte: IntoMobile

Celulares com baterias 30x mais duráveis e Performance 7x maior?


(Detalhe de um processador Pentium)

Essa notícia foi publicada quinta-feira no IntoMobile, mas vale a nota aqui.

Um pesquisador chamado Krishna, da Palem of Rice University e Director do NTU’s Institute for Sustainable Nanoelectronics (ISNE), inventou com sua equipe uma nova tecnologia de desenho de chips chamada PCMOS (Probabilistic Complementary Metal-Oxide Semiconductor).

O maior problema em se criar processadores mais poderosos está em se colocar mais e mais transistores dentro de um chip. Quando a densidade de transistores aumenta, o tamanho deles diminui. No entanto, transitores menores carregam consigo mais ruído dentro do processador. Geralmente, para compensar isso, os engenheiros aumentam a tensão, o que tem por efeito colateral a redução do tempo de duração das baterias.

A solução do design probabilístico do do chip abraça o inevitável cálculo dos erros, em vez de os ignorar. A equipe do professor Krishna foi capaz de desenvolver um processador com menos ruído e, consequentemente, com necessidade de tensões menores. O processador ficou mais eficiente, em termos de consumo de energia, e mais poderoso.

De acordo com o professor, isso poderá significar que os usuários, por exemplo, só precisem carregar seus aparelhos em semanas, ao invés de dias. Incrível, não acham?

Que venham logo esses processadores PCMOS! 🙂