Melhores do Ano 2013

Aqui vai, no que pode ser o último post do ano uma lista de destaques para 2013 em diversas áreas tecnológicas e afins.

  • Video de Matemática do Ano: O último teorema de Fermat

  • Física aplicada: Como furar um coco com bala 7 belo

  • Mythbusters do Ano: A ciência por trás de Breaking Bad

  • Momento mais fotografado do ano com câmera de celular: Eleição do Papa Francisco

  • Filme tecnológico do Ano: Gravity

Não vi, mas foi recomendado amplamente pela comunidade científica 🙂

  • Evento pego na câmera por acaso: Meteoro caiu na Rússia

Feliz 2014, se tiver mais destaques de 2013 mande nos comentários.

Previsões para 2014

Este analista teve um ano nababesco e negligenciou este blog. Após cravar na mosca a venda da Nokia para a Microsoft (vide previsões 2013) encheu as burras de dinheiro e tirou vários meses sabáticos torrando a grana com ovos cozidos no caribe (Aruba, Saint Marteen, Bahamas, etc), obviamente a salmonella contraída com um ovo cozido na ilha presídio dos maníacos Castro fez com que minhas atividades analíticas ficassem prejudicadas em 2013 e agora estou precisando fazer novas previsões porque torrei minha grana toda.

Alguns analistas não usam metodologias científicas e seguem a máxima de Bezerra da Silva para suas previsões, não acontece isto com este analista que percebe pequenas flutuações em sofisticados modelos matemáticos e depois olha para a cor da unha do dedão, esquece os cálculos e faz previsões certeiras. Assim sendo se você quiser ficar rico em 2014 fique atento às minhas previsões e evite comer ovo cozido na ilha prisão dos Castro.

  • O Google vai matar meia dúzia dos seus produtos. Esta eu acerto com certeza. Quais produtos vão morrer? Eu chutaria o natimorto Google+, Google News e Picasa.
  • A Microsoft irá comprar de vez a empresa Xamarin.
  • A Microsoft irá comprar o Paypal ou a Netflix mas não os dois.
  • A Apple lançará um iPhone de 4,6 polegadas.
  • O Yahoo! irá comprar a Aol
  • O Twitter comprará 12 empresas em 2014.
  • Você ficará com o traseiro sentado na cadeira durante as eleições de 2014 e depois vai reclamar que a Dilma foi reeleita e o iPhone 6 custa R$ 3780,00, o serviço 3G piorou e o 4G do Brasil é inferior ao EDGE de Botswana.

previsoes 2014

Mail x Sparrow x AirMail

MailVsSparrowVsAirMail

Em busca de um cliente de e-mail que pudesse substituir o Mail do Mac, testei os dois que se diziam melhores que ele, o Sparrow e o AirMail.

Basicamente eu precisava de um programa que anexasse os arquivos de forma decente e que aceitasse alias com assinaturas diferentes, coisas que, por mais absurdo que pareça, o Mail não faz. Não me venham dizer que o Mail envia anexos de forma decente por que não é verdade. Não importa o que eu faça, quase sempre recebo reclamações de pessoas dizendo que não conseguiram abrir o anexo do meu e-mail, principalmente quando é imagem ou PDF.

Sparrow

Comecei pelo Sparrow, que é um programa excelente, mas que foi comprado pelo Google justamente para que o projeto fosse abandonado e os desenvolvedores pudessem passar para o time do GMail. Só descobri isso depois que eu comprei o aviãozinho.

Mordido por ter gasto 10 obamas (uma fortuna!) num app que já havia morrido, resolvi testá-lo até o extremo e, confesso que acabei gostando do programa. O problema é que ele tem muitos bugs, alguns muito chatos, que só vão ser corrigidos quando o Fluminense pagar a série B que está devendo.

Para começar, o Sparrow resolve a ordem que os nomes vão aparecer nos e-mails das pessoas. Às vezes vem “sobrenome nome” às vezes “nome sobrenome”, às vezes só o email e não encontrei maneira de fazê-lo corrigir isso. Outro problema é que ele tenta advinhar o e-mail a partir da primeira letra que você digita. Isso faz a digitação de qualquer destinatário um suplício, por que não sei onde ele vai buscar esta informação, mas demora uma eternidade. Ainda mais se o email começar com “a”.

Em outro ponto o Sparrow perde do Mail. Agilidade. O programa é muito lento. Quando estava usando só uma caixa de e-mail, ele funcionava que era uma maravilha. Quando incluí as outras 5 caixas e o alias, o programa virou uma carroça.

Outra coisa que me disseram que ele não faz direito é guardar anexos de uma mensagem em rascunho quando se fecha o app e abre novamente. Neste caso ele não guarda os anexos ou, pelo menos não os envia. Isso não me aconteceu, mas outras pessoas confirmaram o problema.

Fora esses problemas, ele faz várias coisas que o Mail não faz. Uma delas é permitir o uso de alias no remetente, com assinaturas diferentes da padrão e é totalmente integrado com os labels do GMail.

Usei o Sparrow como único cliente de e-mail por um pouco mais de um mês. O que mais me irritou neste programa foi o problema com os nomes das pessoas. Aparecer “Soares da Silva Epaminondas” no nome das pessoas é muito chato.

AirMail

Para ver se conseguia um programa parecido com o Sparrow, mas sem os bugs incorrigíveis dele, lá fui eu instalar o AirMail, que, apesar de ser mais barato que o Sparrow, não oferece uma versão gratuita para testar.

O AirMail parece ser uma cópia melhorada do Sparrow e custa só 2 obamas. Testei o programa alguns dias, mas já vi que ele tem que comer muito arroz com feijão antes de tentar ser melhor que o Mail.

Em comparação com o Sparrow, o AirMail é melhor em quase todos os quesitos, mas (sempre tem uma conjunção adversativa), parece ainda estar bem cru por causa de alguns bugs.

A busca de nomes sempre vem correta, isto é, nome sobrenome; e é muito mais rápida que a do Sparrow. A classificação de mensagens não lidas é excelente e usa o filtro do GMail para isso. Ele também permite alias com assinaturas próprias e todo o resto que o Sparrow permite.

Outras coisas interessantes do AirMail são o histórico de operações, com possibilidade de revertê-las, acesso ao log do programa, para tentar resolver bugs.

O que irrita no AirMail é que às vezes ele cisma com uma mensagem e não carrega o corpo do email nem com vela de sete dias acesa com charuto. E se você vai no GMail, o email está lá bonitinho e até marcado como lido.

Outra coisa que não gostei no AirMail é que ele consome muitos recursos do Mac, mesmo usando a aceleração da GPU (Não me pergunte como, mas há uma opção “GPU Acceleration). O indicador de HD que eu uso vive no vermelho enquanto o app está rodando.

O Mail é pesado, mas ainda assim ele é bem mais leve que o Sparrow e o AirMail.

De volta ao Mail?

Depois de baixar 3 cópias de todos os meus e-mails (são seis caixas de e-mail), ainda não consegui decidir qual dos 3 clientes de e-mail vou passar a usar e liberar parte dos quase 40GB de emails que esses 3 apps estão ocupando. O fato é que não posso ficar com os 3 instalados ao mesmo tempo ou vou ficar sem espaço em disco rapidamente. Curiosamente, tanto o Sparrow quanto o AirMail, estão ocupando bem menos espaço do que o Mail. Vejam abaixo.

mail
23GB ocupados pelo Mail
sparrow-airmail
15GB ocupados pelo Sparrow+AirMail juntos

 

Enquanto o Sparrow + AirMail ocupam 15GB, o Mail ocupa 23GB sozinho. Não sei se os outros dois baixam todas as mensagens ou todos os anexos. Só fazendo uns testes offline para descobrir isso.

Acho que vou dar uma chance maior para o AirMail, que parece ter um suporte razoável. Enviei uma pergunta sobre esse bug de não baixar o corpo da mensagem e estou aguardando a resposta do suporte deles. Vamos ver se respondem.

E você? O que acha desses apps? Tem algum outro para sugerir para teste?

Brasil escolhe o Gripen NG

Gripen test platsform NG with new droptanks
O governo brasileiro anunciou ontem a encomenda de 36 caças Gripen NG para o programa FX-2. Foi o fim de uma novela de 15 anos e apesar de o escolhido não ser o meu preferido, é uma escolha interessante pelos motivos que vão abaixo:

  • A Suécia não é uma potência militar e pode ajudar o Brasil a ter um caça supersônico nacional.
  • O Gripen NG é bastante versátil e pode operar, em sua versão naval de porta aviões, desta forma a Marinha poderia ser modernizada.
  • É um caça que pode operar de pistas curtas e teoricamente isto é uma vantagem para combate ao narcotráfico, lembrando que o A-29 é a principal força de ataque neste caso.
  • É fácil deixar algumas unidades em locais secundários remotos para decolar próximo da fronteira surpreendendo o inimigo.
  • É um excelente parceiro para o F-5EM, que modernizado ganhou mais uns 20 anos de vida.
  • Em conjunto com AWACS e REVO que o Brasil já possui fazem do Brasil a força aérea mais poderosa da América Latina.

O ideal na minha opinião seria o F-18E/F, mas o affair Snowden criou um clima político desfavorável para a Boeing e prejudicou a Embraer. Mesmo assim acho que o Gripen NG foi uma boa escolha, talvez a única que este atual governo fez em quase 12 anos, o erro seria o Rafale ou não escolher.

A íntegra da nota da SAAB

18 dezembro 2013, in Press releases
 O Governo Brasileiro anunciou hoje a escolha do Gripen NG. O anúncio será seguido de um período de negociações com a Força Aérea Brasileira para a compra de 36 caças.

A oferta apresentada ao Governo Brasileiro pela Saab inclui o Gripen NG, os subsistemas para o Gripen NG, um pacote extenso de transferência de tecnologia, pacote de financiamento e um acordo bilateral de colaboração entre os governos do Brasil e da Suécia.

O anúncio será seguido de um período de negociações com a Força Aérea Brasileira para a compra de 36 caças. Depois deste período, um acordo pode ser alcançado entre a Saab e o Brasil e uma ordem de compra do Gripen NG feita.

”Estou muito orgulhoso da confiança depositada pelo Governo Brasileiro no Gripen NG. A Saab acredita que o anúncio de hoje representa um forte compromisso do Governo Brasileiro e estamos ansiosos para prover à Força Aérea Brasileira com o caça líder mundial e com melhor custo-benefício”, diz Håkan Buskhe, CEO da Saab.

Caso o Brasil adquira o sistema Gripen, estará se unindo aos seguintes países que já o operam hoje: Suécia, África do Sul, Hungria, República Tcheca, Tailândia e o UK Empire Test Pilot School (ETPS). A Suíça também escolheu o Gripen como seu futuro caça. Entre Agosto e Setembro de 2013, ambas as câmaras do Parlamento Suíço votaram sim para a compra do Gripen. Um referendo sobre a compra está programado para ser realizado em 2014.

A Saab atende ao mercado global com produtos, serviços e soluções, líderes mundiais, abrangendo defesa militar e segurança civil.  A Saab mantém operações e funcionários em todos os continentes e constantemente desenvolve, adota e aperfeiçoa novas tecnologias que atendam à evolução das necessidades de seus clientes.

Para mais informações:
Centro de Imprensa da Saab Press Centre, +46 (0)734 180 018,

 

Novo Aplicativo para ajudar pessoas com deficiência visual

Além da cegueira total há doenças que impedem as pessoas de distinguir cores. Para os que nasceram cegos nem mesmo o conceito de cor se possui.

A Netfilter lançou hoje MAIS um app para Windows Phone que tira vantagem das câmeras de ótima qualidade da série Lumia e do processamento de imagens em tempo real para fazer um detector de cores com classificação por nome.

O aplicativo usa um conjunto de mais de mil cores no espaço CIELAB e um classificador k-NN.

Você pode conferir o App aqui: http://bit.ly/talkcolor



Aproveito a oportunidade para parabenizar a Nokia pelo concurso Do Good que nos motivou a fazer estas duas apps.

The infinity and the mystery about 196

I’m writing this one in english because it should be a guest post on Leah Libresco’s blog Unequally Yoked. Due to many logistical reasons this was never published.

It was an extremely hot Saturday in 1987. Leah (see note above) was far from being due in this World, and I was in the sixth grade at São Bento School in Rio de Janeiro, Brazil.

One of the Benedictines Monks together with a math teacher, Mrs. Sandra Carelli, brought to our school, in the past ten years, a new way to teach math for kids based on the educational theory of a Belgian mathematician named Georges Papy.

Papy advocated the use of sets as a main framework to teach math. The method, although very expensive in terms of teacher preparation, was producing a remarkable success in Brazil.

This digression is necessary to introduce the topic of this post, from the Naming Infinity Bookclubbers, about the fascination some people feel with numbers and the infinity when they are a child. When I read the book I got those memories back.

In that particular hot saturday, we just saw the proof of the cardinality of R being distinct of N, and for some 11-year-old boys it was too much for one day. We are dreaming about going home and playing soccer, but we still had 50 minutes more of math class to survive. Mrs. Carelli was having trouble keeping the order, and to keep us quiet she told us about a magic set: The Lychrel Numbers Set.

What are those Lychrel numbers? Well, it’s quite straightforward to define what are not a Lychrel number: if you take an integer, 305 for instance, and reverse its digits (503) and then add both numbers, you’ll get a palindrome: 808. In some cases, you’ll have to repeat the process more than once to get a palindrome, but you’ll eventually get one: 307 + 703 = 1010; 1010 + 0101 = 1111.

There’s, however, one magic number: 196.

This number can never be “palindromed”, and it creates a series of numbers that can never be “palindromed”: 691, 788, 887, 1675,  5761, 6347, 7436, and so forth.

The set of those numbers is known as Lychrel number, and it’s cardinality is supposed to be similar to N.

She didn’t tell us that, but challenged us to find out that 196 was not “magical”. The full classroom with 30 boys started summing and inverting digits and filling many sheets of papers with calculation for the next 50 minutes. At the end of the class, she told us that until that time no one had found a palindrome derived from 196, and it was believed that 196 would never be “palindromed”.

I went home and felt sorry for 196. Poor number! It’s not an ugly number, it was not prime, it wasn’t even an odd number. Why was it doomed to be forever inverted without reaching the comfort of being “palindromed”?

The years passed, and Lychrel numbers slipped to most obscure areas of memory but never vanished. Upon entering the University in 1993 when SPARCstations 2 were the most powerful desktop computers we had access, one of the first programs I developed was to spend idle computer time to calculate thousands of iterations for 196. It still seemed unfair that 196 could not rest in piece with its palindrome.

Still today, 196 reversed more than 10ˆ13 times, has no palindrome.

Sometimes, for fun, I thought about a somewhat mystical meaning for 196, related with the mystery of the Holy Trinity. As if God wanted to play with us and gave a number that has 1 (one God) and two multiples of 3 (the Trinity) with this “magical” property.

Some people ask when I talk about this subject: what’s the purpose of the Lychrel numbers in mathematics? None, as far as I know, but so was the prime numbers, the quaternions and other theories that later found a prominent place in the engineering, computer science or physics. Maybe the Lychrel numbers never find its use but for at least two thing it was very useful: to help a teacher calm down a classroom in 1987 and to make me love mathematics and get intrigued with the infinity.

naming infinity

Ideia genial: licença ABRMS

A ideia é muito boa e sou grato a meu amigo Diego por tê-la compartilhado no Facebook.

Um cara lançou um assembler para o 6502 no github, até aí nada demais, e colocou uma licença diferente que ele denominou com o acrônimo ABRMS: Anyone but Richard M. Stallman (já falamos dele aqui).

A licença pode ser vista aqui: https://github.com/landondyer/kasm/blob/master/LICENSE

EXCEPTIONS
———-

Richard M Stallman (the guy behind GNU, etc.) may not make use of or
redistribute this program or any of its derivatives.

Obviamente os Minions Stallmicos começaram a patrulhar a rede criticando o criador desta licença. O autor coloca em seu blog a razão deste criativo modelo de licenciamento.

It’s not about hating free software. I’m a believer in that; I released my first game for free in 1982. Note that the github thing I put up is essentially totally free (something I would have been restricted from doing, by my employer, up to a year ago).

I have a personal dislike for RMS and I think that his philosophy of economy is at best naïve and dangerously unworkable. 25 years ago he was exhorting me to quit my job in protest to support some of his politics and he wasn’t pleasant about it. Thus, ABRMS.

If RMS really wants a miserable little 6502 assembler I can always amend the license. I’m not unreasonable. But he has to ask.

20131202-064203.jpg

P.S.: Se alguém pode rivalizar com o Stallman, em termos de mala, é o rapaz acima.