O primeiro vídeo de um Nokia com Windows Phone 7 vazou. Isso e muito mais.

Hoje vazou o primeiro vídeo de um aparelho da Nokia rodando Windows Phone 7, na versão sua mais nova, chamada de Mango. Uma das novidades dessa versão do WP7 é o Internet Explorer 9, que, segundo o sujeito que apresentou, é exatamente igual ao da versão do PC. 😮

Por fora, o aparelho é quase igual ao N9, exibido pela primeira vez nesta semana. Ainda não há um nome oficial para o primeiro WP7 da Nokia, mas o codename dele é “Sea Ray”.

Nokia "Sea Ray". Um N9 com miolos de Windows Phone 7
Nokia "Sea Ray". Um N9 com miolos de Windows Phone 7

O vídeo mostra o Presidente da Nokia, Stephen Elop, demonstrando o celular para funcionários da Finlandesa e falando sobre o futuro da empresa. No início ele pede para que todos desliguem as câmeras e insiste para que ninguém fotografe. O mais esquisito é que foi o vídeo oficial do evento que vazou.

Para os mais curiosos, apressados e desesperados, deixo o link da página que colocou o vídeo no ar. O site está em húngaro, mas o vídeo está em inglês. Para os mais calmos, sigam lendo esse post antes de clicar no link, para alguns comentários a respeito.

Link da Página: http://www.technet.hu/telefon/…_az_elso_windowsos_nokiat/
Link direto do Vídeo: http://apps4.trilobita.hu/mch3_media/…ayer.swf?code=4i38t5

Prosseguindo:

Conforme eu disse antes, não sei até que ponto esse vídeo foi vazado. Ele pode muito bem ter sido intencionalmente vazado por alguns motivos:

  1. Muita gente ficou decepcionada com a ausência de um aparelho com WP7 no Nokia Connection 2011 (inclusive eu 🙂 )
  2. O que ele mostra, apesar de ser confidencial, é um aparelho matador, com o hardware excelente do N9, rodando WP7
  3. No fundo no fundo, tudo que ele fala é boa notícia.
  4. No final, ele alfineta o povo da Califórnia – Google e Apple? :). Isso não teria nenhuma graça se ficasse escondido num HD de servidor na Finlândia

Teorias à parte, o discurso do Stephen Elop é extremamente positivo e otimista. Ele insiste em agradecer aos funcionários

Primeiro ele fala sobre a pergunta que não quer calar (tradução minha):

“Ok, vocês estão lançando esse aparelho (N9 com MeeGo), mas todos sabem que a empresa está fazendo uma transição para Windows Phone 7. Qual é o sentido disso tudo?”

Segundo ele, existe uma grande quantidade de inovações no N9 que vão seguir vivas no WP7. Um exemplo que ele deu foi o Qt (para a alegria do Marcelo Barros), que deverá sobreviver e transcender o MeeGo. Outro exemplo que ele deu foi que a interface do MeeGo (tão parecida com o WP7) será transportada para outros aparelhos. Ou seja, o hardware do N9 é a base para um aparelho WP7 e vários desenvolvimentos feitos para o N9 serão aproveitados nos aparelhos com WP7.

Depois de falar um pouco, ele chamou outra pessoa para demonstrar o aparelho, que gastou +/- 60% do tempo do vídeo.

Quando acabou a demonstração, o Stephen Elop voltou ao palco para fechar o discurso e falar sobre o futuro da empresa. Ele dividiu em 4 prioridades para eles:

1) “Sustaining our business” (Manter o negócio da Nokia) – Fazer os produtos da Nokia continuarem sendo vendidos, falados, usados.
2) “Transistion” (Continuar trabalhando duro na transição) – Fazer a base de aparelhos e serviços migrarem para a nova organização.
3) “Deliver and launch” (Entregar e lançar) – Manter os lançamentos dos aparelhos Symbian Anna, MeeGo (N9), WP7 e S40.
4) “Change how we work” (Mudar a maneira de trabalhar) – Mudar a atitude dos funcionários, principalmente na comunicação interna dos problemas.

Por último veio a alfinetada nos concorrentes da Califórnia.

Durante todo o vídeo vocês vão encontrar frases de incentivo e agradecimento aos funcionários. Como as que deixo abaixo. (Clique para traduzir no Google)

You are getting stuff done.
Do you get the sense that the things are moving forward?
We are making tremendous progress!
This is what inspires me!
This is a begining of new season.

Para mim, mais importante do que a demonstração do “Sea Ray” foi a visão do futuro da empresa. Dá para ver que eles estão seguindo num bom caminho e que têm tudo para entrar na briga do iOS e Android com o WP7.

A Nokia e os seus defuntos

Há uma hora, no evento Nokia Connection 2011, em Singapura, houve o lançamento oficial do N9, o futuro topo de linha da Nokia.

O aparelho tem um Hardware de tirar o chapéu. Vejamos:

* Tela AMOLED de 3,9″ de vidro resistente a riscos
* Resolução de 800×480
* Câmera de 8MP com foco automático e lentes Carl Zeiss
* Captura de vídeos em HD
* Som com tecnologia Dolby Digital Plus e Dolby Headphone
* NFC (maneiro!)
* Processador 1GHz (gostaria de saber qual é)
* 1GB de RAM
* Armazenamentos de 16 e 64 GB

E aquelas outras coisas que a gente nem presta atenção:

Bluetooth, aplicativos Qt, vídeo player em 16:9, bateria interna (bate na madeira para ser melhor do que a do N8), Sistema MeeGo…

Peraí!!! MeeGo? Eles disseram MeeGo???

Isso mesmo. A Nokia parece que tem pena de enterrar seus defuntos.

20110621-015307.jpg
Montagem com a tela do jogo Plants vs. Zombies

Neste evento de hoje, além do N9 com MeeGo, anunciaram o Nokia Maps para S40 (não escrevi errado) e que o Symbian Anna será lançado até Julho. Conseguiram falar de todos os Zumbis num evento só.

E os aparelhos com Windows Phone 7? Bom esses não participaram da festa para os Zumbis.

Pode parecer implicância minha esses comentários, mas eu estava torcendo para ver um WP7 neste evento ou até um celular com Symbian Anna. Confesso que fiquei decepcionado com o MeeGo.

Minha única esperança desse N9 não virar o mico que o N900 foi, é o Qt. Talvez, com a facilidade de se portar programas, o sistema tenha bons aplicativos.

Mas será que os consumidores, vacinados por causa do N900, vão acreditar que dessa vez “tudo vai ser diferente”?

Reflexões em águas gélidas

Passados alguns dias do pulo na água gelada, com muita reclamação, choramingos e uma baita desvalorização das ações da Nokia, é hora de assumir que não se tinha muita alternativa e o “cavalo de troia” Elop parece ter razão. Confesso que é duro pra mim admitir isso, apesar de ter concordado, antes, que era a saída mais provável.
Enquanto o pessoal nada no meio dos icebergs, valem algumas reflexões:

  • O Android realmente não daria nenhum diferencial para a Nokia. O Android é uma extensão da nuvem Google. Veja o esforço que outros fabricantes fazem para personalizá-lo, como Samsung e HTC. Duvido que queiram aquela entrada tradicional, com o sistema lhe obrigando a fazer uma conta no Gmail para uso do aparelho. Ninguém quer ser mais um.
  • A Microsoft lançou mas não decolou. Apesar de ter quatro fabricantes de Windows Phone, o bichinho é mais raro que enterro de anão. Talvez nas terras do tio Sam existam mais exemplares desta espécie rara mas, abaixo dos trópicos e provavelmente na Europa, a coisa não ia bem. LG e Samsung tinham os seus modelos mas basta ver o tanto de Android que ambas lançaram para entender o foco delas. Li por aí que foram aparelhos subsidiados, o que explica muita coisa. Talvez a Dell e HTC, parceiras mais antigas dos sistemas de Redmond, tenham um compromisso mais forte.
  • O Windows Phone tem aspectos inovadores, apesar de só copiar e colar recentemente (piada isso, não?). Bom, o iPhone também começou assim, não é ? Xbox, Office, Exchange, Bing e tudo que a Microsoft tem para oferecer em nuvem fortalecem a arquitetura. E sem contar o desenvolvimento via o tradicional Visual Studio. Não tenho dúvida que aprenderam alguma coisa com as versões anteriores do Windows Mobile <= 6. Aprenderam tanto que até mudaram o nome e reescreveram o sistema.
  • O Meego não está pronto, vamos admitir. Alguns mensageiros do apocalipse e descendentes do capitão Nascimento talvez digam “nunca estará, nunca estará”. Bom, recomendo comparar o WeTab, com Meego, e os protótipos de Tabs Android Honeycomb. Tirem suas próprias conclusões, vai ser fácil. Nem vou colocar o iPad na briga que, enquanto possa ter um conteúdo melhor, não me parece ainda páreo para o Honeycomb. Pelo menos na versão atual, vamos ver quando lançarem o próximo. O que não importa muito, a Apple tem o seu mercado, conquistado com mérito.
  • A participação da Nokia no mercado americano é mínima, e isto eu pude ver de perto, nas ruas e lojas. Em todas as reuniões que fiz nos EUA vi um Nokia apenas uma vez (um E62). Estava na mão de um cara da Cisco que depois descobri que era Francês. Fácil, né ?
  • O Symbian … Ah, deixa pra lá.

Dito isso, não é difícil entender o senhor Elop. Mas que algumas coisas doem, ah isto doem:

  • Já ouviram a expressão “sociedade pé-na-bunda”, onde um entra com o pé e o outro com a outra parte (perdão pelo palavrão) ? Esta foi a minha impressão: a Microsoft entrou com o pé. Li por aí que ela investirá bilhões, etc, etc. Mas, usar toda a rede de distribuição da Nokia, contatos com operadoras, influências em vários mercados, knowhow em hardware e software, serviços de mapas da Navteq, entre outras coisas, “de grátis inteiramente na faixa”, foi foda duro. Nem exclusividade no sistema ela vai ter.
  • Enquanto muitos clamam que o Qt não morrerá, que continuará com o Meego, que será a forma de desenvolvimento para o Symbian, etc, etc, etc, é duro acreditar que umas das plataformas mais interessantes de desenvolvimento que já conheci pode ser colocada em segundo plano. Juntamente com o QtQuick (QML), formam um par poderoso. Mas, se o negócio andar bem com a Microsoft, o futuro do Qt é incerto. Não duvido que vendam ou criem uma outra (a)fundação. Seria ruim perder esta alternativa.
  • O enfraquecimento da comunidade Meego também é traumático, independente do que a Intel ou Nokia diga. Com o apoio da Linux Foundation, o Meego é (era?) um dos maiores bastiões open source do mundo.
  • O orgulho europeu saiu muito ferido disso tudo. Basta ver as reações e o preço das ações da Nokia.
  • Os desenvolvedores também tomaram uma pancada dura, uma parcela grande deles é apaixonada pelo Qt. Provavelmente muitos perderão o emprego.

Enfim, bola pra frente. Sem falar que, para os consumidores, foi excelente.

Roadmap para a plataforma Symbian atualizado

Alguns dias atrás, enquanto o profético Javsmo pregrava o “Nokia WinMo”, eu defendia o Symbian como sistema operacional, tentando deixar claro que se a interface gráfica pode não agradar mais a maioria, o kernel é bastante interessante. Chamei a atenção também para o fato de que uma nova interface só iria surgir no Symbian^4.

Pois bem, na semana passada, a Symbian atualizou o roadmap do sistema. Principais pontos, traduzidos e resumidos por mim:

  • A versão Symbian^2 está completa, estável e fechada. Não devemos ver produtos com ela.
  • A versão Symbian^3 (N8, E7, C6, C7), como todos viram, está disponível e já temos aparelhos chegando ao mercado este semestre.
  • A versão Symbian^4, que promete uma nova interface de usuário, estará disponível ainda este semestre, com Qt como ferramenta nativa de desenvolvimento e aparelhos e kits de desenvolvimento chegando no próximo ano.

Alguns destaques do Symbian^4 (veja uma lista completa de requisitos neste link):

  • Novo layout de tela  e experiência de usuário mais simples e fluídica (Orbit UI).
  • Reprojeto e reorganização das principais aplicações do sistema.
  • Efeitos e transições mais refinados com o ScreenPlay (usado já no Symbian^3).
  • Integração transparente com redes sociais e serviços web importantes através da nova “Social Mobile Integration”.

Especificamente falando da plataforma de desenvolvimento, o ganho foi enorme. O Qt é muito produtivo e os custos de desenvolvimento podem cair bastante ao gerar um código que sirva tanto para Meego e Symbian (e até para o destop), com poucas mudanças. Sem falar que WRT, Java, Python, Flashlight e Silverlight estão disponíveis também. Tem para todos os gostos.

Para os curiosos, recomendo baixar o Nokia Qt SDK e avaliar o QtCreator. Tenho gostado bastante dele e fico pensando que precisamos gerar um curso de Qt, de preferência com o “selo” Forum Nokia, nhein ? Interessados ?