Começam a surgir apps interessantes para Windows Phone: Kekanto

Recebi este release do pessoal da Kekanto e acho que vale a pena dar a conhecer o aplicativo deles.

Apenas dois meses após lançar uma versão para usuários da plataforma Windows Phone, o Kekanto alcança o posto de destaque dentro do Marketplace, a loja de aplicativos da Microsoft. As avaliações positivas dos donos de Windows Phone e a performance desta primeira versão do aplicativo colaboraram para alcançar essa posição. Além disso, o Kekanto entrou para uma lista de recomendados no Marketplace pela equipe da Nokia para proprietários de telefones Lumia 900, 800 e 710.

Fundado em 2010 por estudantes da Universidade de São Paulo (USP), o Kekanto se propõe a ser um guia colaborativo em que as avaliações, fotos e informações relevantes sobre restaurantes, baladas, profissionais liberais, bares, hotéis e demais estabelecimentos são fornecidas por pessoas comuns dispostas a ajudar outras que fazem buscas por determinados serviços e produtos.

Com ele, pode-se saber quais estabelecimentos estão ao redor do usuário e também procurar detalhes específicos como, por exemplo, se há serviço de valet no lugar, se o atendimento é de excelência e se os preços do local compensam pela experiência. Tudo isso com uma tecnologia desenvolvida por talentos 100% nacionais. E com a colaboração dos usuários forma-se um grande boca a boca virtual.

No Kekanto é possível compartilhar opiniões sobre lugares no Brasil, Argentina, Chile, México, Uruguai, Paraguai e Portugal. No Marketplace pode-se baixar o aplicativo de forma gratuita. Mais informações em http://br.kekanto.com

Confira detalhes sobre o aplicativo Kekanto no site oficial da Loja de Aplicativos Windows Phonehttp://www.windowsphone.com/pt-br/store/app/kekanto/69750f24-a7a2-4edf-b8ba-d51393d8285c

Legal ver que há coisas surgindo fora do Android.

Quebrando o pau, matematicamente

Quando estudei na PUC-Rio havia uma matéria chamada Modelos Probabilisticos ministrada pelo pessoal da Telecom, que era conhecida por suas provas criativas.

Numa destas provas havia uma questão cujo enunciado é o que vai abaixo e serve como nossa leitura de final de semanamatem:

“Suponha que você quebre um palito num ponto aleatório do comprimento dele, escolha o maior pedaço e quebre novamente de forma aleatória. Qual é a probabilidade de você formar um triângulo com os três pedaços?”

Antes de sair procurando alopradamente no Google, não havia o Google ainda em 1996 quando fazia esta matéria, note que este problema é ligeiramente distinto do “three stick triangle problem”, neste nosso você escolhe para a segunda quebra o maior pedaço o que é diferente de quebrar um pedaço de pau em 3 pedaços diretamente.

Há duas formas de resolver este problema, uma forma computacional, que não era o caso na época, e uma forma analítica. A forma analítica é interessante porém exige um conhecimento matemático mais aprofundado. Já a forma computacional está disponível para qualquer um que saiba programar como mostramos no script Python abaixo.

from random import random
 
def isTriangle (a,b,c):
        lista = [a,b,c]
        lista.sort()
        if (lista[2] < (lista[1]+lista[0])):
                return True
        else:
                return False
 
def breakRule():
        p = random()
        if (p < 0.5):
                a = p
                p1 = random()
                b = (1-p) * p1
                c = (1-p) - b
        else:
                a = (1.0 - p)
                p1 = random()
                b = p * p1
                c = p - b
        return isTriangle (a,b,c)
 
sim = 0
nao = 0
 
for i in xrange(100000):
        if breakRule():
                sim += 1
        else:
                nao += 1
 
print "Número de vezes que deu certo: %d"%sim
print "Número de vezes que deu errado: %d"%nao
print "Probabilidade: %f"%(float(sim))/(sim+nao)

Agora a forma analítica de resolver.

Considerando a régua como tendo comprimento 1, vamos dividir o problema em duas partes que são simétricas. Na primeira parte a quebra ocorreu no ponto n (0 < n < 0.5) até 50% do comprimento da régua. Desta forma a segunda quebra não pode ocorrer, para respeitar a desiguldade triangular:

 

A < B + C

onde A é o comprimento do maior pedaço, nos trechos:

[n;\frac{1}{2}] ; [1 - (\frac{1}{2} - n);1]

Como pode-se ver na figura abaixo:

Desta forma, ao quebrar uma vez a régua no ponto n < 0.5 a probabilidade de formar um triângulo é dada por:

P_t(n) = \frac{n}{1-n}

Portanto a probabilidade de formar um triângulo é:

\int\limits_0^\frac{1}{2} P_t(n)dn = \int\limits_0^\frac{1}{2} \frac{n}{1-n}dn

Resolvendo a integral temos:

\log{2} - \frac{1}{2} = 0.193147

Como falamos que eram dois problemas simétricos a probabilidade de formar um triângulo é:

2 (\log{2} - \frac{1}{2}) = 0.386294

Que é o valor obtido pela nossa simulação.

Law & Chaos – O Brasil que precisa mudar

Você, caro leitor, dirá ao ver este título: que isto tem a ver com tecnologia? Nada e tudo. Pretendo apresentar abaixo uns casos “hipotéticos” de como é aplicada a lei num lugar desenvolvido onde brotaram as maiores oportunidades tecnológicas do século XX e XXI e num país atrasado, um gigante também, mas adormecido.

Caso Hipotético 1: Um rapaz tem uma amante, ela engravida e enche a paciência dele para pagar pensão, ele resolve tomar um atalho e sequestra ela, mata com ajuda de bandidos profissionais, picota, dá para os cachorros comerem.

País 1: O julgamento demora dois anos e o réu condenado pega 15 anos de cadeia. Cumpre 3 anos e vai para o regime semi-aberto que na prática é a liberdade.

País 2: O julgamento demora 8 a 9 meses. O réu se condenado é condenado à prisão perpétua ou é executado por injeção letal.

 

Caso Hipotético 2: Pessoa comanda uma quadrilha que assalta os cofres públicos, compra membros do congresso, busca montar uma base de poder.

País 1: O julgamento leva 7 anos, o réu condenado pega pouco mais de 10 anos e 10 meses de cadeia, fica criticando os juízes que o condenaram, demora para ser preso e ainda pode sair da cadeia com apenas 1 ano e 9 meses.

País 2: O réu entra num plea bargain (acordo) com a promotoria, dispensa o julgamento e em troca é sentenciado apenas a uma prisão perpétua que pode ser comutada após 25 anos preso.

As maiores empresas do País 1 são: Petrobrás, BR Distribuídora, Vale, Ipiranga e Raízen.

As maiores empresas do País 2 são: Apple, Exxon, Microsoft, Google e IBM

O país 1 é o Brasil.

 

Quando será o lançamento do iPhone 5 no Brasil?

Atualização: Será 14/12, mas o que escrevi abaixo segue valendo, principalmente o segundo parágrafo.

Não sei. Nenhum blog sabe. Pare de perder seu tempo procurando isto! Quando sair você vai saber na hora.

Feita esta observação vamos a uma consideração: você compraria um iPhone 4 ou 4S sabendo que o preço vai cair quando lançarem o iPhone 5? Acho que não. Nenhuma pessoa sensata compraria. Tendo chegado a um acordo sobre este ponto eu penso que a estratégia da Apple e bastante tola com relação ao Brasil, se é que estão preocupados com o Brasil: poderiam não divulgar o preço do iPhone 5 mas já baixar o preço do 4 e 4S para que o pessoal não fique esperando sair o 5 ou vá comprar um Android.

Nokia Developer Day com Windows Phone 8

Hoje houve em São Paulo, o Nokia Developer Day. O Zeletron compareceu, provando mais uma vez que lambanças do passado da Nokia não influem no presente.

O evento foi muito interessante pelas novidades faladas. Foi um evento politicamente importante para a Nokia porque estava um ministro de estado, tudo bem que quando soube que ia falar um ministro do PT escondi a carteira e quase dei o fora. Paulo Bernardo mostrou que como Ministro das Telecomunicações ele é …. bom, ele é um político, mas ele fica para domingo com vídeos.

A Nokia, prometeu no evento que entre janeiro e fevereiro chegaram ao Brasil os Lumia 920 e 820. Quem conseguiu mexer no 920 que estava lá percebeu que é um aparelho espetacular: câmera, tela, processador, conjunto.

Além disso deu para perceber quem é o principal alvo da Nokia nesta batalha por mercado: Android. É robozinho verde: a Microsoft e a Nokia vem babando para cima de vocês, já perceberam que não interessa brigar com a Apple e que o negócio é atacar os Androids por cima (Lumia) e por baixo (Asha). Aliás os Asha mais recentes estão sendo chamados de smartphones e não de feature phones.

Outra novidade que a Microsoft falou é que no Marketplace do Windows 8 vão respeitar as leis de cada países mas o consumidor escolhe em que país está. É fácil, quer comprar uma música que só tem na loja dos EUA, mude a região de seu aparelho para Estados Unidos que ela estará disponível e você paga em dólares com seu cartão daqui. Isto vai balançar o povo retrógrado de copyrights arcaicos, mas é algo bacana.

Além disso foram mostradas ofertas para seduzir desenvolvedores descontentes com outras lojas de Apps: um fundo de 16 milhões de euros para financiar idéias de Apps, um centro de desenvolvimento em Santa Rita do Sapucaí, um programa unificado de redes de anúncios, além de facilidades para desenvolvedores terem acesso à aparelhos e outras ferramentas.

É o velho mantra da Microsoft: Developers, Developers, Developers! Eu acho que pode dar muito certo.

 

 

 

 

Sete Leituras para o Domingo – (IX)

1) Do New York Times uma análise de que: talvez ser cauteloso ao entrar no mercado Mobile seja uma excelente política. Um artigo que deve ser lido.


Daniel Rosenbaum for The New York Times

 

2) O que aconteceria se um meteorito de 30 metros de diâmetro viajando a velocidade da luz colidisse com a Terra? Veja esta resposta no What-If desta semana.

3) O Nokia Lumia 920 vem aí e segundo a Nokia ele é indestrutível. Aproveite para ver o vídeo da tortura do aparelho.

4) O poder do Windows Phone 8 continua sendo louvado pelo mundo afora.

5) Cinco teorias para a recente queda brusca nos preços das ações da Apple (AAPL). O que a eleição de Obama tem que ver com isso?

6) Não é relacionado à tecnologia mas alguma coisa sobre os quase onze anos de cana que o Zé Dirceu pegou não poderia faltar. Reinaldo Azevedo comenta o Ius Sperniandi do chamado chefe da quadrilha.

7) E por falar em cadeia o Wikihow tem um artigo com 11 dicas para passar o tempo na cadeia. Que tal imprimir e mandar para Zé Dirceu, Genoíno, Delúbio, etc.

 

Se o profissional de TI tem que ser competente, por que o de jornalismo não?

Imagine você, profissional de TI, matemático, estatístico, físico, ou outro profissional que batalha diariamente para ganhar o suado dinheirinho produzisse uma pérola assim.

void testLaunchMissile (int cond) 
{
    if (cond == 1)
    {
        // suponho que sendo um devo lançar o míssil.
        missilLaunch();
        resetAllSafeties();
    } else {
        // ferrou, sei lá o que faz aqui
        if (time() % 2 == 0)
        {
            missilLaunch();
            resetAllSafeties();
        }
    }
}

Seu chefe, com toda a certeza, ia mandar você para o olho da rua.

No entanto no jornalismo coisas piores sucedem e não acontece nada com o autor da proeza. Antes de mostrar uns exemplos, que andei colecionando em parceria com meu amigo Rafael, um comentário: o jornalismo no Brasil anda muito ruim, nas redações há poucos jornalistas honestos e competentes. Há poucos que estudam o que vão escrever, que aprofundam no tema, que investigam. Os jornais impressos andam decadentes e o jornalismo online é produzido muitas vezes por pessoas semi-alfabetizadas. Isto é ruim para a democracia, é péssimo para o Brasil.

Veja este exemplo do G1 (que não é réu primário). Primeiro a chamada de capa:

Agora repare no interior da matéria:

A pergunta que não quer calar é: o cara gerou a manchete sem ler o que escreveu no texto? Ou será que ele não entendeu a notícia que ele copiou e traduziu?

Você pode, também, encontrar exemplos de como se misturam noticias sérias com coisas bizarras:

Portanto, amigos jornalistas, estudem! Façam um bem ao Brasil e à democracia: Estudem! Façam seus chefes, os editores, estudarem.

Pensamentos sobre recrutamento de pessoas espertas

Há algum tempo escrevi sobre o drama de contratar programadores aqui no Brasil. Meu drama continua, estou compilando o melhor (o pior) dos currículos recebidos, mas fica para outro post.

Em 1999 a Microsoft me contratou depois de uma entrevista que durou 5 horas precedida por uma longa entrevista por telefone. Como não quis ir para Seattle a vaga passei para um amigo meu que segue lá no DirectX até hoje, mas estou me desviando do tema de novo. O fato é que lembrei que a Microsoft tinha um estilo muito interessante de fazer entrevistas. Pensando nisso comprei o livro “Are you smart enough to work at Google” e peguei umas idéias de entrevista.

Uma bem curiosa era a seguinte: colocaram numa cidade universitária um outdoor com os seguintes dizeres:

{first 10-digit prime found in consecutive digits of e}.com

É um site. E como se sabe qual site é?

Bom a constante e, que é um número transcendente, pode ser aproximado por:

\sum_{n=0}^{i}\frac{1}{n!}

Ou então você pode usar o módulo decimal do python

from decimal import *
getcontext().prec = 6000
e = Decimal(1).exp()

Agora é só montar um programa que passe pelos 10 dígitos e calcule se é primo ou não:

import math
from decimal import *
getcontext().prec = 6000
print "Calculando e com %d digito"%getcontext().prec
e = Decimal(1).exp()
strE = e.as_tuple()[1]
strE = [str(i) for i in strE]
print "Montando crivo"
crivo = [2]
for i in xrange(99996):
   isPr = True;
   sqrtI = math.sqrt(i)
   for j in crivo:
      if (i+3)%j == 0:
              isPr = False
              break
      if (j &gt; sqrtI):
          break
   if isPr:
      crivo.append(i+3)
 
def isPrimoC (n):
   sqrtN = math.sqrt(n)
   for j in crivo:
       if (n%j) == 0:
               return False
       if (j &gt; sqrtN):
               return True
   return True
 
print "Procurando Primeira sequencia de 10 digitos primo"
for i in xrange(len(strE)):
        dec = int("".join(strE[i:i+10]))
        if isPrimoC(dec):
           print "Achei: %d pos(%d)"%(dec,i)
           break

Encontramos a resposta que é 7427466391 e portanto o site é: 7427466391.com

Neste site 7427466391.com havia um outro problema que gerava outro site que por fim fazia o candidato chegar na página de submeter o curriculum.

De fato é uma boa forma de fazer uma pré-seleção.

Se você tiver idéias de como fazer uma boa seleção de candidatos, compartilhe conosco.

Labirinto Maluco: 1 milhão de downloads e a continuação

O Labirinto Maluco foi uma surpresa para mim, nunca pensei que ele fosse passar a marca de 1 milhão de downloads e ser votado como um dos 25 apps mais baixados de todos os tempos no Brasil. Mas foi assim. É algo muito legal ver pessoas que você não conhece jogando, um jogo no qual você trabalhou, no metrô, no ônibus; o chefe supremo do Zeletron já viu uma pessoa, num vôo internacional, sentado ao seu lado jogando este jogo.

Para celebrar este evento decidimos fazer uma continuação: Labirinto Maluco 2.

Nesta continuação além de o usuário ter todos os níveis grátis, ele tem disponíveis bombas para quebrar as paredes do labirinto e warps para fazer as bolas serem teletransportadas. O jogo passou também por uma mudança visual bastante intensa e ganhou efeitos sonoros, opções de compartilhamento e mais realismo físico.

Gostaria de agradecer todos os que gostaram do Labirinto Maluco e tem jogado ele. Aproveito para sugerir que experimentem o Labirinto Maluco 2.

Usando a tecnologia para identificar o ladrão de chocolate

Hoje vou substituir as sete leituras de domingo por uma coisa instrutiva, engraçada e inútil.

Semana passada na hora do almoço, comprei um chocolate Nestlé Classic Zero 50% Cacau (aí Nestlé, propaganda grátis) e ao começar a abrir para degustar minha saborosa sobremesa notei algo estranho na embalagem. Parecia que estava faltando um pedaço.

Como comedor habitual deste chocolate sei que ele é composto por uma matriz 4×2 de pedacinhos de chocolate e nesta barra só havia três. Indignado fui me preparando para ligar para o 0800 da Nestlé e descer a lenha quando percebi algo curioso na superfície do chocolate: uma impressão digital!

Não era uma impressão completa, mas uma impressão parcial do polegar, o dedo que o safado que roubou meu pedaço de chocolate usou para fazer alavanca para quebrar uma das quatro partes. Isto somado a muitos episódios de NCIS assistidos fez com que baixasse o espírito de perito criminal em mim.

Com a câmera do iPhone 4S o Photoshop e a ajuda de um conjunto de plugins especializado em análises forenses consegui levantar a impressão digital.

Agora é só consultar o IAFIS. Puxa, mas não tenho acesso ao IAFIS. Não tem problema, o dono da padaria não sabe disso, levo o chocolate, a impressão digital impressa e peço outro.

Puxa, mas você gastou mais para resolver este caso que o preço do chocolate. É verdade… Bom, pelo menos me diverti, encontrei um site sobre análises forenses com Photoshop, um conjunto de plugins e achei um tema interessante para escrever.

Sete Leituras para o Domingo – (VIII)

1) Esta semana li o What-if do XKCD e é genial. O que aconteceria se uma bola de baseball fosse arremessada a 90% da velocidade da luz? Confira em: http://what-if.xkcd.com/1/

2) E se existisse um copo meio vazio… http://what-if.xkcd.com/6/

3) E se todo mundo do planeta pulasse ao mesmo tempo? http://what-if.xkcd.com/8/

4) Por falar em XKCD se você não conhece o BOFH deveria conhecer. Comece por aqui: http://bofh.ntk.net/BOFH/0000/bastard01.php

5) Comemorando o lançamento do Windows 8 aqui vai a lista de Easter Eggs de produtos da Microsoft.

6) The Daily WTF também é uma grande fonte de humor geek. Reúne as coisas mais bizarras que os piores programadores do mundo produzem.

7) Já que estamos no lado humoristico da computação é fundamental que você conheça os textos: Real Programmers don’t use Pascal e The History of Mel.