Há 10 anos o vírus da raiva começava a sofrer sua primeira derrota

Ontem foi o décimo aniversário (12/09/2002) do dia que a menina Jeanna Giese contraiu raiva pela mordida de um morcego que ele quis tirar da igreja onde assistia a Missa dominical com seus pais.

A raiva humana é a doença mais letal que a humanidade conhece. Esqueça Ebóla, Varíola, AIDS, Glioblastoma Multiforme e Câncer de Pâncreas em estágio 4. A raiva era a única doença que tinha 100% de mortalidade. Uma vez iniciados os sintomas não havia um único caso de raiva humana em que a pessoa, não vacinada, tenha sobrevivido.

Quando os pais de Jeanna ouviram o diagnóstico, talvez tenham se lembrado deste fato e que era questão de dias até verem sua filha morta. O fato é que sua filha foi internada em Milwaukee no estado de Wisconsin nos EUA e lá um médico, o Dr. Rodney Willoughby, Jr., que nunca havia tratado um caso de raiva humana resolveu investir num método, que ele pensou baseado em buscas que fez na Internet, que depois foi conhecido como o protocolo de Milwaukee.

No dia 1 de Janeiro de 2005 Jeanna voltou para sua casa, recuperou a saúde, fez faculdade, está noiva e leva uma vida normal.

Ontem ela usou o Twitter para lembrar dessa data que deu início a um processo que levou ao vírus da raiva humana a sofrer sua primeira derrota. Após Jeanna outras pessoas já foram tratadas com sucesso pelo protocolo de Milwaukee, que vem passando por aprimoramentos.

Confira o documentário que conta toda a história

Universidade pública e gratuita: o preço do atraso

Todos os anos, quando sai o ranking das universidades, eu costumo fazer esta mesma reflexão: grande parte do nosso atraso se deve ao fato de termos universidades públicas gratuitas.

Eu tenho consciência de que este post irá atrair a ira de muitos, e também que há bons argumentos em contra do que vou dizer, mas penso que algumas coisas precisam ser ditas, mesmo que aborreçam os leitores.

Hoje vimos que a USP, a melhor universidade do Brasil segundo praticamente todos os rankings existentes, ficou de fora do Top200 das universidades do mundo. Não é, definitivamente, algo a se comemorar. Fico triste, fiz ali o doutorado, mas isto não me isenta de voltar a afirmar que o modelo é ruim.

Universidades públicas gratuitas sofrem de uma dupla doença, estimulam a acomodação de bons professores e de bons alunos. Explico-me: numa universidade privada de alto nível temos bons alunos e bons professores e ambos estão motivados, os primeiros por que querem uma boa carreira e estão pagando caro pelos seus estudos, os outros porque são bem remunerados, tem boas condições de trabalho e sabem que acomodar-se é uma receita eficaz para a demissão ou a desgraça na carreira.

Na universidade pública brasileira estas duas coisas são complicadas. Os alunos não precisam se esforçar tanto, afinal não estão pagando nada, não vão ser jubilados se não fizerem muitas barbaridades, e no final acabam tirando seu diploma em uma universidade bem reconhecida no Brasil. Os professores tem estabilidade, mas também recebem um salário que não varia muito caso produzam mais, não tem tantas facilidades de financiamento para a pesquisa, mas também a falta de produtividade é suprida por outras atividades e brigas de egos.

Mas há o ProUNI, dirá o petralha furibundo. Sim, o ProUNI é o maior programa mundial de jogar dinheiro na lata do lixo. O ProUNI financia as Faculdades Amontoadas de Rio Pequeno da Casa do Chapéu, que é uma fábrica de produzir diplomas, eu já dei aulas numa destas e sei como a banda toca por lá.

Mas e os pobres? Dirá outro que se sente ultrajado pelos meus comentários. Os pobres não entram nas universidades públicas em geral. Os pobres tem seus diplomas emitidos por faculdades privadas que recebem dinheiro do governo, nosso dinheiro, para receber uma educação em geral sofrível.

Existe também as faculdades dentro da universidade pública, que pagas com o meu e o seu dinheiro, são antros de doutrinamento político partidário, sinônimos de pouco estudo e muita maconha. Sim, com raras exceções este é o panorama das escolas de humanas no país.

O aluno de escola pública tem pouca gratidão para com sua universidade, quanto mais com o contribuinte que pagou seus estudos. Se vemos nos EUA, pessoas que chamam sua Universidade de Alma Mater, doam grandes quantias, promovem eventos para arrecadar fundos aqui no Brasil isto não acontece.

Bom, mas o que você propõe? Pergunta alguém que ficou interessado nos argumentos. Se quisermos chegar no nível tecnológico que há nos EUA, na Inglaterra, Suíça, Japão, Canadá, Austrália, Cingapura, entre outros é preciso mudar a política educacional. Privatizar as universidades públicas ou instituir um regime de mensalidade nelas, tirar a estabilidade dos professores. Com o valor economizado investir em pesquisa e remuneração para bons professores, trazer professores de ponta, financiar alunos que precisam em Universidades que valem a pena.

Estimular os cursos técnicos. O diploma universitário não é algo que tem valor em si, mas se vem acompanhado de uma formação decente. Há muitos profissionais extremamente competentes que não cursaram universidades. E digo mais, melhor um excelente curso técnico que um curso mequetrefe de TI numa universidade de fundo de quintal.

Quer debater este assunto? Os comentários estão aí a disposição.

Princeton_University_fort_qg

Law & Chaos – O Brasil que precisa mudar

Você, caro leitor, dirá ao ver este título: que isto tem a ver com tecnologia? Nada e tudo. Pretendo apresentar abaixo uns casos “hipotéticos” de como é aplicada a lei num lugar desenvolvido onde brotaram as maiores oportunidades tecnológicas do século XX e XXI e num país atrasado, um gigante também, mas adormecido.

Caso Hipotético 1: Um rapaz tem uma amante, ela engravida e enche a paciência dele para pagar pensão, ele resolve tomar um atalho e sequestra ela, mata com ajuda de bandidos profissionais, picota, dá para os cachorros comerem.

País 1: O julgamento demora dois anos e o réu condenado pega 15 anos de cadeia. Cumpre 3 anos e vai para o regime semi-aberto que na prática é a liberdade.

País 2: O julgamento demora 8 a 9 meses. O réu se condenado é condenado à prisão perpétua ou é executado por injeção letal.

 

Caso Hipotético 2: Pessoa comanda uma quadrilha que assalta os cofres públicos, compra membros do congresso, busca montar uma base de poder.

País 1: O julgamento leva 7 anos, o réu condenado pega pouco mais de 10 anos e 10 meses de cadeia, fica criticando os juízes que o condenaram, demora para ser preso e ainda pode sair da cadeia com apenas 1 ano e 9 meses.

País 2: O réu entra num plea bargain (acordo) com a promotoria, dispensa o julgamento e em troca é sentenciado apenas a uma prisão perpétua que pode ser comutada após 25 anos preso.

As maiores empresas do País 1 são: Petrobrás, BR Distribuídora, Vale, Ipiranga e Raízen.

As maiores empresas do País 2 são: Apple, Exxon, Microsoft, Google e IBM

O país 1 é o Brasil.

 

Bitcoin

No domingo passado, nos EUA, a série americana The Good Wife teve um episódio que se chamava Bitcoin for Dummies. Não que eu veja novela americana, mas estava passando na sala e minha irmã estava vendo (eita desculpa esfarrapada) e fiquei interessado por este assunto. O episódio é uma discussão jurídica se o Bitcoin é ou não uma moeda e quem inventou o Bitcoin.

The Good Wife - Bitcoin for Dummies - O que é bitcoin?

Se você não sabe ainda o que é um Bitcoin, não se assuste, eu vou tentar explicar e depois passo um vídeo que ilustra como funciona.

A idéia do criador do Bitcoin (BTC), que, aliás, ninguém sabe quem é ao certo, era criar uma moeda, ou mais que isso, uma forma de transação na internet que tivesse as mesmas características do papel moeda, mas sem as desvantagens do papel moeda. Para isso, o BTC teria que respeitar as seguintes propriedades: permitir operações irreversíveis – quando você dá dinheiro a alguém em troca de um bem ou serviço, não tem como pegar o dinheiro de volta, sem ser com roubo ou por vontade do recipiente; além disso, o custo de transferir dinheiro de uma pessoa para outra é praticamente desprezível; o dinheiro gasto com algo não pode voltar a ser gasto com outra coisa. E as transações com dinheiro podem ser anônimas (que o digam os mensaleiros).

Com cartão de crédito pela internet é possível evitar o que se chama de “double spending” que seria gastar duas vezes o mesmo dinheiro, já que a operadora do Cartão garante isto. No entanto, não é possível evitar que a operação seja revertida (sim, em alguns casos o cliente pode estornar uma operação, abusando da boa fé do sistema) e o custo por transação é alto, já que uma entidade precisa supervisionar toda a relação de confiança (VISA, Amex, MasterCard).

Com o BTC, você tem uma carteira virtual de moedas que, ao utilizar para efetuar uma compra, você usa uma criptografia forte passa passar a propriedade desta moeda para a pessoa recipiente e faz isto de forma que toda a rede Bitcoin saiba que você fez a operação. Além disso, a rede Bitcoin é composta de inúmeros computadores que executam tarefas computacionais complexas para validar as transações na rede.

Quanto mais computadores na rede, mais seguro é o processo. E, neste momento, você pode se perguntar: que faz alguma pessoa deixar seu computador calculando para garantir a segurança da rede Bitcoin? A resposta é simples: os computadores que ficam calculando estão mineirando BTC. A cada x quantidade de tarefas que eles executam eles tem uma probabilidade p de ganhar um Bitcoin. Desta forma há um interesse econômico de deixar computadores rodando para garantir a segurança do sistema.

E custa algo tranferir de uma pessoa para outra? Sim, custa 0.0005 BTC e isto mantém o sistema em funcionamento.

Além disso, é possível trocar diversas moedas em BTC e vice versa. Quem sabe o Bitcoin ou algum sistema similar não substitui os cartões de crédito algum dia?

Quem quiser ler o artigo original do autor anônimo sobre o assunto pode ver aqui.

 

Manifesto pela Tecnologia

Nós aqui virtualmente reunidos, oprimidos pelo paquidérmico estado brasileiro, escravizados por uma burocracia brutal, espoliados por um absurdo sistema tributário lançamos este manifesto em defesa da modernidade.

Tivessem Steve Jobs e Wozniack nascido no Brasil ou se aqui tivessem crescido Bill Gates e Paul Allen, estariam até os dias de hoje tentando desembaraçar seus equipamentos na receita federal, teriam levado meses para abrir suas empresas, lhes seria pedida propina por políticos e a quantidade de reconhecimentos de firmas e recolhimento de guias de tributos lhes roubaria toda a criatividade.

O Brasil é um pais atrasado, lento e inimigo dos empreendedores. O Brasil trata as pessoas honestas como suspeitos e os desonestos como homens de reputação ilibada. O Brasil tolera a mentira, a incompetência e outros vícios. O Brasil necessita de uma mudança de rumo.

Por isso exigimos:

Que o desenvolvimento tecnológico seja estimulado com:

  1.  isenção de impostos de importação para tecnologia que nao existe por aqui.
  2.  que seja simples e fácil comprar bens e tecnologia necessária para seus empreendimentos.
  3.  que haja infra-estrutura decente – conexão 3G estável e rápida. Banda larga com alta velocidade.
  4.  que haja uma carga tributaria justa e simples para as áreas tecnológicas e que o uso do dinheiro do contribuinte seja muito bem cuidado.
  5.  que as relações de trabalho sejam flexibilizadas. Os profissionais de TI nao somos débeis mentais que precisam de tutela do estado.
  6.  queremos agencias reguladoras que controlem o setor de telecom e energia.
  7.  queremos honestidade sem complicação nas compras do governo.
  8.  queremos poder pagar fornecedores no exterior e receber pagamento do exterior sem ser tratados como criminosos.
  9.  que se reforme o funcionalismo publico para que o servidor publico sirva e não seja servido da coisa publica.
  10.  que o estado se enxugue para dar espaço ao empreendedor.
  11. que a Universidade Pública sirva a sociedade e não seja, com raras exceções, um antro de egos e baixa produtividade.
  12. que também que a Universidade Pública estimule o empreendedorismo e faça pesquisa em áreas que interessam ao país.
  13. que se revise a CLT lei trabalhista, ridícula, impeditiva, fruto de uma época do governo integralista de Vargas

Não pedimos, exigimos, porque somos nós os vossos chefes, nós os empossamos como governante e não estamos de forma alguma satisfeitos com vosso trabalho.

Convites para um curriculum legal

Um serviço muito útil é o StackOverflow, todos nós já o utilizamos algumas vezes para descobrir como se faz para consertar aquele bug maldito ou para aprender uma nova técnica de solução de um problema.

A comunidade StackOverflow cresceu, se tornou StackExchange e aí surgiu a idéia: porque não criar um banco de curriculums para os que trabalham com tecnologia?

Surgiu assim o Careers. Além de divulgar o seu curriculum, principalmente para empresas estrangeiras, ele ajuda você a fazer um curriculum bem feito e apresentável. Não como aquele que mencionamos em outro post.

Mas nem tudo é perfeito: o Careers é sob convite, e os convites são contados e valiosos na comunidade de TI. Então você dançou?

Não, para isto está o Zeletron. Estamos disponibilizando n convites no link abaixo. N é desconhecido para você então visite logo.

Só peço que você use bem seu convite e faça com capricho seu curriculum.

Link: http://bit.ly/uAUzDe

Dois desenhos animados que formaram uma geração tecnológica

Ao ver as crianças serem demenciadas por desenhos como Bob Esponja, Ben 10 e outras baboseiras resolvi fazer este post para homenagear dois desenhos animados dos anos 80 que moldaram uma geração tecnológica no Brasil: O Pirata do Espaço e a Patrulha Estelar.

Radar, Laser, Foguetes, Computadores, tudo isto mexeu com a imaginação de muitas crianças naqueles anos e estimulou vários deles a se interessar por tecnologia.





Aqui vai uma recordação, se você sentir um nó na garganta ou deixar uma lágrima correr (não que eu tenha feito isto, que conste em ofício) não se assuste, você não está ficando velho, apenas os criadores de desenhos animados atuais não tem cabeça nem coração.

Bom feriado!

Pirata do Espaço Joe e Rita, Groizer X

Cinco filmes que os amantes da tecnologia devem ver

É difícil fazer uma lista de top 5 sem ser muito criticado, portanto coloco desde já minha cara a tapa na área de comentários. Vou listar abaixo os cinco principais filmes que as pessoas que curtem tecnologia deveriam ver ou ter visto 🙂

#5 – Matrix

Se você não viu Matrix sugiro que corra até a locadora e alugue ainda hoje. Feito em 1999 e devidamente complementado com duas continuações inferiores, Matrix é um dos melhores filmes em termos de roteiro bem bolado que dá pano para manga para muitos debates. Matrix coloca o problema que foi cunhado pelo filósofo Kant: como saber se o que vemos e sentimos é real? Não vou entrar aqui em debates filosóficos, nem discutir porque o real é real, mas você certamente vai colocar seu cérebro em ação com Matrix.

#4 – Star Wars

A história da ficção científica se divide em pré Star Wars e pós Star Wars. Apesar de não ser um dos meus filmes favoritos, não posso deixar de dar este lugar ao primeiro filme da primeira trilogia da série. Marcou o início de uma era no cinema e fez muita gente sonhar com sabres de luz.

#3 – Blade Runner o caçador de Androides

Nada de caçador de Androids, mas sim de Androides. O Google não tinha ainda lançado o seu sistema operacional Android, aliás nem havia Google, e Harrison Ford já aplicava sua versão cinematográfica do teste de turing. No caso de Blade Runner sua missão é “aposentar” (versão antiquada do encostar ou colocar na conta do Papa) Androides parecidos com humanos. Também é um filme que faz pensar no sentido da vida. Se você tem problemas com pensar não veja 🙂

#2 – Memento – Amnésia

Você achou que eu ia falar Star Trek? Se enganou, não suporto Star Trek e fico com Memento. Como seria nossa vida se não tivéssemos memória não volátil? Se a cada vez que dormíssemos se apagassem nossas memórias? Bom, existem algumas doenças assim, a síndrome de Korsakoff por exemplo, mas Memento mostra como usando estratégias que um computador usa para armazenar dados é possível viver com isto e investigar um crime.

#1 – Inception – A Origem

Recursividade é uma função ou subrotina que chama a si mesma. E numa subrotina, a pilha (stack) é utilizada para armazenar o endereço de retorno de forma a poder voltar ao ponto em que a função foi chamada. No caso de um programa de computador que chama muitas funções, para sair de uma função se utiliza o return, e uma vez chegado ao programa principal não se pode dar return sob pena de sair do programa. (Descrição à grosso modo)

No caso de Inception, a recursividade se manifesta no sonho. O sonho é um modelo recursivo da realidade, assim é possível sonhar que está sonhando. Em Inception a forma de sair de um sonho é morrendo no sonho. Só que é importante saber se estamos no sonho, já que morrendo fora do sonho não se sai do sonho, mas sim da vida. Os autores de Inception se basearam, eu acho, num conceito de computação para criar um token que é diferente na vida real de como ele é no sonho, com o token a pessoa pode identificar se é seguro sair do sonho ou se está no nível que não há mais sonho.

Nossa, não entendi nada, dirá você. Então corra até a locadora e alugue Inception, você não vai se arrepender.

Você não gostou? Então use os comentários para colocar seus Top5!

Steve Jobs e Steve Balmer juntos. Será?

Há um boato forte no Vale do Silício que Steve Balmer apareceria no evento da Apple (o WWDC agora em Junho) para falar sobre o Visual Studio 2010 que produziria código para o IPhone em parceria com a Apple.

Se isto for verdade será o maior golpe que Google, Nokia, HPALM vão receber na história.

Imaginem Microsoft e Apple realmente unidas. Será devastador.

Qual Steve Balmer irá aparecer?

ou este:

O cara é bom, ele empolga.

Discos de Vinil no Microscópio Eletrônico

Vocês lembram dos discos de vinil? Eu quando era pequeno tinha uma vitrolinha e ouvia muitos discos com histórias infantis. Sempre imaginei como podia aquilo guardar o som. Veja a resposta nas imagens de microscopia eletrônica de um disco de vinil.

Veja no vídeo como é feito um disco de vinil.



Dica: http://reckon.posterous.com/vinyl-record-grooves-under-electron-microscop

Pesquisa – Celular que se carrega pelas ondas eletromagnéticas

Já pensou se você não precisasse ligar nunca o seu celular na tomada e ele sempre estivesse com a bateria cheia? Bom, né? Pois em um futuro breve poderemos ver aparelhos que não precisam ser recarregados em tomadas.

Estamos cada dia mais imersos em ondas eletromagnéticas geradas por emissoras de Rádio e TV, ERBs de celulares, aparelhos wifi, sinais de satélites e vários outros aparelhos eletrônicos que emitem ondas eletromagnéticas. A idéia, que várias empresas já começaram a pesquisar, é transformar essas ondas eletromagnéticas em eletricidade suficiente para alimentar o seu celular e ainda carregar a bateria dele.

Markku Rouvala, um pesquisador do Nokia Research Center de Cambridge, na Inglaterra, diz que o objetivo atual do seu grupo de pesquisa é conseguir “colher” 50mW de ondas eletromagnéticas e que, com os protótipos atuais eles já conseguem “colher” entre 3mW e 5mW.

A idéia deles é ter um receptor de amplo espectro para conseguir captar ondas de 500MHz a 10GHz. Dessa forma seria possível obter energia de várias faixas de onda. Segundo ele, com 50mW é possível recarregar um celular que está desligado.

Quanto tempo será que demora para essa tecnologia aparecer no mundo comercial? Acharia sensacional que meu N82 não precisasse ir para o carregador toda noite.

Freeware da Semana – UpCode

Na minha humilde opinião, o UpCode é o leitor de códigos de barra unidimensionais e bidimensionais mais versátil que existe por aí. Pelo menos não encontrei outro que funcionasse tão bem tanto com códigos (2D) QR-codes, DataMatrix e unidimensionais normais (1D).

Ele consegue ser mais rápido e mais preciso que o leitor de códigos de barra nativo do N82.


Código de Barras 1D

QR Code

Data Matrix

Agora os códigos bidimensionais estarão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia, em revistas, propagandas, etiquetas etc. Esse leitor é uma mão na roda para decodificar essas imagens para a gente, nem que seja só por curiosidade (o pessoal da propaganda está adorando essa tecnologia para provocar a curiosidade dos consumidores).

Para baixar o programa, clique aqui. Você pode baixá-lo pelo computador, pelo celular ou enviar um SMS para a finlândia para receber a URL, você decide!

Celulares com baterias 30x mais duráveis e Performance 7x maior?


(Detalhe de um processador Pentium)

Essa notícia foi publicada quinta-feira no IntoMobile, mas vale a nota aqui.

Um pesquisador chamado Krishna, da Palem of Rice University e Director do NTU’s Institute for Sustainable Nanoelectronics (ISNE), inventou com sua equipe uma nova tecnologia de desenho de chips chamada PCMOS (Probabilistic Complementary Metal-Oxide Semiconductor).

O maior problema em se criar processadores mais poderosos está em se colocar mais e mais transistores dentro de um chip. Quando a densidade de transistores aumenta, o tamanho deles diminui. No entanto, transitores menores carregam consigo mais ruído dentro do processador. Geralmente, para compensar isso, os engenheiros aumentam a tensão, o que tem por efeito colateral a redução do tempo de duração das baterias.

A solução do design probabilístico do do chip abraça o inevitável cálculo dos erros, em vez de os ignorar. A equipe do professor Krishna foi capaz de desenvolver um processador com menos ruído e, consequentemente, com necessidade de tensões menores. O processador ficou mais eficiente, em termos de consumo de energia, e mais poderoso.

De acordo com o professor, isso poderá significar que os usuários, por exemplo, só precisem carregar seus aparelhos em semanas, ao invés de dias. Incrível, não acham?

Que venham logo esses processadores PCMOS! 🙂