O Piratogate do Meio Bit

O Marcel Dias já escreveu muitos textos que achei bastante interessante, inclusive este que iniciou o “piratogate”.

Sem entrar no mérito do tema da pirataria, concordo com a maior parte dos argumentos dele e deixo para outro momento um texto sobre o assunto; o fato é que pelas tantas ele afirma: “Algo que aprendi: se eu não tenho dinheiro pra adquirir um bem, eu simplesmente não compro. No caso de material digital, há meios ilícitos de conseguir, mas eu prefiro não utilizá-los.”

Aí que o povo foi vasculhar a vida do Marcel usando seu nome no Twitter, bqeg, e encontrou, a bem da verdade nada de 2012, vários torrents compartilhados por ele no Twitter.

Depois disto, nos comentários do post dele, muita gente começou a trollar dizendo que ele é hipócrita, que é pirata também, etc.

O fato é que o Marcel fala uma coisa certa mas na empolgação do momento escreveu uma frase infeliz que foi refutada pelas redes sociais. Talvez se ele tivesse escrito algo como “eu tento não utilizá-los” ou “eu já usei no passado, mas estou tentando não usar” tivesse evitado a fúria das redes sociais.

A lição que fica para todos nós que escrevemos é: nossas vidas estão bastante expostas nas redes sociais. Portanto se for afirmar que faz ou não faz alguma coisa fale a verdade ou então reconheça que errou e peça desculpas.

http://www.pbase.com/image/132962847
Nota do Zeletron: Copyright of this image is the sole property of Carla Resh Photography

 

Balanço de 2012 do ponto de vista da Cinelândia

Vai chegando o fim do ano e é o momento que meus fregueses pedem previsões, este analista, famoso pelas suas previsões diz que ainda não é a hora para isto. Previsões acontecerão por volta do dia 31.

No entanto, para não deixar você com síndrome de abstinência deste escriba, faço um balanço de tecnologia de 2012 separado por empresas.

Apple – A maior empresa de Tecnologia do mundo de acordo com o valor de mercado vai bem. Não se pode negar, porém que algo não foi tão bem este ano, o primeiro depois da morte de Steve Jobs e acendeu uma luz vermelha entre nós que temos o dom da vidência tecnológica. A Apple mandou embora dois de seus VP, vocês podem dizer que eles saíram em busca de novos desafios, mas isto é um eufemismo para o velho e bom pé no local onde as costas perdem seu digno nome. Depois o iPhone 5, que realmente não empolgou; o garçom do bar onde comemos nosso ovo cozido na Cinelândia dizia que ia comprar um Galaxy porque o iPhone está muito caro e “não é mais estas coisas”. Em outros países o iPhone 5 foi bem vendido mas muita gente não viu ele como algo que fizesse querer trocar do 4S. Alguns desenvolvedores não estão muito felizes com a Apple, parece que a loja nova de Apps não agradou e tem gente perdendo dinheiro ao desenvolver para o iOS.

Resumo da ópera: a Apple tem muita gordura para queimar, mas queimou um pouco este ano, outro ano assim e vai ter gente falando que a mágica acabou. Inovação, cuidar com carinho dos desenvolvedores e melhorar estes preços no Brasil: são boas metas para 2013.

Microsoft – O Windows 8 é realmente fantástico. Acho que desde 1995 a Microsoft não revolucionava tanto. Outro dia entre um ovo cozido e outro um companheiro dizia que a Microsoft está se tornando a nova Apple; acho exagero, mas foi um ano bom. O Windows Phone 8 também me impressionou muito bem e a parceria com a Nokia pode dar bons frutos. Não é verdade que eu veja um mar azul diante da Microsoft, mas parece que se não fizerem bobagem tem boas oportunidades de voltar a ser a número 1 em tecnologia.

Google – O Google para mim é um mistério. Vai bem, tem o buscador, o e-mail e os mapas que todo mundo usa, mas parou de inovar. Todo ano o Google lança uma penca de produtos que ele vai enterrar no ano seguinte. Não é que os resultados estejam ruins, não estão, mas precisava alguém para por ordem na casa. A loja do Android: Google Play deu uma boa melhorada este ano, mas está longe de empolgar: a pirataria come solta, se bobear tem malware sendo até vendido lá e aquela API em Java é o desespero de muito desenvolvedor.

Outros: Blackberry, preparou o terreno para o BB10, se não der certo o prego será batido no caixão. O sistema parece interessante, precisamos ver na prática.

Nokia lançou belos aparelhos com o Windows 8 e vem aos poucos reconquistando confiança dos desenvolvedores. Fez certo este ano ao lançar seu sistema de mapas para iOS e Android.

A Intel, depois de praticamente fazer picadinho da AMD agora no fim do ano começa a se preocupar com a ARM aparecendo no retrovisor. A batalha de Ghz de transformou numa batalha de mW este ano.

Produto do Ano na modesta mas infalível opinião deste analista é o que vai abaixo, mostrado na série NCIS desta semana:

Windows 8 NCIS S10

Espero que você tenha um feliz Natal e aguarde em breve as previsões para 2013.

Law & Chaos – O Brasil que precisa mudar

Você, caro leitor, dirá ao ver este título: que isto tem a ver com tecnologia? Nada e tudo. Pretendo apresentar abaixo uns casos “hipotéticos” de como é aplicada a lei num lugar desenvolvido onde brotaram as maiores oportunidades tecnológicas do século XX e XXI e num país atrasado, um gigante também, mas adormecido.

Caso Hipotético 1: Um rapaz tem uma amante, ela engravida e enche a paciência dele para pagar pensão, ele resolve tomar um atalho e sequestra ela, mata com ajuda de bandidos profissionais, picota, dá para os cachorros comerem.

País 1: O julgamento demora dois anos e o réu condenado pega 15 anos de cadeia. Cumpre 3 anos e vai para o regime semi-aberto que na prática é a liberdade.

País 2: O julgamento demora 8 a 9 meses. O réu se condenado é condenado à prisão perpétua ou é executado por injeção letal.

 

Caso Hipotético 2: Pessoa comanda uma quadrilha que assalta os cofres públicos, compra membros do congresso, busca montar uma base de poder.

País 1: O julgamento leva 7 anos, o réu condenado pega pouco mais de 10 anos e 10 meses de cadeia, fica criticando os juízes que o condenaram, demora para ser preso e ainda pode sair da cadeia com apenas 1 ano e 9 meses.

País 2: O réu entra num plea bargain (acordo) com a promotoria, dispensa o julgamento e em troca é sentenciado apenas a uma prisão perpétua que pode ser comutada após 25 anos preso.

As maiores empresas do País 1 são: Petrobrás, BR Distribuídora, Vale, Ipiranga e Raízen.

As maiores empresas do País 2 são: Apple, Exxon, Microsoft, Google e IBM

O país 1 é o Brasil.

 

Se o profissional de TI tem que ser competente, por que o de jornalismo não?

Imagine você, profissional de TI, matemático, estatístico, físico, ou outro profissional que batalha diariamente para ganhar o suado dinheirinho produzisse uma pérola assim.

void testLaunchMissile (int cond) 
{
    if (cond == 1)
    {
        // suponho que sendo um devo lançar o míssil.
        missilLaunch();
        resetAllSafeties();
    } else {
        // ferrou, sei lá o que faz aqui
        if (time() % 2 == 0)
        {
            missilLaunch();
            resetAllSafeties();
        }
    }
}

Seu chefe, com toda a certeza, ia mandar você para o olho da rua.

No entanto no jornalismo coisas piores sucedem e não acontece nada com o autor da proeza. Antes de mostrar uns exemplos, que andei colecionando em parceria com meu amigo Rafael, um comentário: o jornalismo no Brasil anda muito ruim, nas redações há poucos jornalistas honestos e competentes. Há poucos que estudam o que vão escrever, que aprofundam no tema, que investigam. Os jornais impressos andam decadentes e o jornalismo online é produzido muitas vezes por pessoas semi-alfabetizadas. Isto é ruim para a democracia, é péssimo para o Brasil.

Veja este exemplo do G1 (que não é réu primário). Primeiro a chamada de capa:

Agora repare no interior da matéria:

A pergunta que não quer calar é: o cara gerou a manchete sem ler o que escreveu no texto? Ou será que ele não entendeu a notícia que ele copiou e traduziu?

Você pode, também, encontrar exemplos de como se misturam noticias sérias com coisas bizarras:

Portanto, amigos jornalistas, estudem! Façam um bem ao Brasil e à democracia: Estudem! Façam seus chefes, os editores, estudarem.

A falta que Steve Jobs faz

Você pode confessar que estava com saudades de mim. Depois de encher as burras dos meus clientes com o nabo que o Google tomou fui passar as férias no Caribe, mais concretamente em Saint Marteen, pegar um jetblast de 747 e um pouco de sol (se bem que aqui no Rio agora está um calor do capeta…)

Mas vamos ao que interessa, caro leitor, dependente deste agora afortunado Analista.

Os ventos que sopram na Apple não são bons. O iOS6 com seus mapas micados tem sido considerado por muitos colegas meus aqui na Cinelândia quando comemos nossos ovos cozidos, não os nossos, mas você me entende, como o pior release que a Apple fez. Não fosse só a qualidade dos mapas, mas também o WiFi que é pior que mulher na TPM, além de bugs no teclado, no bluetooth, etc.

Além disso nosso amigo Scott Forstall, chefe do iOS, tomou o bilhete azul, não que isto seja ruim para ele pois alguma grana ele ganhou, além disso os funcionários, segundo fontes secretas, estão fazendo festa pela rolada de cabeça do chefe.

O fato é que a Apple de 2012 tem feito muito mais lambanças que a Apple de 2011 quando o velho Steve ainda vivia. Não que a Apple esteja mal, longe disto, valendo 550 bilhões de Obamas (ou Romneys, dia 6 se aproxima) a coisa está folgada, mas estamos percebendo que algo do seu poder de inovação foi-se com a morte de Steve Jobs.

E por fim o Windows 8. Nisto concordo com o Pedro Paulo aqui do Zeletron. O Windows 8 é bacana. E digo mais, o Windows Phone 8 com o apoio da Nokia vai incomodar os Androids da vida. O Google que se cuide porque Windows 8 RT comendo tablets Android e Windows Phone 8 comendo telefones Android, vai ter muito Android comido.

E o BlackBerry 10? Ouvi falar que o João Bernardo tomou um porre de RedBull lá no evento, mas não sei se o BB10 vai ser suficiente para ressuscitar a RIM. Vale a pena desenvolvedor gastar vela com defunto ruim?

Windows 8

Há alguns meses que venho utilizando o Windows 8 e, com o lançamento deste na sexta-feira, vale à pena escrever um pouco sobre isto.

Talvez, se você acompanha o blog, possa estar se perguntando: porque você escreveu na hora sobre o lançamento do iPad Mini e dos outros produtos da Apple e levou mais de 24 horas para falar do Windows 8?

Eu diria que a principal razão é o fato de os eventos da Apple serem algo bacana mas que acontecem com muita frequência. Já o lançamento de um sistema operacional “for end users” da Microsoft é um evento que de 1995 até 2012 aconteceu 8 vezes (95, 98, Me, 2000, XP, Vista, 7 e 8).

Em 24 de Agosto de 1995, na Noite de São Bartolomeu (AKA: Noite das Garrafadas), a Microsoft lançou seu sistema mais revolucionário em termos de “end-user”. O Windows 95 mudou a computação pessoal e foi um sucesso absoluto.

O mesmo ocorreu em 25 de Junho de 1998, o Windows 98 foi um excelente salto de qualidade, principalmente a versão 2 dele lançada 10 meses depois.

Outro acerto da Microsoft ocorreu em 17 de Fevereiro de 2000, quando resolveram fazer uma grande modernização no Windows NT que servia para desktop. O Windows 2000, apesar de ter tido pouco tempo como o topo de linha da Microsoft foi um excelente sistema.

O mesmo não pode ser dito do malfadado Windows Me, lançado em 14 de Setembro de 2000. Aquele que era chamado de Millenium Edition foi apelidado de Mistaken Edition. De fato o Me não foi um bom sistema.

Mas em 25 de Outubro de 2001 veio aquele que foi um dos mais importantes lançamentos da Microsoft de todos os tempos, o Windows XP. Mesmo onze anos depois o XP é ainda utilizado por 34% dos PC’s no mundo.

Em 2007, em 30 de Janeiro, a Microsoft lançou o Windows Vista. Embora fosse um avanço com relação ao XP, foi visto por muitos como um novo Windows Me e devido a demanda de Hardware que tinha muitos diziam que era lento. Definitivamente não agradou, tanto que passados 5 anos é usado por 5% dos PC’s no mundo.

Então em 22 de Julho de 2009 a Microsoft acertou novamente no alvo e o Windows 7 foi um sistema muito redondo que  conseguiu ser rapidamente adotado e hoje é o sistema operacional mais usado no mundo.

E por fim chegamos ao dia de ontem, 26 de Outubro de 2012, quando o mundo todo teve acesso ao Windows 8. Com uma interface bastante nova em termos de sistema operacional gráfico e com uma proposta de atender o mundo PC mas também o mundo Tablet e com modificações o mundo Celular parece estar muito mais para os casos do XP, 95, Windows 7 que para os casos do Me e Vista.

Minha avaliação do Windows 8 até agora tem sido muito positiva. No mínimo é um grande avanço com relação ao Windows 7, provavelmente vai ajudar a Microsoft a continuar dominando o mundo PC por muitos anos.

Não custa lembrar que no mundo PC (ou desktop/notebook) a Microsoft tem 92%, a Apple 7% e o Linux coitado 1% (arredondando para cima).

Vida longa ao Windows 8, vida longa à Microsoft!

Sete Leituras para o domingo – (VII)

Apesar de que alguns leitores dizem que só temos publicado as sete leituras de domingo, é verdade porque o dono deste blog está com uma carga de trabalho que nunca experimentou antes, fazendo mais de 100 horas por semana; vamos continuar publicando pelo menos as leituras e tentar aos poucos ir voltando ao ritmo antigo.

1) Se você não leu, precisa ler o estudo estatístico do Zeletron sobre o Ibope. Tem até uma simulação em Python

2) Você já pensou qual é o custo real de seu carro? Existe uma app para ajudar a manter sob controle estas despesas. Veja a análise no 9to5mac.

3) Esta semana vai ser quente. Dia 23 haverá um evento em que deve ser lançado o iPad Mini (que alguns dizem que vai ser chamado de iPad Air) e o Macbook 13″ Retina (este é uma forte especulação).

4) Já no mundo Microsoft o evento será gigante. O lançamento mundial do Windows 8, dia 26. O lançamento do Microsoft Surface com Windows 8 RT dia 25 e o provável começo das vendas dos primeiros Nokia com Windows Phone 8.

5) No mundo Google um SNAFU na quinta-feira quando vazou que os resultados do trimestre não seriam bons e as ações despencaram espetacularmente ativando o circuit breaker da NASDAQ para o GOOG. Parece que a compra da Motorola está cobrando seu preço.

6) Nas linguagens de programação JAVA perdeu seu longo reinado para o velho e bom C. Objective-C vem subindo assustadoramente e já passou C++ no Ranking.

7) Google lança oficialmente a linguagem Dart como proposta para substituir o Javascript.

O Ibope e o problema de amostragem

Ontem li sobre a pesquisa do Ibope que mostra Fernando Haddad na frente de José Serra por 49×33 com margem de erro de 3%. Eu pessoalmente espero que Haddad perca, mas isto não vem ao caso agora, queria mostrar como são feitas as pesquisas e como são feitos os erros (propositais ou não).

Se você quiser ler o texto do Reinaldo Azevedo de hoje que compila os erros do Ibope no primeiro turno em todo o Brasil, em alguns casos muito fora da margem de erro. Reproduzo abaixo o caso do Amazonas.

Como se vê o erro foi enorme.

Como se calcula a precisão da amostragem de uma pesquisa de opinião?

A grosso modo, sem refinar muito o modelo pode-se dizer que para uma amostragem aleatória de n indivíduos de uma população grande a margem de error (com um intervalo de confiança de 99%) é:

e = 1.29 / \sqrt{n}

Esta fórmula mostra que a taxa de erro converte assintóticamente para 0 e que a partir de um certo número (1000 por exemplo, não adianta aumentar o n que o erro não muda muito).

Isto quer dizer que feitas 100 pesquisas somente uma poderia ficar fora da margem de erro. Como no primeiro turno erraram a maior parte das pesquisas, isto quer dizer que há problemas. E o Zeletron vai mostrar onde estão estes problemas.

O programa abaixo em Python mostra para você incréu como funciona.

#!/usr/bin/env python
import urllib2
import random
import math
 
random.seed()
group1 = ['a','A','e','E','i','I','o','O','f','l','r']
AmostragemHonesta = False
 
genesis = [i for i in urllib2.urlopen('http://pastebin.com/raw.php?i=uuAYXcjm').read()]
genesis.sort()
rndGenesis = []
if AmostragemHonesta:
        for i in xrange(2000):
                rndGenesis.append(random.choice(genesis))
else:
        for i in xrange(2000):
                rndGenesis.append(genesis[24*i+7000])
 
n_es = [i for i in genesis if i in group1]
n_as = [i for i in genesis if i not in group1]
 
n_r_es = [i for i in rndGenesis if i in group1]
n_r_as = [i for i in rndGenesis if i not in group1]
 
num_as = float(len(n_as))
num_es = float(len(n_es))
num_r_as = float(len(n_r_as))
num_r_es = float(len(n_r_es))
 
num_gen = float(len(genesis))
num_sample = float(len(rndGenesis))
 
print "Real: %.2f %.2f"%(num_as/num_gen,num_es/num_gen)
print "Amostra: %.2f %.2f"%(num_r_as/num_sample,num_r_es/num_sample)
print "Margem de Erro: %.2f"%(1.29/math.sqrt(num_sample))

Resultado:

 Real: 0.61 0.39 Amostra: 0.59 0.41 Margem de Erro: 0.03

Mas o que acontece se a amostra não é aleatória? Bom aí, simplesmente a coisa não funciona bem. Vamos ver?

Basta trocar no programa acima a variável AmostragemHonesta de True para False.

Resultado:

Real: 0.61 0.39 Amostra: 0.46 0.54 Margem de Erro: 0.03

Mas como um instituto de pesquisa pode amostrar errado? Fácil. Introduzindo no método de amostragem um viés que privilegie determinado lado. No nosso exemplo amostrando mais para o final do array gera uma desvantagem para o um dos lados.

Mas e numa população? Como fazer um erro?

Se um determinado candidato tem um público preferencial de mais baixo nível aquisitivo você privilegia este candidato amostrando em pontos de fluxo (em SP na praça da Sé). Se amostrar em domicílio também pois o acesso a condomínios fechados é mais restrito que a casas de baixa renda.

Vamos aguardar a eleição, mas agora você pode entender melhor a razão do erro gigante de alguns institutos de pesquisa. Chamam de margem de erro, mas algumas vezes pode ser margem de lucro…

Diretor do Google preso. Coreia do Norte: aí vamos nós!

Congress shall make no law respecting an establishment of religion, or prohibiting the free exercise thereof; or abridging the freedom of speech, or of the press; or the right of the people peaceably to assemble, and to petition the Government for a redress of grievances. – US Constitution: 1st Amendment

Direito à liberdade de expressão e de imprensa. A constituição dos EUA garante isto a eles desde 1787, aqui no Brasil em 2012 ainda não temos este direito. Veja a matéria da Veja.com abaixo, o que vai em azul são meus comentários.

Por Rafael Sbarai e Renata Honorato, na VEJA.com:
O diretor geral do Google, Fábio Coelho, foi detido nesta quarta-feira pela Polícia Federal, em São Paulo. O motivo: a companhia, dona do YouTube, se recusou a retirar do site de compartilhamento um vídeo em que Alcides Bernal (PP), candidato à Prefeitura de Campo Grande (MS), é acusado de prática criminosa. O executivo foi liberado depois de assinar o Termo Circunstanciado de Ocorrência, um compromisso de comparecer quando for convocado a prestar esclarecimentos perante o juiz eleitoral.

O vídeo em questão tinha poucas visualizações até ontem e hoje apesar de continuar com um valor pequeno para o padrão YouTube, praticamente teve dobrado o número de visualizações. O 

A decisão de prender o diretor do Google foi tomada pelo juiz Flávio Saad Peren, da 35ª Zona Eleitoral. Segundo a nota da PF, o magistrado considerou que a empresa violou o artigo 347 do Código Eleitoral, que trata do descumprimento de ordens da Justiça Eleitoral, ao manter o vídeo contra o candidato a prefeito de Campo Grande Alcides Bernal no ar.

A justiça eleitoral no Brasil é uma piada de mau gosto (eu posso ter esta opinião, senhor juiz?) e a alguns magistrados (não estou falando especificamente do senhor) não tem o bom senso e o conhecimento técnico necessário para julgar no século XXI. Curioso é o fato de o juiz não ter determinado que quem colocou o vídeo que o tire.

“Nesse caso, o juiz pode adotar uma série de medidas, como bloquear o acesso ao YouTube no Brasil, a exemplo do que aconteceu no episódio envolvendo a modelo Daniela Cicarelli, em 2007″, diz Renato Opice Blum, advogado e coordenador do curso de direito digital da Escola Paulista de Direito. “Duvido, contudo, que isso aconteça, em função dos graves problemas decorrentes da interrupção do serviço para os usuários.”

Seria o máximo da lambança. Por causa de um candidato a prefeito de Campo Grande-MS todo o Google no Brasil ficaria bloqueado.

A decisão de manter o vídeo contra Bernal no ar é idêntica à adotada pelo Google em situações semelhantes anteriores. Nesses casos, a companhia defendeu a posição de que, como provedora do serviço de compartilhamento de vídeos, não pode ser responsabilizada por conteúdos publicados por usuários.

A empresa já havia recorrido, ao Tribunal Regional Eleitoral, da decisão que determinara a retirada do vídeo do ar. Foi derrotada. Agora, espera ainda para esta quarta-feira o julgamento de novo recurso, desta vez protocolado no Tribunal Superior Eleitoral.

Como diria o Chavez: “Ai que burro, dá zero para ele.”

O Zeletron não quer ir para a cadeia e portanto se compromete a tirar do ar este post caso os censores do governo brasileiro mandem

O que faltou no iPhone 5? Ou então: menos Samsung, menos…

Muita gente tem perguntado: você gostou do iPhone 5? Minha resposta tem sido: mais ou menos. É uma evolução do iPhone 4S, parece bacana em termos de espessura, mas não tem nada de revolucionário. Da Apple sempre esperamos algo revolucionário, mas a verdade é que desde a morte de Steve Jobs é um artigo em falta em Cupertino.

O que poderia ter no iPhone 5 de revolucionário? Não sei. Se soubesse, eu seria Steve Jobs e não sou. Mas para os meros mortais há uma sensação de que é legal mas não é do outro mundo. Quem sabe com o aparelho em mãos eu mude meu conceito.

Mas daí para ler esta pérola de anúncio da Samsung é dose

Acho que perder um bilhão no processo da Apple fez os caras perderem o juízo: como uma empresa pode se gabar de vender seu celular topo de linha com o Android 4.0 quando a versão mais atual do Android, a 4.1 está disponível desde julho?

Um amigo deu a melhor definição que já vi sobre o Galaxy Tab 2 que vem com o Android 3.2: parece que o usuário está brigando com a interface. Concordo com ele.

A noite em o mundo Linux caiu

Ontem o mundo perdeu um segundo. Isto acontece algumas vezes para regular os relógios. Como vocês sabem, os anos de 366 dias são uma forma de acertar os ponteiros. Na verdade eles acontecem em anos múltiplos de 4 quando não são múltiplos de 100 a menos que sejam também múltiplos de 400 a não ser que sejam múltiplos de 1600. E por aí vai

Tudo isto para falar que ontem este avanço de 1 segundo para acertar os relógios fez com que muitas maquinas Linux crasharem. Não há relatos de servidores Windows ou FreeBSD que tenham crashado. O preju foi razoável.

Ainda bem que não sou fã do Linux…

20120701-104418.jpg

Nokia pode se juntar a RIM

Nokia pode se juntar a RIM no grupo de empresas agonizantes.

O grupo das empresas agonizantes tem mais um membro: Nokia. É uma pena, mas é a lei do mercado, quem não se moderniza morre.

Com 10000 demissões estes dias, assitindo impotente os concorrentes crescerem e sem a mesma capacidade de inovação de antigamente a Nokia viu suas ações despencarem nesta semana quando a Microsoft anunciou que não ia comprar a fabricante Finlandesa. Em 3 meses as ações perderam mais de 50% de seu valor.

Apesar dos louváveis esforços de Stephen Elop, seus antecessores fizeram lambança demais e o barco vai afundando.

No entanto Tio Bill pode estar jogando a corda de salvação nesta segunda-feira quando provavelmente a Microsoft irá lançar um tablet com Windows 8, que provavelmente será fabricado pela Nokia.

Aguarde as cenas do próximo capítulo.

Ahhhh ia esquecendo: e a RIM? Esta morreu e ainda não contaram para eles.

Nós calculamos o valor real do novo MacBook Pro Retina para você !

Vendo todo o alvoroço sobre os preços do MacBook Pro Retina, resolvi fazer algumas contas para verificar se o preço estava realmente com ágio ou não. Para isso, dê uma olhada na tabela a seguir, onde os valores de todos os modelos de MacBook são apresentados, em dólares e reais, usando os preços encontrados no site da Apple para cada país.

Modelo US$ R$
MacBook Air 11 64GB 999 3699
MacBook Air 11 128GB 1099 3999
MacBook Air 13 128GB 1199 4999
MacBook Air 13 256GB 1499 6099
MacBook Pro 13 2.5GHz 1199 3999
MacBook Pro 13 2.9GHz 1499 5999
MacBook Pro 15 2.3GHz 1799 7999
MacBook Pro 15 2.6GHz 2199 9599
MacBook Pro 15 Retina 2.3GHz 2199 9999
MacBook Pro 15 Retina 2.6GHz 2799 12599

 

Para gerar uma comparação justa, criei o índice “AIR11”, que normaliza os valores dos MacBook em relação ao modelo de entrada, no caso o MacBook Air de 11 polegadas e 64GB. A ideia é ver quantos MacBooks Air 11 um outro MacBook qualquer vale. A tabela a seguir mostra este índice para os EUA e Brasil. É possível ver que o MacBook topo de linha vale 2,8 Air 11 nos EUA e 3,41 Air 11 no Brasil, algo que já indica uma suspeita de preços acima da média.

Modelo AIR11 Index (US) AIR11 Index (BR)
MacBook Air 11 64GB 1,00 1,00
MacBook Air 11 128GB 1,10 1,08
MacBook Air 13 128GB 1,20 1,35
MacBook Air 13 256GB 1,50 1,65
MacBook Pro 13 2.5GHz 1,20 1,08
MacBook Pro 13 2.9GHz 1,50 1,62
MacBook Pro 15 2.3GHz 1,80 2,16
MacBook Pro 15 2.6GHz 2,20 2,60
MacBook Pro 15 Retina 2.3GHz 2,20 2,70
MacBook Pro 15 Retina 2.6GHz 2,80 3,41

 

A comparação é melhor feita através do gráfico abaixo. Veja que a boa opção de compra é o MacBook Pro de 13 polegadas e 2.5GHz. Perceba também que os equipamentos mais caros apresentam uma distorção maior de preço. Não sei se o “custo Brasil” aumenta com o valor do equipamento. Se isto for verdade, poderia explicar a discrepância.

Custo dos MacBook em relação ao MacBook Air 11 64GB

No entanto, se não for esta a explicação, fica fácil calcular o ágio presente no produto. Neste caso, vamos aplicar o índice AIR11 americano nos valores brasileiro, para descobrir qual seria o preço Brasil, assumindo que a relação de preço americana seja a ideal. Isto é feito multiplicando-se o valor do MacBook Air 11 no Brasil pelo índices AIR11 americanos, como pode ser visto na tabela abaixo.

Modelo AIR11 Index (US) Preço Corrigido
MacBook Air 11 64GB 1,00 3.699,00
MacBook Air 11 128GB 1,10 4.069,27
MacBook Air 13 128GB 1,20 4.439,54
MacBook Air 13 256GB 1,50 5.550,35
MacBook Pro 13 2.5GHz 1,20 4.439,54
MacBook Pro 13 2.9GHz 1,50 5.550,35
MacBook Pro 15 2.3GHz 1,80 6.661,16
MacBook Pro 15 2.6GHz 2,20 8.142,24
MacBook Pro 15 Retina 2.3GHz 2,20 8.142,24
MacBook Pro 15 Retina 2.6GHz 2,80 10.363,86

 

Conclusão: aproximadamente 18% a mais nos MacBooks Retina e 16% nos macBook Pro de 15 polegadas.

Vale lembrar que não estou discutindo a margem de lucro, câmbio, etc, praticada pela Apple Brasil. Estou apenas assumindo que isto deveria ser similar ao americano e usando o valor de entrada do MacBook no Brasil. Se você quiser entrar nesta análise, deixo a tabela abaixo que mostra a relação entre Dólar e Real, para os mesmo equipamentos. Dá pra ver que o dólar tá valendo 4,5 reais para o Pro Retina.

Modelo US$ R$ Relação R$/US$
MacBook Air 11 64GB 999 3699 3,70
MacBook Air 11 128GB 1099 3999 3,64
MacBook Air 13 128GB 1199 4999 4,17
MacBook Air 13 256GB 1499 6099 4,07
MacBook Pro 13 2.5GHz 1199 3999 3,34
MacBook Pro 13 2.9GHz 1499 5999 4,00
MacBook Pro 15 2.3GHz 1799 7999 4,45
MacBook Pro 15 2.6GHz 2199 9599 4,37
MacBook Pro 15 Retina 2.3GHz 2199 9999 4,55
MacBook Pro 15 Retina 2.6GHz 2799 12599 4,50

 

Bacana, nhein, Apple Brasil ?