O Orkut morreu, quem é o culpado?

Era uma vez o Orkut, uma rede social à qual quase todo mundo pertencia e que era de longe a mais popular no Brasil. Hoje ela veio a falecer depois de um longo período moribunda e é mais um produto do Google que morre.

O Google mata seus produtos com mais facilidade que Stalin matava seus colaboradores. Leon Trotsky era um grande parceiro do pessoal do Stalin teve que fugir para o México e levou um machado na cabeça. Acidentes similares aconteceram com cerca de 1.5 milhões de outros soviéticos que um dia foram caras muito legais e depois eram inúteis e inimigos.

Guardadas as devidas proporções é este tipo de insegurança que o Google gera ao lançar a nova revolução e matar depois. Assim foi com o Google Wave que seria aquele que revolucionaria o e-mail, assim foi com o Google Buzz que competiria com o Twitter, assim foi com o o próprio Google Glass que vai minguando.

Obviamente que a morte do Orkut é algo que era já aguardado há muito tempo, mas esta falta de garantia de suporte das coisas leva a pensarmos quando o Google lança as coisas: “vale a pena usar isto? Será que vou começar a usar e vão matar depois?”

Você quando for comprar aquele Android super bonito pense bem nisto antes.

Deixe aqui sua flor na cova dos produtos que o Google matou: http://thedroidguy.com/2013/03/leave-a-flower-for-a-defunct-google-product-in-the-google-graveyard-55202

orkut

Há setenta anos o Dia D. A homenagem que o Google não fez

Todos vemos que o Google faz homenagens para todos os tipos de datas, das mais estapafúrdias até algumas realmente importantes. No entanto hoje, 06 de Junho de 2014, 70 anos depois da maior operação da história da humanidade, que garantiu a liberdade ao mundo e pavimentou o caminho do fim da segunda guerra mundial, não houve homenagem, resolveram homenagear o criador do jogo Go.

O Google é uma das empresas mais “politicamente corretas” que existe e faz Doodle para parada gay, para dia do Gnomo, para aniversário do Lord Byron, mas tem ignorado Páscoa, e outras coisas mais importantes.

Fica aqui a nossa homenagem aos homens e mulheres que fizeram a história:




D-Day_Statement_to_Soldiers,_Sailors,_and_Airmen_of_the_Allied_Expeditionary_Force_-_NARA_-_186473

Google vende Motorola para a Lenovo: e o preju?

O Google resolveu que não vale a pena brincar de fazer celular e decidiu vender a Motorola para os chineses da Lenovo. No comunicado oficial tem toda aquela lenga-lenga de que é uma nova posição estratégica, que a Lenovo consegue fazer a Motorola render mais, blá, blá, blá.

Mas até o mais mané dos investidores sabe que eles compraram a Motorola por USD 12.5 Bi e estão vendendo por USD 2.8 Bi. Por mais que tenham já vendido antes uma parte da Motorola por USD 3 Bi fica um preju que foi para a conta do Abreu.

O que mais me irrita no Google é esta cultura de não sabe para onde vai. Uma hora o Google Buzz vai ser o máximo, o Google Wave vai revolucionar o e-mail, outra hora os dois morrem, o Google Reader morre sem saber a doença e o Orkut sobrevive por aparelhos.

E o que chama mais atenção é olhar o índice P/E (Price-Earnings Ratio) das ações do Google e ver que está valendo 31.80 enquanto da Apple e Microsoft estão na casa dos 12.

Moto rola

Pane no Google detona o tráfego de sites

Um site que criamos tem tido uma monitoração frequente porque está em uma fase de expansão e ontem percebemos uma queda gigante no tráfego. Procurando a causa no Google encontrei o dado que todos os serviços do Google teriam saído do ar durante um intervalo de de cerca de cinco minutos.

Alguns sites de notícias afirmam que foi o pior blackout da história do Google por ter sido completo. E para botar mais lenha na fogueira o Google se recusa a dar mais detalhes sobre a falha, levantando suspeitas de algum ataque sofisticado e desconhecido.

Mais uma vez fica o alerta para o risco de depender demais do Google, ele é atualmente, em muitas coisas, o ponto de falha da internet mundial sem redundância adequada.

Google mega fail

Google bloqueia o App do YouTube do Windows Phone

Imaginem se a Microsoft impedisse que os computadores com Windows rodassem Chrome, ou impedisse que se entrasse na página do Google. O Google ia fazer um escarcéu, chorar nos tribunais americanos como eles fizeram recentemente quando foram trollados pela Oracle.

Bem, o Google mostrou ontem que não é o herói da história e usando do seu poder, e temos dado poder demais ao Google, arrancou a permissão do aplicativo YouTube do Windows Phone. Aplicativo este que havia sido negociado entre as partes (Microsoft e Google).

A Microsoft reagiu vigorosamente através de um post do chefe do departamento jurídico e se pintou para a guerra.

Por estas e outras eu tenho usado o Bing ultimamente.

The limits of Google openness.

Posted by David Howard
Corporate Vice President & Deputy General Counsel, Litigation & Antitrust, Microsoft

You may be wondering what happened to the YouTube app for Windows Phone. Last May, after we launched a much improved app on our platform, Google objected on a number of grounds. We took our app down and agreed to work with Google to solve their issues. This week, after we addressed each of Google’s points, we re-launched the app, only to have Google technically block it.

We know that this has been frustrating, to say the least, for our customers. We have always had one goal: to provide our users a YouTube experience on Windows Phone that’s on par with the YouTube experience available to Android and iPhone users. Google’s objections to our app are not only inconsistent with Google’s own commitment of openness, but also involve requirements for a Windows Phone app that it doesn’t impose on its own platform or Apple’s (both of which use Google as the default search engine, of course).

When we first built a YouTube app for Windows Phone, we did so with the understanding that Google claimed to  grow its business based on open access to its platforms and content, a point it  reiteratedlast year. As antitrust enforcers have launched investigations against Google – some of which are still ongoing – the company has reiterated its commitment to openness and its ability to stick to its openness commitments voluntarily.

With this backdrop, we temporarily took down our full-featured app when Google objected to it last May, and have worked hard to accommodate Google’s requests. We enabled Google’s advertisements, disabled video downloads and eliminated the ability for users to view reserved videos. We did this all at no cost to Google, which one would think would want a YouTube app on Windows Phone that would only serve to bring Google new users and additional revenue.

There was one sticking point in the collaboration. Google asked us to transition our app to a new coding language – HTML5. This was an odd request since neither YouTube’s iPhone app nor its Android app are built on HTML5. Nevertheless, we dedicated significant engineering resources to examine the possibility. At the end of the day, experts from both companies recognized that building a YouTube app based on HTML5 would be technically difficult and time consuming, which is why we assume YouTube has not yet made the conversion for its iPhone and Android apps.

For this reason, we made a decision this week to publish our non-HTML5 app while committing to work with Google long-term on an app based on HTML5. We believe this approach delivers our customers a short term experience on par with the other platforms while putting us in the same position as Android and iOS in enabling an eventual transition to new technology. Google, however, has decided to block our mutual customers from accessing our new app.

It seems to us that Google’s reasons for blocking our app are manufactured so that we can’t give our users the same experience Android and iPhone users are getting. The roadblocks Google has set up are impossible to overcome, and they know it.

Google claims that one problem with our new app is that it doesn’t always serve ads based on conditions imposed by content creators. Our app serves Google’s advertisements using all the metadata available to us. We’ve asked Google to provide whatever information iPhone and Android get so that we can mirror the way ads are served on these platforms more precisely. So far at least, Google has refused to give this information to us. We are quite confident that we can solve this issue if Google cooperates, but fixing Google’s concern here is entirely within Google’s control. If Google stops blocking our app, we are happy to work with them on this, entirely at Microsoft’s expense.

Google also says that we are not complying with its “terms and conditions.” What Google really means is that our app is not based on HTML5. The problem with this argument, of course, is that Google is not complying with this condition for Android and iPhone. Again, we’re happy to collaborate with Google on an HTML5 app, but we shouldn’t be required to do something that apparently neither iPhone nor Android has successfully figured out how to do.

Google raises concerns about our branding too. The funny thing about this point is that we’ve been using the same branding continuously since 2010 for an inferior YouTube app. Now that we have an app that gives users a fuller YouTube experience, Google objects to the branding (even though we’ve taken additional steps to clarify that we are the author of the app). Go figure.

Finally, Google cites a degraded experience. Since 2010, Google permitted a Windows Phone app that was far below the iPhone and Android app experiences. Reviews of our new app are unanimous that the experience is much improved, and we’re committed to making adjustments to improve it further. If Google were truly concerned about a degraded experience, it would allow our users access to the new YouTube app they love.

We think it’s clear that Google just doesn’t want Windows Phone users to have the same experience as Android and Apple users, and that their objections are nothing other than excuses. Nonetheless, we are committed to giving our users the experience they deserve, and are happy to work with Google to solve any legitimate concerns they may have. In the meantime, we once again request that Google stop blocking our YouTube app.

google-is-evil-300x270-1314103412

[Breaking News] – Google compra o Waze

A Apple perdeu uma grande chance de ter um sistema de mapas bom.

Hoje o Google anunciou a compra do Waze (que na minha opinião é o melhor serviço de trânsito que existe). O Waze é desenvolvido em Israel e continuará por enquanto separado do Google. Veja abaixo a nota oficial.

We’ve all been there: stuck in traffic, frustrated that you chose the wrong route on the drive to work. But imagine if you could see real-time traffic updates from friends and fellow travelers ahead of you, calling out “fender bender…totally stuck in left lane!” and showing faster routes that others are taking.

To help you outsmart traffic, today we’re excited to anno

unce we’ve closed the acquisition of Waze. This fast-growing community of traffic-obsessed drivers is working together to find the best routes from home to work, every day.

The Waze product development team will remain in Israel and operate separately for now. We’re excited about the prospect of enhancing Google Maps with some of the traffic update features provided by Waze and enhancing Waze with Google’s search capabilities.

We’ll also work closely with the vibrant Waze community, who are the DNA of this app, to ensure they have what’s needed to grow and prosper.

The Waze community and its dedicated team have created a great source of timely road corrections and updates. We welcome them to Google and look forward to working with them in our ongoing effort to make a comprehensive, accurate and useful map of the world.

Posted by Brian McClendon, Vice President, Geo

Google and Waze deal

Começa hoje o Google I/O com transmissão ao vivo

Se você desenvolve para Android, ou pretende desenvolver. Se você desenvolve para o Google App Engine, Google Maps, etc, hoje é dia de ver o keynote do Google I/O que começa as 13hs (horário do Rio de Janeiro).

O video pode ser assistido abaixo:

Será um keynote de cerca de 3 horas, mas talvez o começo seja útil mesmo para quem não tem interesse direto em desenvolvimento para a plataforma Google.

Google I-O 2013

Uma brincadeira inteligente de primeiro de Abril

Hoje quando você abre o Bing.com percebe que alguma coisa está esquisita.

Bing 1o de Abril

 

Pois é. Esta estátua está rindo. E de acordo com o movimento do mouse ela fica séria e ri de novo. Mas ainda não é a pegadinha. Se você digitar google no campo de busca e der enter vem a página a seguir:

Bing zoando o Google

 

Eu que não gosto muito das piadas do Google com primeiro de Abril, achei esta legal.

Anunciado o fim do Google Reader

Na sua limpeza de primavera o Google anunciou que entre os produtos que serão exterminados está o Google Reader. Data da morte: Junho. Motivo, diminuiu a base de usuários. Até aí é o que você pode já ter lido em outros lugares.

Vamos tentar analisar um pouco mais a fundo as implicações disto.

Matar um produto como o Google Reader que muita gente usa, e muitos apps usam: Reeder, Flipboard, Pulse, etc, sinaliza para o usuário que a menos do buscador todos os produtos do Google são descartáveis. Basta um declínio na base de usuários que algo de sucesso como o Google Reader é rapado sem dó nem piedade.

O Reader vai para o céu dos serviços Google junto ao Buzz que ia destronar o Twitter, com o Wave que ia mudar o e-mail e muitos outros menos conhecidos.

Vendo esta forma de atuar do Google eu me pergunto: será que você vai migrar do Facebook para o Google+? Do Skype para o Google Voice? Do iOS para o Android? Que garantia o Google me dá que na próxima primavera a guilhotina não vai descer sobre Google+, Google Voice ou Android?

rip-google-reader-630x630

Balanço de 2012 do ponto de vista da Cinelândia

Vai chegando o fim do ano e é o momento que meus fregueses pedem previsões, este analista, famoso pelas suas previsões diz que ainda não é a hora para isto. Previsões acontecerão por volta do dia 31.

No entanto, para não deixar você com síndrome de abstinência deste escriba, faço um balanço de tecnologia de 2012 separado por empresas.

Apple – A maior empresa de Tecnologia do mundo de acordo com o valor de mercado vai bem. Não se pode negar, porém que algo não foi tão bem este ano, o primeiro depois da morte de Steve Jobs e acendeu uma luz vermelha entre nós que temos o dom da vidência tecnológica. A Apple mandou embora dois de seus VP, vocês podem dizer que eles saíram em busca de novos desafios, mas isto é um eufemismo para o velho e bom pé no local onde as costas perdem seu digno nome. Depois o iPhone 5, que realmente não empolgou; o garçom do bar onde comemos nosso ovo cozido na Cinelândia dizia que ia comprar um Galaxy porque o iPhone está muito caro e “não é mais estas coisas”. Em outros países o iPhone 5 foi bem vendido mas muita gente não viu ele como algo que fizesse querer trocar do 4S. Alguns desenvolvedores não estão muito felizes com a Apple, parece que a loja nova de Apps não agradou e tem gente perdendo dinheiro ao desenvolver para o iOS.

Resumo da ópera: a Apple tem muita gordura para queimar, mas queimou um pouco este ano, outro ano assim e vai ter gente falando que a mágica acabou. Inovação, cuidar com carinho dos desenvolvedores e melhorar estes preços no Brasil: são boas metas para 2013.

Microsoft – O Windows 8 é realmente fantástico. Acho que desde 1995 a Microsoft não revolucionava tanto. Outro dia entre um ovo cozido e outro um companheiro dizia que a Microsoft está se tornando a nova Apple; acho exagero, mas foi um ano bom. O Windows Phone 8 também me impressionou muito bem e a parceria com a Nokia pode dar bons frutos. Não é verdade que eu veja um mar azul diante da Microsoft, mas parece que se não fizerem bobagem tem boas oportunidades de voltar a ser a número 1 em tecnologia.

Google – O Google para mim é um mistério. Vai bem, tem o buscador, o e-mail e os mapas que todo mundo usa, mas parou de inovar. Todo ano o Google lança uma penca de produtos que ele vai enterrar no ano seguinte. Não é que os resultados estejam ruins, não estão, mas precisava alguém para por ordem na casa. A loja do Android: Google Play deu uma boa melhorada este ano, mas está longe de empolgar: a pirataria come solta, se bobear tem malware sendo até vendido lá e aquela API em Java é o desespero de muito desenvolvedor.

Outros: Blackberry, preparou o terreno para o BB10, se não der certo o prego será batido no caixão. O sistema parece interessante, precisamos ver na prática.

Nokia lançou belos aparelhos com o Windows 8 e vem aos poucos reconquistando confiança dos desenvolvedores. Fez certo este ano ao lançar seu sistema de mapas para iOS e Android.

A Intel, depois de praticamente fazer picadinho da AMD agora no fim do ano começa a se preocupar com a ARM aparecendo no retrovisor. A batalha de Ghz de transformou numa batalha de mW este ano.

Produto do Ano na modesta mas infalível opinião deste analista é o que vai abaixo, mostrado na série NCIS desta semana:

Windows 8 NCIS S10

Espero que você tenha um feliz Natal e aguarde em breve as previsões para 2013.

Sete Leituras para o domingo – (VII)

Apesar de que alguns leitores dizem que só temos publicado as sete leituras de domingo, é verdade porque o dono deste blog está com uma carga de trabalho que nunca experimentou antes, fazendo mais de 100 horas por semana; vamos continuar publicando pelo menos as leituras e tentar aos poucos ir voltando ao ritmo antigo.

1) Se você não leu, precisa ler o estudo estatístico do Zeletron sobre o Ibope. Tem até uma simulação em Python

2) Você já pensou qual é o custo real de seu carro? Existe uma app para ajudar a manter sob controle estas despesas. Veja a análise no 9to5mac.

3) Esta semana vai ser quente. Dia 23 haverá um evento em que deve ser lançado o iPad Mini (que alguns dizem que vai ser chamado de iPad Air) e o Macbook 13″ Retina (este é uma forte especulação).

4) Já no mundo Microsoft o evento será gigante. O lançamento mundial do Windows 8, dia 26. O lançamento do Microsoft Surface com Windows 8 RT dia 25 e o provável começo das vendas dos primeiros Nokia com Windows Phone 8.

5) No mundo Google um SNAFU na quinta-feira quando vazou que os resultados do trimestre não seriam bons e as ações despencaram espetacularmente ativando o circuit breaker da NASDAQ para o GOOG. Parece que a compra da Motorola está cobrando seu preço.

6) Nas linguagens de programação JAVA perdeu seu longo reinado para o velho e bom C. Objective-C vem subindo assustadoramente e já passou C++ no Ranking.

7) Google lança oficialmente a linguagem Dart como proposta para substituir o Javascript.

Banânia se aproxima cada vez mais ao Taleban e à Coreia do Norte

Ainda sobre o assunto de ontem, acho que não poderia deixar de postar o que diz Reinaldo Azevedo em seu blog sobre o bloqueio ao Google no Mato Grosso do Sul

Nem o AI-5 tinha tanto poder no Brasil quanto a Justiça Eleitoral. Daqui a pouco, estaremos fazendo inveja ao Taleban. Leiam o que informa o Globo Online. Volto em seguida.

O juiz da 35ª Zona Eleitoral de Campo Grande, Flávio Saad Peron, determinou que as empresas Embratel e OI, que dão acesso à internet em Mato Grosso do Sul, bloqueiem o site YouTube no estado durante 24 horas. Segundo ele, trata-se de uma punição à empresa Google, dona do site, por ter descumprido ordem judicial de retirar do ar imagens de supostas denúncias contra Alcides Bernal (PP), candidato a prefeito de Campo Grande. O descumprimento fez com que fosse detido e liberado anteontem o diretor da Google no Brasil, Fábio José Silva Coelho, que em nota informou que bloqueará o acesso ao vídeo.

Segundo Peron, a Embratel e a OI pediram prazo para cumprir a determinação, alegando que seriam necessários alguns procedimentos técnicos e por isso foi concedida às empresas prazo de três dias, a contar de ontem, quando foi elaborado novo ofício do juiz. Peron, no entanto, avalia que a decisão da Google de retirar o vídeo não deve ser uma solução imediata:

— Juridicamente não há o que fazer, os vídeos foram replicados. Não tem como fazer um controle.

O executivo da Google lamentou a decisão da Justiça. “Estamos desapontados por não termos tido a oportunidade de debater plenamente na Justiça Eleitoral nossos argumentos de que tais vídeos eram manifestações legítimas da liberdade de expressão e deveriam continuar disponíveis”, argumentou Coelho. Segundo ele, a empresa continuará com uma “campanha global pela liberdade de expressão”.

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Supremo Tribunal Fedeal Marco Aurélio Mello criticou ontem o Congresso, pela demora em disciplinar questões eleitorais relacionadas à internet: “É um tema que está precisando de uma disciplina maior.” Questionado se o TSE já tem um entendimento de quem deve assumir a responsabilidade por um vídeo em sites como o YouTube, Marco Aurélio disse que isso é assunto para o Congresso: “É o Congresso que tarda em disciplinar essa matéria.”

Voltei
Se o tal Alcides Bernal não queria que o vídeo fosse visto, deu um tiro no próprio pé. Até eu, que nunca tinha ouvido falar dele, estou quase curioso para saber o que há no tal vídeo. O Brasil é motivo de chacota mundial.

 

Ahmadinejad Lula Erdogan

Diretor do Google preso. Coreia do Norte: aí vamos nós!

Congress shall make no law respecting an establishment of religion, or prohibiting the free exercise thereof; or abridging the freedom of speech, or of the press; or the right of the people peaceably to assemble, and to petition the Government for a redress of grievances. – US Constitution: 1st Amendment

Direito à liberdade de expressão e de imprensa. A constituição dos EUA garante isto a eles desde 1787, aqui no Brasil em 2012 ainda não temos este direito. Veja a matéria da Veja.com abaixo, o que vai em azul são meus comentários.

Por Rafael Sbarai e Renata Honorato, na VEJA.com:
O diretor geral do Google, Fábio Coelho, foi detido nesta quarta-feira pela Polícia Federal, em São Paulo. O motivo: a companhia, dona do YouTube, se recusou a retirar do site de compartilhamento um vídeo em que Alcides Bernal (PP), candidato à Prefeitura de Campo Grande (MS), é acusado de prática criminosa. O executivo foi liberado depois de assinar o Termo Circunstanciado de Ocorrência, um compromisso de comparecer quando for convocado a prestar esclarecimentos perante o juiz eleitoral.

O vídeo em questão tinha poucas visualizações até ontem e hoje apesar de continuar com um valor pequeno para o padrão YouTube, praticamente teve dobrado o número de visualizações. O 

A decisão de prender o diretor do Google foi tomada pelo juiz Flávio Saad Peren, da 35ª Zona Eleitoral. Segundo a nota da PF, o magistrado considerou que a empresa violou o artigo 347 do Código Eleitoral, que trata do descumprimento de ordens da Justiça Eleitoral, ao manter o vídeo contra o candidato a prefeito de Campo Grande Alcides Bernal no ar.

A justiça eleitoral no Brasil é uma piada de mau gosto (eu posso ter esta opinião, senhor juiz?) e a alguns magistrados (não estou falando especificamente do senhor) não tem o bom senso e o conhecimento técnico necessário para julgar no século XXI. Curioso é o fato de o juiz não ter determinado que quem colocou o vídeo que o tire.

“Nesse caso, o juiz pode adotar uma série de medidas, como bloquear o acesso ao YouTube no Brasil, a exemplo do que aconteceu no episódio envolvendo a modelo Daniela Cicarelli, em 2007″, diz Renato Opice Blum, advogado e coordenador do curso de direito digital da Escola Paulista de Direito. “Duvido, contudo, que isso aconteça, em função dos graves problemas decorrentes da interrupção do serviço para os usuários.”

Seria o máximo da lambança. Por causa de um candidato a prefeito de Campo Grande-MS todo o Google no Brasil ficaria bloqueado.

A decisão de manter o vídeo contra Bernal no ar é idêntica à adotada pelo Google em situações semelhantes anteriores. Nesses casos, a companhia defendeu a posição de que, como provedora do serviço de compartilhamento de vídeos, não pode ser responsabilizada por conteúdos publicados por usuários.

A empresa já havia recorrido, ao Tribunal Regional Eleitoral, da decisão que determinara a retirada do vídeo do ar. Foi derrotada. Agora, espera ainda para esta quarta-feira o julgamento de novo recurso, desta vez protocolado no Tribunal Superior Eleitoral.

Como diria o Chavez: “Ai que burro, dá zero para ele.”

O Zeletron não quer ir para a cadeia e portanto se compromete a tirar do ar este post caso os censores do governo brasileiro mandem