Porque a Apple não surgiu no Brasil?

Já escrevemos no passado alguns posts similares como o Manifesto pela Tecnologia, ou quando falamos sobre o precário estado das telecomunicações. Hoje queria mostrar algumas coisas que os brasileiros não podem fazer em termos tecnológicos porque não tem condições práticas de obter insumos.

1) Trabalhar com VLSI. Na prática não existe nenhuma fábrica de chips no Brasil. Tem a CEITEC que fabrica coisas muito rudimentares e tem um site que informa muito pouco.

2) Já que não dá para construir um ASIC no Brasil, que tal usar FPGA? Você consegue FPGA barata clicando aqui. SQN. Não tem FPGA acessível no Brasil. Nos EUA você compra uma DE2-115 da Altera por US$ 299,00 para sua universidade ou escola. Aqui no Brasil você paga módicos R$ 2980,00.

3) Construir uma placa de circuito impresso multicamada. Nos EUA você faz uma placa de 4 camadas em 3 dias com o preço de US$ 100,00 para receber 4 protótipos. Aqui você vai desembolsar uma pequena fortuna além de ter que esperar dias para que algum funcionário responda seu pedido de cotação. Acredite, eu tentei mais de uma.

4) Comprar chips de fabricantes estrangeiros. Com os preços absurdos que temos por aqui os distribuidores tem uma margem que deve ser tão boa que eles não tem a mínima vontade de trabalhar. Eu pedi a um representante da Broadcom informações e cotação de um chip (BCM94704NR) em grande quantidade e já estou fazendo teia de aranha esperando eles responderem.

5) Na importação, agora há um imposto novo que visa proteger o governo contra a sonegação mas que na verdade pune o cara honesto, como costuma acontecer.

6) Como já sabemos há problemas para adquirir celulares, computadores não fabricados aqui e outros insumos.

Caso alguém saiba de alguma solução para os problemas acima ficaria grato em conhecer.

Altera_StratixIVGX_FPGA

Comments on this entry are closed.

  • Marcelo

    E o imposto que é calculado incluindo o frete ? É uma piada. Um kit que queria custava 300 dólares. O mesmo, via farnell brasil, passava de dois mil reais. Sinceramente, a conta não bate.