Amazon vendendo produtos perigosos

A Amazon está vendendo produtos extremamente perigosos disfarçados de inocentes ursinhos. Leia o com atenção  o comentário de uma das clientes. Há vários comentários como este. (Antes de começar a ler uma sugestão: vá para um lugar afastado e evite beber algo enquanto lê. Depois não diga que não avisei.)

O produto vai abaixo:

A seguir o melhor review já feito na Amazon.

33,939 of 34,424 people found the following review helpful

By Christine E. Torok on October 3, 2012

Size Name: 4oz Amazon Verified Purchase

Oh man…words cannot express what happened to me after eating these. The Gummi Bear “Cleanse”. If you are someone that can tolerate the sugar substitute, enjoy. If you are like the dozens of people that tried my order, RUN!

First of all, for taste I would rate these a 5. So good. Soft, true-to-taste fruit flavors like the sugar variety…I was a happy camper.

BUT (or should I say BUTT), not long after eating about 20 of these all hell broke loose. I had a gastrointestinal experience like nothing I’ve ever imagined. Cramps, sweating, bloating beyond my worst nightmare. I’ve had food poisoning from some bad shellfish and that was almost like a skip in the park compared to what was going on inside me.

Then came the, uh, flatulence. Heavens to Murgatroyd, the sounds, like trumpets calling the demons back to Hell…the stench, like 1,000 rotten corpses vomited. I couldn’t stand to stay in one room for fear of succumbing to my own odors.

But wait; there’s more. What came out of me felt like someone tried to funnel Niagara Falls through a coffee straw. I swear my sphincters were screaming. It felt like my delicate starfish was a gaping maw projectile vomiting a torrential flood of toxic waste. 100% liquid. Flammable liquid. NAPALM. It was actually a bit humorous (for a nanosecond)as it was just beyond anything I could imagine possible.

AND IT WENT ON FOR HOURS.

I felt violated when it was over, which I think might have been sometime in the early morning of the next day. There was stuff coming out of me that I ate at my wedding in 2005.

I had FIVE POUNDS of these innocent-looking delicious-tasting HELLBEARS so I told a friend about what happened to me, thinking it HAD to be some type of sensitivity I had to the sugar substitute, and in spite of my warnings and graphic descriptions, she decided to take her chances and take them off my hands.

Silly woman. All of the same for her, and a phone call from her while on the toilet (because you kinda end up living in the bathroom for a spell) telling me she really wished she would have listened. I think she was crying.

Her sister was skeptical and suspected that we were exaggerating. She took them to work, since there was still 99% of a 5 pound bag left. She works for a construction company, where there are builders, roofers, house painters, landscapers, etc. Lots of people who generally have limited access to toilets on a given day. I can’t imagine where all of those poor men (and women) pooped that day. I keep envisioning men on roofs, crossing their legs and trying to decide if they can make it down the ladder, or if they should just jump.

If you order these, best of luck to you. And please, don’t post a video review during the aftershocks.

PS: When I ordered these, the warnings and disclaimers and legalese were NOT posted. I’m not a moron. Also, not sure why so many people assume I’m a man. I am a woman. We poop too. Of course, our poop sparkles and smells like a walk in a meadow of wildflowers. Thanks for all the great comments. I’ve been enjoying reading them and so glad that the horror show I experienced from snacking on these has at least made some people smile.

Não sei porque mas isto me lembrou de outro texto da Internet… (Não leia!!)

Samsung Galaxy 551 – Android 2.2 Review

Num projeto recente que realizamos precisavamos de um Android para testar o sistema que estava sendo produzido, fui buscar algumas opções de Android com preço baixo e deparei-me com o Samsung Galaxy 5 cujo review eu fiz aqui.

Depois de devolver o Galaxy 5 para o cliente que havia contratado o serviço, surgiu outro serviço com Android e adquiri um Samsung Galaxy 551 também por um preço decente e com um sistema mais moderno que o Galaxy 5.

Vamos as especificações:

  • Quadriband GSM / Triband UMTS
  • Android 2.2 – Com funcionalidade de compartilhar a Internet via WiFi. O sistema é bonzinho embora sofra dos problemas que já comentamos aqui.
  • Um pouco gordinho, mas pesa apenas 117g
  • Display: 400×240 TFT 3.2– Aqui o ponto fraco do aparelho, o Android funciona em quase qualquer resolução mas algumas coisas podem ficar meio esquisitas neste aspect ratio.
  • Teclado Virtual QWERTY com tecnologia SWYPE, eu não usei muito, mas a primeira vista não gostei muito deste SWYPE.
  • Teclado físico slider – teclado confortável embora perca feio para os lendários Nokia E71 e E72
  • Câmera, sem flash 3.2MP com Zoom óptico 2x (não achei muito óptico o zoom…)
  • Bluetooth, Wifi 802.11b/g e AGPS, Rádio FM
  • 160MB de memória interna e Slot MicroSD para até 16GB
  • Acesso ao Android Market (Que é uma baderna …)
Custo: R$ 699,00 (desbloqueado)

Se você quer um smartphone barato, prático e com um sistema operacional moderno, o Samsung Galaxy 551 é uma boa pedida, melhor que o Galaxy 5 (full disclosure: a Samsung nunca me deu nada, nem tchau)

 

 

 

Review do Organizador de Cabos da Proporta

Esse review não foi feito por mim, mas pela Márcia (sra. javsmo) que é a “heavy user” de fones de ouvido lá de casa. Aliás, pedi esse organizador para testes justamente para ela parar de embolar os fios dentro da bolsa. Vejamos o que ela diz a respeito do organizador.

Texto da Márcia:

Quando o Zé me entregou este tatuzinho verde para testar, fiquei me perguntando: pra que serve isso? Aliás, tenho que admitir que, em um primeiro momento, achei que fosse um dinossauro. 😀 Mas, prossigamos: logo, ele me explicou que se tratava de um organizador de cabos da Proporta – e, imediatamente, achei a ideia genial, por ser extremamente simples e prática.

O Tatuzinho da Proporta

Costumo levar o fone de ouvido do meu telefone pra lá e pra cá, enroladinho dentro da bolsa, e sempre me deparava com aquela desagradável situação: ter que desembolar o fio todas as vezes em que queria ouvir música.

Com esse acessório, não tenho tido mais esse problema, porque os fios de encaixam nas ranhuras do corpo do tatu e ficam bem organizados na bolsa.

A propósito, acho até que vou pedir para ficar com ele pra mim após o teste-drive – eheheheheh!

Voltei. 😀

Eu não sou o melhor enrolador de fios do mundo?
Eu não sou o melhor enrolador de fios do mundo?

Resumindo, esse organizador não tem processador, não tem câmera, não toca MP3, não tem bluetooth, não lê e-mail, não tem bateria, mas é genial! 😀

Ah, e já sabem, né? Os produtos da Proporta você encontra aqui.

Capa de Silicone Proporta com SteriTouch®

Prosseguindo com os reviews de produtos que a Proporta me enviou para testar, chega a vez da capa de silicone com revestimento antimicrobiano.

Além da capa, o pacote inclui uma película protetora para a tela.

Essa capa, além de resolver o problema da antena do iPhone, foi a melhor capa que já usei até hoje. Ela não fica caindo, não escorrega (coisa que o bumper faz), protege totalmente o aparelho e ainda por cima mata 99% dos micróbios. Se eu estivesse com essa capa na viagem que eu fiz, provavelmente o iPhone não teria sofrido com o tombo que tomou no asfalto.

Esse revestimento, chamado de SteriTouch®, é eficaz no combate a bactérias, inclusive Escherichia coli, Salmonella e Staphylococcus aureus resistente à meticilina. Também é eficaz contra fungos e bolor. Isso é muito importante para aquelas pessoas que levam o celular para ler ou jogar enquanto estão no troninho. 😀 Mesmo que você não leve o celular para o banheiro, deixá-lo em cima de um balcão de padaria ou numa mesa de bar pode carregar bactérias com ele.

A película também tem SteriTouch, o que garante que a tela também fique protegida dos micróbios.

Segundo o fabricante, essa capacidade de matar 99% dos micróbios dura a vida toda da capa. Além disso, a capa tem garantia de vida, o que garante que você terá seu celular protegido, e, por conseguinte, você também protegido, durante toda a vida dele.

Na loja da proporta você pode encontrar outros produtos (para outros modelos de celular) revestidos com SteriTouch.

Essa capa, com o protetor de tela custa US$ 24.26 e o frete para qualquer lugar do mundo custa US$ 4.95. Ela é preta com detalhes em verde. Ela também está disponível nas cores rosa e cinza.

Clique aqui e veja mais produtos da Proporta.

Proporta TurboCharger Backpack no Show do U2

Ontem, como muitos devem ter ficado sabendo, houve um show do U2 no Morumbi, em São Paulo. Mesmo não morando na Terra da Garoa, viajei com minha esposa para lá, para que ela pudesse assistir ao show.

Particularmente eu detesto qualquer tipo de show, inclusive das bandas que eu gosto (como é o caso do U2). Prefiro assistir aos shows sentado no sofá pagando o valor de um DVD e não por dez vezes preço e com uma muvuca me comprimindo… Como já tinha feito a boa ação de ir com ela nesse mesmo show em outra cidade, ela acabou indo com umas amigas e os respectivos maridos e eu fui encontrar meu amigo Richard (do Richard Max Tech) e a Fernanda, noiva dele.

Quando estávamos saindo do hotel disse para ela colocar na bolsa a bateria extra para iPhone 4 que a Proporta me enviou para testar.

TurboCharger Back Pack
É capa e é carregador - Proporta TurboCharger Back Pack

Na hora, ela achou que não fosse precisar, mas era óbvio que, chegando às 16h para um show que só começaria às 22:30, às 00:30, na saída do espetáculo, ela já estaria sem bateria.

Dito e feito, graças à capa da Proporta, ela devia ser a única pessoa no Morumbi, que tinha bateria num smartphone. Todas as amigas e os respectivos maridos estavam incomunicáveis e ela estava com o celular funcionando, podendo usar o GPS e ainda achar uma cooperativa pela Internet e ligar para lá para chamar um táxi.

Resultado, o TurboCharger Backpack salvou a pele de 5 pessoas ontem. 🙂

A capa Proporta Turbo Charger tem uma bateria interna de 1700 mAh que, segundo a fabricante, é capaz de carregar o iPhone 4 um pouco mais de uma vez.

O mais maneiro dessa capa, é o tamanho. É sério, o iPhone fica só um pouco maior e pouco mais pesado do que é normalmente. Por essa foto abaixo, dá para se ter uma idéia de como ele fica. Ela encaixa perfeitamente no aparelho e ainda é possível sincronizar enquanto ela está conectada ao celular.

A capa sem o iPhone
A parte de cima sai para que você encaixe o iPhone.
Turbo Charger com o iPhone
Turbo Charger com o iPhone (Foto: Proporta)

Essa capa/bateria custa atualmente US$ 35,96 (+/- R$ 57,00) e o frete para qualquer lugar do planeta custa US$ 4,95 (+/- R$ 8,00). Acima de 50 dólares, já é possível ter frete grátis, dependendo dos produtos.

No site da Proporta, você encontra essa capa e vários outros produtos muito bacanas. Vale a visita.

iPhone 4 – Um Review

Anteontem pude testar com calma o iPhone 4 que meu amigo Dario ganhou de aniversário dos seus irmãos. A propósito, deixo uma dica para os meus irmãos: Podem fazer a mesma coisa no meu aniversário do ano que vem com o iPhone 5. 😉

Voltando ao assunto, mesmo ele já tendo aberto a caixa (eu não conseguiria me segurar por tanto tempo) ele trouxe tudo conforme veio de fábrica para podermos filmar um pequeno unboxing aqui para o blog. Foi realmente heróica essa atitude dele, guardar tudo direitinho para fazermos um unboxing! Segue abaixo.

Como o iOS 4 no iPhone 4 é o mesmíssimo iOS 4 do 3G S e do iPod 3ª Geração (de 32GB ou 64GB), não vou entrar no mérito do sistema. Vou me deter nos quesitos de hardware que são novidades.

O primeiro deles é a maravilhosa tela Retina com resolução de 640 x 960 pixels (a resolução do 3G S é de 320×480). Vejam abaixo a comparação de telas do iPod 3a Geração com o iPhone 4. Ele tem 4 vezes mais pontos que o iPhone 3G S.

Detalhe da Tela no iPhone 4 - Clique para Ampliar
Detalhe da Tela no iPod Touch 3a Geração - Clique para Ampliar

Além da resolução, a iluminação traseira da tela LCD TFT IPS capacitiva é feita por LEDs, com um contraste de 800:1. A tela tem visibilidade perfeita de qualquer ângulo que se observe.

A tampa traseira e a tela do iPhone 4 são feitos de um vidro chamado Gorilla. Segundo a Apple ele é muito mais resistente a riscos do que o vidro da tela dos iPhone anteriores. Segundo alguns testes vistos no Youtube, pode-se ver que a tela é bem mais resistente a riscos, mas parece que quebra bem mais fácil que as outras em caso de tombos. Obviamente não testamos isso no iPhone do Dario. 😀

No quesito tamanho, mais especificamente espessura, ele é impressionantemente fino. É quase da espessura do iPod Touch 3a Geração que é o mais fino dos “i” da Apple. Vejam as comparações de tamanho nas fotos abaixo.

Pela ordem: iPod 3a Geração, iPhone 4 e E71

Apesar do processador do iPhone 4 ser um Apple A4 de 1.0GHz, não reparei muita diferença para o do iPod 3a Geração, que possui um ARM Cortex A8 de 600 MHz, ao usar os programas corriqueiros. No entanto, os testes do Google Earth e do Epic Citadel mostraram uma enorme diferença. O iPhone 4 abriu esses programas com muito mais rapidez que o iPod.

A Câmera do iPhone finalmente pode ser chamada de câmera. Ela tem 5MPx e um flash de LED que ajudam bastante na hora de fotografar em ambientes com pouca luz. Além disso, ele filma com qualidade HD (720p) a 30 fps e o LED do flash pode ser aceso durante a filmagem para melhorar a imagem.

Deixo abaixo duas fotos feitas com a câmera do iPhone num ambiente com iluminação artificial.

Foto tirada com o iPhone 4
Foto tirada com o iPhone 4

Aliás, aquela tela faz qualquer foto ficar super-hiper-mega nítida, já que você tem chance de ver se focalizou direitinho o que queria.

Infelizmente não tive como testar a videochamada do iPhone 4, mas testei a câmera da frente do aparelho. Nada de diferente de uma câmera frontal qualquer, a não ser pelo fato de ser a única que tem menos resolução que a tela do celular, hehehehe.

Sobre o problema de segurar “errado” o celular, não conseguimos fazer as barrinhas de sinal caírem ao segurar no lugar da antena, não sei se fizemos certo, mas o fato é que o sinal se manteve constante independente de como segurávamos o celular. No início estávamos com o celular sem sinal porque o SIM card estava mal colocado. Depois que colocamos corretamente o SIM card, o sinal se manteve constante. De qualquer forma acredito que o problema exista, só não consegui reproduzi-lo.

Resumo da ópera: O iPhone 4 é realmente muito melhor que o iPhone 3G S, principalmente no quesito tela e câmera. Agora, se você não faz questão de uma câmera boa e uma tela com uma resolução maior, o iPhone 3G S pode suprir suas necessidades de smartphone facilmente. Eu usaria um, se estivesse precisando trocar de celular atualmente. (Meus celulares velhos ainda funcionam bem).

Review do HTC Touch 2

Conforme prometido, segue abaixo o review do HTC Touch 2 que eu recebi para testes.

Como sempre, começo com os pontos negativos, para terminar com os positivos.

Nos pontos negativos, vêm, quase empatados, a bateria e a câmera do celular. A primeira não durou mais de um dia comigo, o que é facilmente compensado pelo fato de se carregar o celular via USB. Com isso, quando estava do lado do computador, o deixava carregando. Já a câmera, ela não tem flash. Isso dificulta, ou até impossibilita fazer fotografias sem luz natural ou em lugares com pouca luz. Em lugares com luz natural, as fotos saem decentes. Acredito que a falta de flash seja em parte causada pela bateria mais fraca do HTC Touch 2, já que existe bastante espaço na parte traseira para um LED.

Agora vamos aos pontos fortes do aparelho.

Apesar de ter a mesma tela resistiva de 320×240 que o HTC Touch, O Touch 2 é muitíssimo mais completo que seu irmão mais velho. Ele vem equipado com A-GPS, 3G HSDPA Dual Band, 256MB de RAM, 512MB de ROM, CPU Qualcomm de 528MHz, Rádio FM com RDS e, pasmem, fone de ouvido com plug normal (3.5mm), coisa que não tinha encontrado em outro HTC antes.

Além disso tudo, o Touch 2 é animado pelo Windows Mobile 6.5, que é muito melhor que o Windows Mobile 6.1 do HTC Touch Pro que eu testei antes. O Windows Mobile 6.5 já vem com o Market Place, a loja de aplicativos da Microsoft. Lá, com seu login do Hotmail, ou MSN, você pode ter acesso aos programas que estão disponíveis para instalar no seu aparelho.

Muito parecida com a AppStore, a Market Place tem muito menos programas gratuitos e os programas pagos, em média, são bem mais caros que os que estamos acostumados a encontrar na AppStore. Mesmo assim, existem boas opções de programas gratuitos e outros baratos.

Além de ter a Market Place, o Windows Mobile 6.5 é muito mais esperto e ágil que o 6.1. Com o Touch Flo da HTC, então, ele fica ainda mais esperto. Já é possível usar o aparelho sem a canetinha boa parte do tempo. Tarefas básicas como discar e abrir e usar alguns programas não exigem mais a bendita canetinha. Isso ajuda muito.

Outros pontos positivos do aparelho são o seu tamanho e o acabamento extremamente bem cuidado, fazendo desse celular um belo aparelho e muito confortável de se carregar no bolso da camisa ou da calça.

Ainda nos pontos positivos, a clareza das chamadas me chamou a atenção. O sinal do celular não fica oscilando e o som das chamadas é claríssimo. Muito, mas muito mais nítido do que o meu E71, que eu já achava imbatível. Esse ponto me impressionou mesmo.

Esses, realmente são os pontos fortes desse aparelho, na minha opinião. Uma chamada cristalina e um acabamento primoroso.

Quanto ao preço, um usado pode sair por 500 pratas e, um novo, na operadora, com um plano pós pago, pode sair de R$949,00 até de graça, dependendo do plano (vi na loja virtual da TIM).

Deixo abaixo umas fotos do aparelho que recebi para testes e que amanhã estará a caminho da HTC novamente.

Review do HTC Touch Pro

Na semana passada, conforme contei por aqui, recebi o HTC Touch Pro para testar. Hoje o devolvi para a HTC. Vamos ao review!

O último aparelho que eu tive que rodava Windows Mobile (está bem, nem era Windows Mobile, era Windows CE) foi meu saudoso Compaq Aero 1550 que tinha uma CPU de 70MHz (não esqueci um zero não). Isso foi lá pelos idos do ano 2000. Aliás, nem celular ele era, era um pré Pocket PC da Compaq, que concorria com os Palms IIIe.

Depois disso, nunca mais usei nenhum aparelho com o Windows Mobile e, confesso, tenho um bom preconceito contra esse sistema operacional.

Depois que comecei a testar aparelhos da HTC, descobri uma porção de amigos que são fãs não só da HTC como do Windows Mobile. Tenho um amigo, por exemplo, que tem um HTC TyTN e ama o bicho de paixão. Descobri também que o legado de programas desenvolvidos para a plataforma é muito grande (principalmente para o mercado corporativo). Hoje em dia não se vê um distribuidor de qualquer mercadoria que não tenha um aparelho com Windows Mobile conectado via celular à rede da empresa.

A tentativa da HTC em melhorar a interface do Windows Mobile foi muito bem sucedida. Se ele estiver bem configurado, você não vai passar muito tempo procurando seu programa no Menu Iniciar. Ele tem uma interface TouchFLO™ 3D e isso ajuda muito na utilização do celular. Em alguns casos você não precisa nem usar a stylus.

Interface TouchFLO

Além do Windows Mobile, existem na internet várias comunidades que ensinam a instalar o Android nos aparelhos da HTC. Com isso, você pode usar o sistema operacional do Google no HTC Touch Pro. Eu não cheguei a testar, mas várias pessoas já conseguiram instalar. Aliás, existe a possibilidade de fazer a instalação até sem apagar o Windows Mobile, caso você queira testar podendo voltar ao sistema original. Maiores informações nesse site aqui (em inglês).

HTC Touch Pro rodando Android

Agora vamos ao hardware do HTC Touch Pro. Nesse quesito, ele dá um banho em muito aparelho por aí, vem equipado com Teclado QWERTY (que merece um capítulo à parte) deslizante, dualband 3G HSDPA, quadriband GSM/EDGE, A-GPS, Câmera de 3.2MPx com flash de LED e auto foco, tela resistiva de 480×640 (VGA), Acelerômetro, câmera frontal para videochamadas, bateria de 1340mAh, WiFi, Bluetooth, NaviKey touch (tecla direcional), CPU Qualcomm MSM 7201A 528 MHz e Rádio FM com RDS.

Como eu falei, o teclado do HTC Touch Pro é maravilhoso. Ele não é tão bom quanto o teclado do E71, mas dá de 1000 a zero no teclado medonho do N97. As teclas são muito bem distribuídas, têm um tamanho bom (até para quem tem mãos de ogro como eu), existe uma fileira de teclas numéricas, o que evita bastante as teclas de função e é muito macio.

O único problema do hardware dele é a espessura. O bicho é muito gordo. Não que isso seja um problema, né? Nós gordos temos nosso charme ;). Mas fora o charme, usar um celular com aquela espessura no bolso é um incômodo. Para o HTC Touch Pro, o ideal é uma capinha no cinto. Quem usa um N95 sabe do que eu estou falando.

A bateria do aparelho também não faz feio. Comigo, ela durou quase dois dias, façanha que só o E71 tinha conseguido até hoje, com o meu uso de internet 3G e WiFi. Nesse ponto, prefiro essa bateria à do meu N82 que não dura nem um dia inteiro.

Bom, para uma pessoa que tinha preconceitos contra o Windows Mobile, até que o HTC Touch Pro conseguiu mudar um pouco a visão que eu tinha do Sistema. Além disso, com a possibilidade de instalar um Android no aparelho, ele ganhou muitos pontos comigo. E você? O que achou dele?

Review do HTC Magic – Parte 2

E chegamos à parte final do review do HTC Magic. Caso você tenha perdido a primeira parte, clique aqui.

A primeira parte do review foi basicamente sobre o hardware do aparelho e essa segunda parte se propõe a cobrir uma boa parte da parte de software do HTC Magic. Como ele é um aparelho com sistema Android, acredito que encontremos as mesmas coisas em outros aparelhos com a mesma versão do sistema móvel do Google, no caso desse aparelho, a 1.5.

Antes de falar sobre o sistema, prometi falar sobre a duração da bateria no último post. Pois então:

Tenho usado o aparelho de forma bem pesada nesses dias em que estou com ele para testar. Mesmo assim não fiquei sem bateria nenhum dia sequer. Ela durou pelo menos um dia inteiro. Alguns dias de menos uso cheguei no final da jornada com bateria suficiente para uma noite inteira sem uso e mais uma manhã de uso. O meu uso normal foi de internet 3G ou WiFi conectada o dia inteiro (checando e-mails e twitter), um pouco de uso de GPS e chamadas telefônicas. Meu veredito: Bateria aprovadíssima!

Voltemos agora ao sistema do aparelho.

Como eu falei no post anterior, digitar textos nesse aparelho pode ser complicado, ainda mais se você tem dedos de ogro como eu. Nunca consigo apertar as teclas certas. Pensando nos Shreks como eu, o sistema tem um dicionário interno, capaz de identificar digitações erradas e sugerir palavras. Minha estatística é que, se eu não olhar para o que está saindo e digitar, acerto 90% das palavras com a correção do sistema. Além disso, quando não acerto e ele não sugere a palavra certa, a alternativa correta é uma das 3 ou 4 que ele oferece.

Resumindo, digitar no HTC Magic não é das tarefas mais agradáveis. Mesmo assim é possível acertar bastante, devido ao sistema de correção e sugestão de palavras que ele tem. Ainda prefiro um teclado físico. Talvez um teclado como o do HTC Dream fosse a solução para esse problema. A trackball do aparelho ajuda na hora de escolher uma palavra alternativa sugerida e na hora de editar textos.

No quesito multimídia, o único pecado do Magic é o seu fone de ouvido com conector proprietário. Fora isso, o alto-falante do viva-voz pode ser usado para ouvir músicas e assistir vídeos sem problema nenhum, com uma qualidade de som muito boa, melhor inclusive do que a qualidade do som dos alto-falantes do N97.

O player de música é bom, muito parecido com o do iPhone/iPod. Mostra as capinhas de disco e você pode navegar entre os discos da mesma forma que nos aparelhos da Apple.

Na parte de vídeos ele vem com um player nativo do Youtube. Muito interessante.

A grande qualidade do aparelho (imagino que seja comum dos aparelhos Android) é a integração tão útil quanto óbvia com os serviços do Google e com algumas redes sociais (Twitter e Facebook).

Logo que você liga o aparelho pela primeira vez, já tem oportunidade de se conectar ao GMail para checar e-mails, sincronizar a agenda e os contatos. Como eu sincronizava com frequência o meu E71 (e os outros Nokias precedentes a ele) com o GMail, não precisei me preocupar com os contatos de telefone. Vieram todos “automagicamente” do GMail, inclusive com e-mails e fotos.

Ainda nesse quesito, o Google Maps e o Latitude funcionam perfeitamente com o GPS munido de bússola eletrônica. Nesse ponto o HTC Magic (com um bom plano de dados) é perfeito.

Para fechar a integração com o Google, ele vem com o Google Talk instalado. O aplicativo só permite chats, mas já é mais do que suficiente. Caso você queira usar VoIP e outros Instant Messengers, use o Nimbuzz, disponível no Android Market.

Detalhe curioso: Parcialmente ensolarado às 20:03? 😀

Por falar em falar, o aplicativo de telefone é completamente integrado com os contatos do GMail. Se você tem uma lista de contatos organizada, vai ser muito simples usar o telefone. Você começa a discar e ele vai mostrando todos os contatos que têm aqueles números.

Outra função natural de um celular é receber e enviar mensagens SMS. Nesse ponto ele é bem parecido também com o iPhone. Nativamente ele guarda as mensagens na forma de conversa, como se fosse um chat.

O browser para navegar na Web é bem rápido e funciona muito bem, a menos do fato de não abrir itens em Flash nas páginas. Quando existe algum vídeo do Youtube ele abre a aplicação nativa do Youtube para mostrar o vídeo. Fora isso, você pode navegar normalmente nas páginas e aproveitar o telão para ver as páginas de forma mais confortável.

Na parte da loja de aplicativos, o Android está muito bem servido. São centenas de jogos e milhares de aplicativos, grande parte gratuita, para você instalar no aparelho. Difícil é escolher. 😀 Aliás, o sistema da Android Market é bem legal. Você pode ir escolhendo os programas que ele instala em segundo plano enquanto você escolhe mais e mais programas.

Ah, e na parte de jogos o aparelho não faz feio não. O acelerômetro e a telona capacitiva ajudam muito na hora da diversão com jogos.

Antes de fechar o post com a conclusão, uma dica. No Android os programas ficam sempre abertos, mesmo que você os feche com o botão de voltar ou clicando na casinha. Para liberar memória, me deram a dica de instalar o Advanced Task Killer, um aplicativo gratuito que justamente fecha (ou mata) os programas que estiverem rodando, seguindo suas ordens. Muito útil.

Para fechar:

Esse foi o meu primeiro review de aparelho que não era daquela marca finlandesa e o resultado foi muito bom, na minha opinião. Apesar do Android ainda ser um sistema novo, em comparação com o Symbian e o Windows Mobile, ele está muito forte e crescendo muito rapidamente.

Se você está querendo um aparelho para estar conectado o tempo inteiro e poder jogar bastante, o HTC Magic é uma boa opção.

Review do HTC Magic – Parte 1

Como alguns já sabem, recebi na sexta-feira o HTC Magic para testar. Esse foi o primeiro HTC a chegar ao mercado brasileiro com Android. O HTC Dream (Google G1) não chegou aqui no Brasil.

Esse também foi o meu primeiro contato com a plataforma Android. Eu nunca havia testado tão de perto um telefone com Android. O único telefone com Android que eu mexi foi um Samsung que estava emprestado com o Nick Ellis do Digital Drops, quando fomos a um evento São Paulo. Foi um contato breve no aeroporto, enquanto esperávamos para fazer o Check-in. Agora pude ver com mais detalhes o dia-a-dia de um Android.

Vamos começar pelo que eu não gostei, para terminar bem esse review com o que eu gostei. Afinal de contas esse aparelho merece terminar muito bem o review.

Foram poucos os pontos que não me agradaram no HTC Magic.

O primeiro deles foi a falta de um flash (um LED, pelo menos) na câmera de 3.2MPx com foco automático. Com isso não há possibilidade de tirar fotos decentes à noite. Ainda não testei a câmera de dia, mas as fotos tiradas com iluminação artificial à noite ficaram ruins.

Eis a câmera. Realmente caberia um flash de LED nesse espação.
Eis a câmera. Realmente caberia um flash de LED nesse espação.

Falta um teclado físico. Não gosto de ficar digitando na tela porque erro muito a digitação. Na próxima parte do review vou falar mais sobre isso e sobre o método de correção de texto do HTC Touch que é muito bom. Em parte ele resolve o problema, mas continuo achando um teclado real mais produtivo.

Também falta um radinho FM. Isso faz falta para mim. Ouço jogos de futebol no celular sempre.

Fone de ouvido e microUSB proprietário, que também serve para carregar. Realmente o fone de ouvido poderia ser um plug de 3,5mm. Vejam abaixo a foto do plug.

Na parte de baixo do telefone temos o plug que serve para carregar, para ligar à USB e para o fone de ouvido.
Na parte de baixo do telefone temos o plug que serve para carregar, para ligar à USB e para o fone de ouvido.

Por último, o tempo de boot do aparelho, que, com 1:30 min, fazem você pensar duas vezes antes de desligá-lo ou deixá-lo ficar sem bateria. Fiz um videozinho que deixo abaixo:

Observação. Repare que quando eu passo o dedo a primeira vez na tela, eu passei a unha, o que nem sempre dá certo em telas capacitivas, apesar de funcionar sempre em telas resistivas como a do N97. Na segunda vez eu passei o dedo e ele respondeu na mesma hora.

Agora vamos às coisas boas desse aparelho. 😀

A tela é a primeira coisa que você repara nele. Ela realmente é bem grande, com 3.2″, e tem uma resposta aos toques muito boa (ela é capacitiva). O scroll cinético dele é tão bom quanto o do iPod Touch/iPhone e muito mais ágil do que o do N97 (que tem uma inércia incrivelmente grande). Além disso, ela funciona perfeitamente ao sol.

Outro quesito incrível do HTC Magic é a espessura do aparelho. Vejam nas fotos abaixo a comparação com o iPod Touch e com o N97.

De cima para baixo: iPod Touch 1ª Geração, HTC Magic e N97
De cima para baixo: iPod Touch 1ª Geração, HTC Magic e N97
Da esquerda para a direita: N97, HTC Magic e iPod Touch 1ª Geração
Da esquerda para a direita: N97, HTC Magic e iPod Touch 1ª Geração
Da esquerda para a direita: N97, HTC Magic e iPod Touch 1ª Geração.
Da esquerda para a direita: N97, HTC Magic e iPod Touch 1ª Geração.

O iPod Touch pode até ser mais fino, mas ele não é um telefone. Se fosse comparar com o iPhone, ele ou empataria se ele não fosse um pouco dobrado na parte de baixo. O N97 realmente não tem comparação em termos de tamanho. É um tijolo mesmo.

Ainda não testei bem a bateria do HTC Magic. Ele veio com um pouco de bateria ainda na sexta-feira e ontem viajei e só o usei na ida, trocando para o E71 quando cheguei no destino. Não posso ainda dizer quanto tempo ela dura. Vou deixar carregando hoje de noite e amanhã começo a testar mesmo a duração dela.

Em todo caso deve durar bem. Ela é uma bateria de íons de Lítio com capacidade de 1340 mAh, o que é menos do que os 1500mAh da bateria do E71, por exemplo. Vamos ver como ela se comporta amanhã.

A bateria é meio gordinha. Mas tem 1340mAh.
A bateria é meio gordinha. Mas tem 1340mAh.

Outra parte muito boa do celular é ter WiFi e 3G. Apesar disso, o Android tem uma coisa meio desagradável que é escolher o ponto de acesso automaticamente para você (se estiver fora do WiFi, vai usar a operadora sem te perguntar), mas isso eu falo depois. Agora só digo que tanto o 3G quanto o WiFi funcionaram perfeitamente comigo. O 3G dele é HSDPA 850/2100MHz, ou seja, funciona com qualquer operadora nacional (apesar desse exemplar que eu estou testando ser da TIM).

Por último, no quesito hardware, fecho essa primeira parte do review com o GPS com bússola eletrônica. Uma perfeição funcionando em conjunto com o Google Maps.

Ah, faltou falar das vísceras do aparelho. Ele é animado por um processador Qualcomm MSM7200A com 528MHz, tem 512MB de ROM, 288MB de RAM e vem com um microSD de 2.0GB.

Aguardem a próxima parte do review do HTC Magic em alguns dias. Por enquanto, deixo mais umas fotos.

Motorola Backflip Android – desconfie de promoções

Em um post na semana passada dizia que minha regra numero um ao escolher um produto é não comprar coisas feitas na China e se não for possível pelo menos garantir que não compre coisa feita na China por empresa Chinesa.

A regra numero dois é desconfiar das promoções de lojas e de operadoras. Por exemplo há um tempo atrás venderam o Nokia N800 por R$ 399,00 no Submarino. Muita gente comprou. Muita gente se arrependeu.

Promoções como estas acontecem quando o produto encalhou. E em geral o produto encalha porque é ruim.

Ontem recebi uma promoção da Vivo para compra via telefone do Motorola Backflip com o Android por apenas R$ 499,00 no Plano Vivo 200. R$ 499,00 por um Android no Brasil colocou uma pulga atrás da minha orelha e fui conferir o bichinho ao vivo.

Pontos Fortes:

Android que pode ser atualizado

Teclado QWERTY

Tela Capacitiva 3.1″

GPS, WiFi, etc.

Pontos Fracos:

Parece frágil. Isto é uma impressão minha, mas…

Android 1.5 – Muito velho para um lançamento.

Interface leeeeeerrrrrrdddaaaaa demais. Pode ser bug do celular da Loja, mas foi péssima a impressão.

Resumo: Eu não compraria o Motorola Backflip. Pelo menos não antes de conhecer alguém que tenha comprado e usado por uns dois meses.

Preview do N900

Antes de mais nada, gostaria de agradecer aos que acompanharam a saga da chegada do N900 por dividirem minha ansiedade. O aparelho chegou na hora do almoço e tive pouco tempo para brincar com ele. De imediato, a primeira impressão é boa. O aparelho parece bem acabado e é bonito. Pesado, sem dúvida, e um pouco gordinho. Umas fotos comparativas entre N800, N900 e XM5800 podem ser bem mais interessantes do que a minha opinião (fotos amadoras tiradas poucos minutos atrás):

cmp1

cmp2

cmp3

O meu maior medo era a tela e sua resposta aos dedos. Felizmente, o aparelho responde bem aos dedos, você realmente não precisa de usar nada mais pontiagudo a menos que o elemento da interface gráfica seja muito pequeno (nem tudo está tão ajustado aos dedos). Só recomendo uma pressão um pouco maior para uma boa resposta da tela.

A interface é cheia de “wow’s”, ou seja, várias surpresas agradáveis. As notificações de SMS e emails são bem bonitas também. E você se acostuma muito rápido com a lógica “tocar fora do foco” para sair e voltar de diálogos. Também passa a interagir facilmente com o menu no canto superior esquerdo, que chaveia tarefas e acessa o menu principal de aplicativos. Achei incrível como é bem mais intuitivo para um novato, muito mais fácil de usar do que um S60 quinta edição, como um N97.

Falando de N97, preciso dizer que o mecanismo de abertura do N97 é algo insuperável e o N900 toma uma surra neste ponto. Não gostei muito da abertura e menos ainda do fechamento. Você precisa pressionar no meio para fechar ou apoiar nas duas bordas superiores. Se pressionar somente em uma das bordas ele não fecha ou força. Acredito que o caso de uso seja sempre com duas mãos, o que justifica o design mas não deixa o consumidor feliz. Mas, por outro lado, o teclado é muito melhor do que o do N97. As teclas ficam juntas, sem aqueles espaços do N97 que atrapalham. Para quem vem do E71, como eu, é mais fácil se acostumar. Mais fotos:

tela1

tela2

tela3

A embalagem foi pensada para se ter um suspense a mais ao abrir. Você abre a tampa da caixa e tem outra, interna. Achei isto sensacional, adoro ver este tipo de cuidado. Na caixa, cabos para saída para TV, carregador, adaptador para carregadores tradicionais (a ponta para o N900 é sempre USB), fones do tipo plug (finalmente!) que não testei ainda, cabo USB e um pano para limpeza. Faltou uma capinha e também uma cordinha dessas de pulso.

cx1

cx2

cx3

Não testei nada com rigor, o entusiasmo estava muito elevado para qualquer análise mais aprofundada. No entanto, gostei das fotos que tirei. Algumas amostras, com esforço zero e tudo no automático:

foto1

foto2

foto3

foto4

foto5

No entanto, o mais importante era o envelope azul que pode ser visto nas fotos acima. Eu tenho os meus motivos para ser “Nokia de carteirinha”, como gosta de falar o Javsmo. Tenho me envolvido na área de programação para celulares desde outubro ou novembro de 2008, sempre contribuindo, fazendo e divulgado meus programas, participando do Forum Nokia, dos grupos de discussão, blogs e da wiki. Ou seja, passei de “zé ninguém”, para Forum Nokia Champion e um dos administradores da wiki, além de conhecer gente do mundo todo e fazer muitos amigos. O próprio Javsmo foi um deles. Acho isto incrível pois pesou apenas o meu esforço e dedicação, devidamente reconhecidos pela comunidade e administração. Não teve panelinhas, barbadas ou conchavos. O N900 é um incentivo para continuar e recomendo que vocês também participem. Ah, aguardem o Milkshake, está ficando muito gostoso !

diploma