Se o profissional de TI tem que ser competente, por que o de jornalismo não?

Imagine você, profissional de TI, matemático, estatístico, físico, ou outro profissional que batalha diariamente para ganhar o suado dinheirinho produzisse uma pérola assim.

void testLaunchMissile (int cond) 
{
    if (cond == 1)
    {
        // suponho que sendo um devo lançar o míssil.
        missilLaunch();
        resetAllSafeties();
    } else {
        // ferrou, sei lá o que faz aqui
        if (time() % 2 == 0)
        {
            missilLaunch();
            resetAllSafeties();
        }
    }
}

Seu chefe, com toda a certeza, ia mandar você para o olho da rua.

No entanto no jornalismo coisas piores sucedem e não acontece nada com o autor da proeza. Antes de mostrar uns exemplos, que andei colecionando em parceria com meu amigo Rafael, um comentário: o jornalismo no Brasil anda muito ruim, nas redações há poucos jornalistas honestos e competentes. Há poucos que estudam o que vão escrever, que aprofundam no tema, que investigam. Os jornais impressos andam decadentes e o jornalismo online é produzido muitas vezes por pessoas semi-alfabetizadas. Isto é ruim para a democracia, é péssimo para o Brasil.

Veja este exemplo do G1 (que não é réu primário). Primeiro a chamada de capa:

Agora repare no interior da matéria:

A pergunta que não quer calar é: o cara gerou a manchete sem ler o que escreveu no texto? Ou será que ele não entendeu a notícia que ele copiou e traduziu?

Você pode, também, encontrar exemplos de como se misturam noticias sérias com coisas bizarras:

Portanto, amigos jornalistas, estudem! Façam um bem ao Brasil e à democracia: Estudem! Façam seus chefes, os editores, estudarem.

Comments on this entry are closed.