Brasil adquire artilharia, obsoleta, para Copa das Confederações

Não adquiriu um Romário, isto sim seria um artilheiro. E também não é uma Artilharia Antimissil como disse o jornalista analfabeto do G1. Mas que é ultrapassada é.

Defesa Antiaérea

A defesa aérea do país é uma piada macabra e agora comprando material de segunda mão com sérias limitações os caras acham que estão fazendo alguma coisa.

As unidades do Gerpard, usadas, que o Brasil comprou, foram fabricadas por volta dos anos 70 e tem capacidade de engajar alvos até 10000 pés (pouco mais de 3km) de altitude. Considerando que a única defesa aérea do Brasil até hoje eram os canhões Bofors 40mm e Oerlikon 35mm e os mísseis Igla-1 não havia como piorar a situação.

Chamar os Gepard de algo adequado para o século XXI como primeira linha de defesa aérea é no mínimo uma piada.

Será que o Brasil não tem dinheiro para gastar com algumas baterias de S-300?

Nota: A primeira linha e a foto do G1 foram colocadas pelos editores do Zeletron.

Comments on this entry are closed.