Trabalhar nos EUA ou na Europa?

Com a situação política e econômica brasileira se deteriorando rapidamente, muitas pessoas tem começado a considerar outras saídas para o Brasil como por exemplo o Aeroporto do Galeão e de Guarulhos. A menos que alguém tenha um par e rapidamente consiga mudar a cleptocracia reinante no Brasil parece que os aeroportos serão as saídas para os cidadãos que querem ter um mínimo de segurança e oportunidade.

Este analista que muitas vezes adota um tom jocoso, agora se dedica a analisar as diferenças, prós e contras de EUA e Europa.

Estados Unidos: “God bless America” vs The Old World

Se você quer uma política de “moderate risk, high reward” e quer um Estado que não interfira na sua vida e deixe você tomar suas próprias decisões a América é o lugar para você.

Cada um negocia o seu

Como você pode ver, as leis trabalhistas nos EUA são as mais liberais do mundo. Cada um negocia o seu. E em muitas áreas isto significa mais oportunidades. Como você pode ver no gráfico abaixo:

devsalary_02

 

Também flexibilidade é um dos pontos fortes dos EUA. Com zero dias de férias parece algo ruim certo? Errado. Ao não encher as empresas com regras draconianas, o governo permite que setores onde para achar um funcionário é uma briga de foice em cabine telefônica no escuro, as empresas tratem seus funcionários como reis.

Obviamente que os países em que se paga doze meses de licença maternidade, 30 dias úteis de férias, seis meses de seguro desemprego, seguro saúde grátis, remédio grátis e aviso prévio de 6 meses alguém tem que pagar por isso. E aí todo mundo paga, quem usa e quem não usa.

20150319_Tax_Fo

É claro que tem um monte de vantagens de trabalhar na Europa, principalmente na Alemanha onde não há limite de velocidade nas estradas :), mas em resumo eu diria:

Você acha que o estado deve fazer o mínimo e garantir a segurança. Quer ter muitas oportunidades e um risco moderado? Gosta de Coca-cola zero refill? Arrume um emprego nos EUA.

Você acha que um estado babá é bom, quer oportunidades moderadas com baixo risco, gosta de vinhos ou cervejas? Arrume um emprego na Alemanha, Inglaterra, Espanha ou França (nesta ordem)

Quer um estado que quer ser babá mas come sua comida? Que tem regras rigorosas para quem é honesto e laxas para quem é ladrão? Quer preencher 20 mil formulários para receber USD 50 e ver gente recebendo USD 100 mi por baixo do pano? Quer pagar imposto europeu recebendo serviço da Burkina Faso? Então aqui é o paradise para você. Curta a Dilma!

Internet em aviões: United Airlines

Em primeiro lugar gostaria de dar os parabéns ao criador deste blog que completa hoje mais um aniversário. Não poderia dar um presente melhor (até porque o dólar está quase 4 reais) que fazer um post.

Semana passada fui aos EUA a trabalho (eita dólar caro) e pude experimentar a Internet na United Airlines além de voar no novo 787

O 787

Merece um post a parte o 787 como um primor tecnológico. O fato é que impressiona uma aeronave que consegue ser confortável mesmo na classe economica. O sistema de entretenimento fabuloso com muitas alternativas de filmes e tela bem responsiva.

Wifi

Ao embarcar nestas companias americanas você é avisado que não precisa desligar o celular, pelo contrário eles querem que você use o Wifi que para quem precisa trabalhar tem um preço bem acessível: US$ 1,99/hora nos vôos domésticos e US$ 16.99 para um vôo Rio-Houston.

Como sou muquirana só usei a versão gratuita no vôo internacional. Mesmo assim o sistema funciona de maneira interessante: oferece os mapas, a altitude, velocidade, vento, temperatura, etc. E deixa acessar todos os serviços e sites da United.

Já no vôo Houston-Washington eu paguei uma hora de wifi para testar e embora não dê para ver Youtube você pode muito bem colocar os e-mails em dia, usar Whatsapp, sincronizar seu repositório Git…

2015-08-30 09.57.46

 

The first 787-9 for United Airlines
The first 787-9 for United Airlines

Law & Chaos – O Brasil que precisa mudar

Você, caro leitor, dirá ao ver este título: que isto tem a ver com tecnologia? Nada e tudo. Pretendo apresentar abaixo uns casos “hipotéticos” de como é aplicada a lei num lugar desenvolvido onde brotaram as maiores oportunidades tecnológicas do século XX e XXI e num país atrasado, um gigante também, mas adormecido.

Caso Hipotético 1: Um rapaz tem uma amante, ela engravida e enche a paciência dele para pagar pensão, ele resolve tomar um atalho e sequestra ela, mata com ajuda de bandidos profissionais, picota, dá para os cachorros comerem.

País 1: O julgamento demora dois anos e o réu condenado pega 15 anos de cadeia. Cumpre 3 anos e vai para o regime semi-aberto que na prática é a liberdade.

País 2: O julgamento demora 8 a 9 meses. O réu se condenado é condenado à prisão perpétua ou é executado por injeção letal.

 

Caso Hipotético 2: Pessoa comanda uma quadrilha que assalta os cofres públicos, compra membros do congresso, busca montar uma base de poder.

País 1: O julgamento leva 7 anos, o réu condenado pega pouco mais de 10 anos e 10 meses de cadeia, fica criticando os juízes que o condenaram, demora para ser preso e ainda pode sair da cadeia com apenas 1 ano e 9 meses.

País 2: O réu entra num plea bargain (acordo) com a promotoria, dispensa o julgamento e em troca é sentenciado apenas a uma prisão perpétua que pode ser comutada após 25 anos preso.

As maiores empresas do País 1 são: Petrobrás, BR Distribuídora, Vale, Ipiranga e Raízen.

As maiores empresas do País 2 são: Apple, Exxon, Microsoft, Google e IBM

O país 1 é o Brasil.