Outra mancada da Nokia – Baniu do Nokia Dev o criador do Gravity

Pois é moçada, parece mesmo que a Nokia não consegue ficar muito tempo sem soltar um “fogo amigo“.

O último a receber uma bordoada da Finlandesa foi o alemão Jan Ole Suhr, mais conhecido como o desenvolvedor do Gravity, o melhor cliente de Twitter feito para Symbian. Na minha opinião, ele é melhor do que qualquer outro por aí.

Contatado pela Nokia sobre sua intenção de portar o Gravity para Windows Phone, o rapaz disse que não tinha intenção de portar, uma vez que não via um retorno financeiro razoável que justificasse o trabalho de portar e manter o aplicativo para Windows Phone.

Por causa dessa negativa, a Nokia baniu o sujeito do programa Nokia Dev, mesmo ele sendo um campeão de vendas na Ovi Store com o Gravity.

Quem já usou o Gravity pelo menos por um tempo, sabe que ele é um excelente cliente para Twitter e que ele é continuamente atualizado com correções de bugs e novas funções. O programa é muito bem cuidado, mas também é muito bem pago. Uma licença do Gravity custa a “bagatela” de R$ 18,00 (segundo minha pesquisa na Ovi Store). E você reclamando em pagar US$ 0,99 por um Angry Birds…

Enfim, o desenvolvedor achou que não teria condições de manter uma versão no Windows Phone da mesma forma que ele mantém a do Symbian e, por causa disso, tomou um “ban” da Nokia.

O negócio pegou mal e a Nokia, reparando na besteira que havia feito, tentou chamar o sujeito de volta oferecendo a ele um Lumia de graça e um e-mail de desculpas tosco assim: “Desculpe, você pode voltar quando aprender a desenvolver para Windows Phone 7”. O resultado dessa lambança é que ele agora está pensando em portar o Gravity para iPhone e Android.

Deixo abaixo uma conversa do Jan Ole sobre o assunto no Twitter.


Quem ganha com isso? Os usuários de Android e iPhone, que poderão ter um cliente decente de Twitter. Só perdeu com isso a Nokia, que teve mais uma vez a imagem arranhada por um fogo amigo.

Não tem notebook em estoque? Manda churrasqueira!

Não sei se foi isso que aconteceu, mas o resultado da lambança da Americanas.com foi esse, comprou notebook e recebeu churrasqueira.

Churrasqueira Giulietta
Churrasqueira Giulietta

Há uns dias minha esposa comprou na Americanas.com um notebook Samsung para dar de presente ao meu sogro pelo dia dos pais. Para nossa surpresa, o pedido, que estava previsto para chegar no dia 29/07, foi antecipado muito e chegou ontem, 25/07, enquanto estávamos viajando. Quem recebeu o pacote foi o porteiro do prédio, que, obviamente, não abriu para conferir o que havia na embalagem lacrada da Americanas.com.

Hoje minha esposa resolveu antecipar o presente e foi à casa do meu sogro com a embalagem ainda lacrada. Ao abrir o presente, para a surpresa de todos na sala, ao invés de um notebook Samsung, apareceu uma sensacional churrasqueira elétrica Giulietta. (Uma resistência elétrica, um tabuleiro e uma grelha).

Pensamos que podiam ter errado a entrega dos pacotes, mas ao conferir a nota-fiscal, que estava num envelope lacrado na embalagem, vimos que ela se referia a um notebook realmente, e não a uma churrasqueira elétrica que custava 10% do preço do computador comprado.

Ela entrou em contato com a Americanas.com que prometeu uma resposta em um dia útil, mas foi tão mal atendida, que duvido muito que resolvam isso de forma rápida…

Vamos aguardar os próximos capítulos para ver se a Americanas.com resolve de forma decente esse imbróglio que eles aprontaram.

Operadora com dupla personalidade, usuário perde

Seguindo a linha do post de ontem, vemos que além da favelização da Anatel, tomada de assalto pelos “cumpanheiros” outro fenômeno que vemos no setor de telecomunicações é o que poderíamos chamar: “Transtorno de Multiplas Personalidades de Operadora”

Vejamos o exemplo didático:

 

Ao preencher o formulário eles perguntam através de uma lista de onde é sua linha antiga e opção Embratel está lá:

Depois de gastar horas com um call center que tem o dom de ter “colaboradores” que não sabem diferenciar um telefone de um martelo, você abre um chamado na ouvidoria da NET que supostamente é tocado pela senhora Vera Rennó que diz pomposamente:

Eu, Vera Rennó, e minha equipe somos as representantes do consumidor dentro da NET. Nosso departamento existe para defender suas críticas e sugestões, sejam elas relacionadas aos serviços, produtos ou processos da empresa.

Então cheio de esperança recorro a ouvidoria (já que a Anatel nem site para receber reclamação tem mais direito) e recebo numa bela manhã de sábado a ligação da representante da ouvidoria, a senhora Paula, que me trata pior que o call center, quase berra no meu ouvido e chega ao limiar de me chamar de burro pois não estaria sendo capaz de entender que a Net é a Embratel (OMG!)

Quando indico a senhora Paula que a Embratel está na lista de operadoras que a Net oferece portabilidade, ela afirma com a maior cara de pau do mundo, que não conhece o site da Net e não tem acesso a ele (OMG 2)