Você quer um 4G com qualidade? O Governo do PT não quer.

Trecho de um artigo da Folha de São Paulo de ontem, comento abaixo. Os grifos são meus.

As teles devem ajudar a salvar as contas do governo, que decidiu mudar as regras da fase dois do leilão do 4G para reforçar o caixa e, assim, cumprir as metas de superavit fiscal sem apelar para manobras contábeis. O leilão está previsto para agosto, e o governo, que antes pensava em cobrar R$ 6 bilhões pelas licenças e impor metas de cobertura aos vencedores, agora quer um valor maior, retirando parte das obrigações das empresas. A Folha apurou que, com as novas regras em estudo, a União poderá levantar até R$ 15 bilhões.

O governo prevê uma meta de superavit neste ano de 1,9% do PIB e já sinalizou que pretende cumprir o objetivo sem as manobras de anos anteriores, que criaram dúvidas sobre a credibilidade da política fiscal do país. No debate do 4G, Tesouro e Ministério das Comunicações estão em lados opostos. Para cobrar o máximo possível, o secretário do Tesouro, Arno Augustin, defende o mínimo de metas aos vencedores. Uma das ideias é vender as licenças, sem obrigações de cobertura, em dois blocos, e não em quatro, como previsto inicialmente. Isso já elevaria o preço das licenças para R$ 12 bilhões. Não está claro como seria esse modelo, mas pode afetar a exigência de cobertura (deixando cidades menores de fora) e de qualidade.

Para as Comunicações, isso é inviável porque afetaria o equilíbrio do mercado. Há dois anos, as empresas só aceitaram entrar no leilão do 4G porque haveria uma segunda etapa com frequências complementares. Frequências são como avenidas por onde as operadoras fazem trafegar seus sinais. Sem as frequências complementares, a conta do 4G não fecha para as empresas. O problema é que, em dois blocos, como cogita Augustin, duas operadoras que participaram do primeiro leilão ficariam fora da segunda etapa. O ministro Paulo Bernardo (Comunicações) é contrário a esse modelo.

Já não bastasse a qualidade “cubana” do nosso 3G vamos ter um 4G nível Somália. Sair do buraco que nos meteram nos últimos 12 anos não será fácil, imagine se estes 12 anos virarem 16…

dilma-rousseff-te-pegou-crau

Tremei América: Dilma define sistema contra espionagem

Há algumas semanas falávamos do patético sistema de e-mails que seria feito pelos Correios. Acontece que os Correios devem estar ainda numa daquelas greves eternas e não rolou e-mail. E a presidente da república agora anunciou pelo Twitter: “Determinei ao Serpro implantação de sistema seguro de e-mails em todo governo federal

Keith Alexander, diretor do NSA, parece que foi chamado às pressas à Casa Branca para discutir a questão. A América está em pânico diante da ofensiva tupiniquim. (~sqn como diz minha irmã pequena).

A questão pode ser vista de vários ângulos.

1) Da Incompetência: As imagens abaixo são auto explicativas. Do portal do Serpro hoje. É um Potpourri de incompetência, broken links, notícias de 2011, certificado inválido, etc. Se fosse na J.J. Cambalhota tudo bem, mas é uma empresa com 10.000 cabides funcionários.

2) Do mau uso da informação: Prefiro ser espionado pelo governo americano que pelo brasileiro. Perguntem ao Francenildo, se quem quebrou o sigilo da conta dele na caixa e expôs para o mundo que ele era um filho bastardo, foi o pessoal do governo ou o NSA?

3) Da inutilidade: Não há mal nenhum que o governo americano possa fazer a Petrobras que o governo já não tenha feito com sobras. Foi uma das melhores frases que li sobre a possível espionagem do governo americano à Petrobras. Quer proteger o patrimônio nacional? Tira os vagabundos que se alojaram no governo. É mais barato e eficaz.

4) Do custo: Esta brincadeira não vai sair barata, se sair. Vão montar uma comissão, daí uma licitação para contratar coisas e serviços, uns superfaturamentos no caminho e vamos ter a versão em e-mail do inferno brasileiro. Um dia não loga, outro dia não chega e-mail outro dia não manda e-mail.

5) Das outras prioridades: em termos de segurança há muitas prioridades que não são um faraônico sistema de e-mail. Os caças que são o principal mecanismo de defesa do espaço aéreo brasileiro vão ser tirados de uso no dia 31/12 deste ano e não foi comprado nada para substituir. A defesa anti-aérea é uma lástima como já falaram neste blog. A parte naval quase tem que descer para empurrar e nos quartéis é meio-expediente para o soldado ir comer em casa.

Mas e a segurança do e-mail da Dilma? Como disse outro dia um sábio: “fica tranquilo que quem vigia anta é o Ibama e não o Obama.”

@dilmabr toolbar