Nokia N8 – Hands on (parte I)

O texto a seguir é de autoria do @Valtinho, refletindo a opinião dele sobre o Nokia N8. A ideia de usuários escrevendo veio deste post.

Deixarei as questões técnicas para os especialistas, falarei de pontos práticos. Fiquei três dias com o N8, sem alterar muito minha rotina. A ideia era ver se ele iria facilitar ou não a minha vida!

Vou começar falando das minhas dificuldades com o aparelho. Não tive boas experiências com o Bluetooth (acho que por não ser o firmware definitivo), problemas para transferir vídeos e fotos para o N900 e o note.  Outro ponto é quando se seleciona enviar em uma foto, não temos a opção de publicá-la na Internet. Só oferece as opções mensagem, e-mail e Bluetooth. Esse problema é minimizado quando o interesse é publicar no Twitter, pois usando o Ovi é possível (existe um novo programa chamado Social que integra o Twitter e Facebook,  muito bom), mas poderia ser mais fácil. O transmissor FM do N900 é bem melhor. A bateria me surpreendeu, achei que não fosse durar o dia todo, mas resistiu bem.

Agora o que realmente faz a diferença é o conjunto multimídia desse equipamento. Fotos e vídeos fantásticos, como podemos ver nas amostras a seguir:

Macro do N8
Macro do N8

Foto em modo automático do N8
Foto em modo automático do N8

O flash xênon está de volta, fazendo-me esquecer completamente o N82. Os vídeos em HD vistos em uma TV de 42 polegadas são impressionantes, comparáveis aos da minha Sony W230.

Gostei de jogar Need for speed na TV usando o cabo HDMI, mas o meu cabo é pesado e isso não deve ser rotina pra mim. Mas para quem não tem um Playstation pode ser útil. Jogar no celular é muito bacana, responde muito bem e dirigir inclinando o celular foi uma diversão! Isso me remete a empunhadura do N8, muito boa tanto na vertical, quanto na horizontal. Facilmente manuseável com uma mão só. Ele é um pouco mais espesso que o E72, mas bem mais fino que N900 (metade da espessura).

O desktop do N8 é composto por três páginas, que podem conter até 6 widgets por página, algo bem parecido com o N97. Dá para distribuir bem os itens de maior interesse. Os caminhos são bem conhecidos pra quem já usou outros Symbians, isso facilita a vida de quem quer praticidade. Mas poderia ter recebido do Maemo a facilidade de sair do aplicativo tocando fora dele na tela (isto acontece em algumas situações, mas não todas). O sistema está bem estável, não tive nenhum problema em três dias. Abre fotos e músicas rapidamente (não sei se enchendo os 16GB continuará assim, infelizmente). O player de música foi melhorado, os álbuns podem ser selecionados como nos iPhones.  O som não é o do XM5800 mas não decepciona.

Fiquei muito satisfeito de poder passar dados do N900 para o N8 usando um cabo entre eles (o N8 tem suporte a USB On-the-Go). O carregador é aquele com aquele pino redondo fininho, comum em vários aparelhos mais novos, mas podemos carregar via USB também! Por enquanto é só, segunda parte do review em breve.

5 comentários em “Nokia N8 – Hands on (parte I)”