Thinking outside the box – Criatividade

Antes de começar gostaria de dizer que não havia resolvido o problema do post anterior. Inclusive, para piorar a situação fiz um programa em Python para tentar resolver na força bruta e não consegui.

E não consegui porque estava aferrado a limitações que eu mesmo me coloquei e que não estavam no problema. Porque a linha precisa começar num dos pontos e ficar restrita ao espaço dos pontos? Em nenhum lugar diz isto, mas eu assumi isto e não consegui resolver o problema.

A expressão “thinking outside the box” que alguns traduzem por “pensar fora da caixa” tem origem neste problema do post abaixo e diz respeito ao fato de que é impossível achar uma solução para ele pensando convencionalmente.

Este pensamento criativo que busca soluções “fora da caixa” para problemas que não admitem uma solução :”na caixa” é uma ferramenta importante em computação e em outras áreas que exigem que resolvamos problemas. Portanto este problema foi para mim um alerta: quando começa a bater a cabeça num problema, tente distanciar-se dele e ver se com uma perspectiva maior não encontra uma solução.

Abaixo a solução com 4 linhas:

E forçando um pouco mais a solução com 3 linhas.

Como o @jbvsmo disse é possível fazer com uma linha, desde que ela não seja reta.

Um quebra cabeça para um posterior comentário

Você precisa unir todos os pontos abaixo sem levantar a caneta do papel e fazendo apenas 4 linhas.

Problema Pontinhos

Tente resolver este problema em 10 minutos. Se não conseguir não fique frustrado, pouca gente consegue e não está ligado à inteligência.

Se você resolveu agora tente fazer o mesmo problema com 3 linhas.

Se não conseguiu aguarde ainda hoje o comentário do Zeletron explicando porque este problema é tão difícil para alguns.

 

Resolvendo o problema do Java nos Browsers de Macs com OS X Lion

Depois da última atualização do meu Mac, reparei que os módulos de segurança do Santander e do Itaú pararam de funcionar e já não podia fazer nenhuma transação bancária, só consultas.

Apurando o problema, vi que ambos são feitos em Java e que nenhum outro applet em Java estava funcionando.

Após algumas buscas achei a solução nesse site aqui.

1) Abra o painel de controle do Java colando o código abaixo no terminal.

/Applications/Utilities/Java\ Preferences.app/Contents/MacOS/Java\ Preferences

2) Marque o checkbox indicado na figura abaixo.

3) Feche os browsers (Cmd+Q)

Pronto, quando os browsers forem iniciados novamente, eles conseguirão rodar os applets.

Que mancada essa da Apple! Ou será que foi da Oracle?

Android no banco dos réus amanhã

Amanhã começa um julgamento que pode definir rumos em celulares e código aberto. Já se comentou aqui neste blog sobre o assunto mas o fato é que esta é a semana em que o assunto finalmente chega a um tribunal.

Após cerca de 600 petições e milhares de horas de advogados a questão que o tribunal irá decidir diz respeito mais ao futuro do Android que o valor da indenização que o Google deve pagar a Oracle.

A Oracle deseja cobrar royalties em cada Android vendido. Isto é uma ameaça já que praticamente todos os fabricantes, grandes, de aparelhos com Android já pagam US$ 15.00 para a Microsoft em royalties.

Além de inviabilizar a plataforma o processo apresenta uma ameaça a comunidade Java, já que o argumento da Oracle passa pela defesa de que uma linguagem de programação pode ser patenteada.

Um complicante do processo é o fato de que o julgamento, como o sistema judicial americano prevê, de acordo com a sétima emenda da constituição, deve ser examinado por um júri. E não há como prever se os doze jurados selecionados serão capazes de entender as nuanças técnicas que estão entremeadas neste processo.

Vale à pena acompanhar o caso de perto.

Manobrista Maluco em versão Android (celular + tablet)

Este post vai deixar o Mobile Analyst de cabelo em pé. Diria ele comendo seu ovo (não lembro agora se frito ou cozido) “como os caras do Zeletron me traíram e fizeram um port do Manobrista Maluco para o Android? E ainda não fizeram para o Windows Phone 7.5?”

Pois é:  Agora você pode baixar diretamente deste link da Google Play: Manobrista Maluco 2

Chamamos de Manobrista Maluco 2 porque por algumas tosquices do Google Play não foi possível atualizar mais o Manobrista Maluco que havíamos portado de modo provisório.

Manobrista Maluco no Android
Rodando no Galaxy Tab 2

O portal da Anatel: piada macabra

Já comentamos aqui como é triste a situação das Telecomunicações no Brasil. Este post pretende ser uma continuação daquele.

Desesperado com minha operadora resolvi recorrer a Anatel. Entrei no site deles, descobri que não funciona no Chrome, só no IE, e lá fiz minha reclamação que vai abaixo:

Como não encontrei como fazer reclamação via CNPJ aqui vai a reclamação em meu nome.

Nós últimos 30 dias houve mais de 80 horas de interrupção do serviço Speedy Fibra Optica. Num dia foram 48 horas de interrupção e no outro perto de 40 horas de interrupção.

Segundo técnicos da Telefônica o problema era conhecido pela operadora que estava enviando técnicos ao local apenas para “ganhar tempo”.

O serviço de Internet é fundamental para a execução do nosso trabalho e nos gerou enormes prejuízos. A operadora se recusou a fornecer cópia das gravações, descumprindo a lei dos Call Centers, e não respeitou os prazos fornecidos por ela mesma para o reparo (prazos que já eram abusivos).

Nós solicitamos:

1) Que a operadora reembolse o cliente das horas paradas.
2) Que a operadora forneça cópias de TODAS as chamadas ao call center feitas por nós nos últimos 45 dias.
3) Que a operadora envie um relatório do problema e da razão da demora na solução.

O que a ANATEL fala para você:

Microsoft OLE DB Provider for SQL Server error ‘80040e14’

Incorrect syntax near ‘,’.

/FOCUS/CLASSES/cAtendimento.asp, line 556

Nem reclamar podemos mais. Vai dizer que não somos um país de tolos?

Atualização (09/04/2012): O problema continua. Eu acabei de notar que tinha postado algo semelhante no Zeletron há um ano atrás: http://www.zeletron.com.br/2011/05/e-agora-quem-podera-me-defender.html

iTunes Store Brasileira, jogos e os desenvolvedores: um texto que você precisa ler.

Ontem, como publicamos neste Blog, a Apple liberou a venda de jogos na iTunes Store brasileira. Escrevo um texto longo, mas acho que vale a pena ler.

O Brasil, por incompetência já conhecida do governo federal, era dos últimos países que não permitia a venda de jogos na loja da Apple.

É uma coisa a ser comemorada, todos ficamos felizes pelos consumidores; no entanto muitos desenvolvedores, eu me incluo entre eles, tinham um certo receio do que poderia acontecer com as suas vendas quando isto ocorresse. Eu pretendo analisar esta questão e deixar alguns conselhos.

Até ontem, um brasileiro que quisesse comprar um jogo, Angry Birds por exemplo, precisaria criar uma conta na iTunes Store Americana e comprar gift cards. O fato é que nem todos sabiam ou conseguiam operar desta maneira. Uma consequência, pelo menos muitos percebíamos assim, era que colocar um jogo entre os Top25 da iTunes App Store brasileira não era algo difícil. Muitos desenvolvedores locais estavam tendo boas receitas vendendo seus produtos aqui no Brasil.

A coisa funcionava como uma reserva de mercado, para os que são muito jovens para lembrar desta época da história recente do brasil deixo este link. Por falta de competição de alta qualidade, muitos de nós conseguíamos vender ou ter muitos downloads de jogos inferiores aos que os americanos, ingleses, japoneses e até argentinos compravam.

Agora, penso que todos os que fazemos jogos estamos com um certo receio: o que vão ser das minhas vendas e dos meus downloads? Será que vou perder muito dinheiro?

Sem fazer um exercício de adivinhação não consigo escrever uma resposta, ainda não tenho dados reais para sustentar uma análise precisa. Mas vamos ver alguns cenários, se você tiver paciência de seguir lendo.

É de se esperar que alguma perda financeira irá acontecer nos primeiros dias. Haverá, já está acontecendo agora enquanto escrevo, uma avalanche de pessoas comprando Angry Birds, Where is my Water, PvZ, etc. Isto significa que estas pessoas ficarão ocupadas com estes jogos e não irão baixar o SEU jogo: Boliche Medieval, Desafio das Bolinhas, etc.

Por outro lado, é de se esperar um aumento de tráfego na App Store brasileira. Muita gente que comprava via gift cards na loja americana vai parar de fazer isso e preferir comprar com seu cartão de crédito na loja brasileira. Alguns que faziam jailbreak para piratear jogos de 0,99 centavos vão ver que não compensa o trabalho e irão pagar .99 para ter o jogo de maneira mais confortável. Outros que compravam Apps mais esporádicamente serão mais assíduos frequentadores da App Store para adquirir os games best sellers e consequentemente podem comprar outros jogos e produtos.

Outro fato positivo: os desenvolvedores brasileiros não precisarão colocar seus jogos na categoria Entretenimento e por conseguinte terão uma maior exposição fora do Brasil.

Há desafios e oportunidades. É possível ter mais sucesso, mas é preciso mudar a estratégia. No início dos anos 90, quando o ex-presidente Collor acabou com a reserva de mercado em informática houve empresas que se reinventaram e prosperaram outras continuaram como estavam e morreram.

E que conselhos você daria para os desenvolvedores brasileiros? Confesso que venho pensando neste cenário há muitos meses, mas ainda não tenho uma resposta definitiva; não é fácil fazer uma boa análise sem dados reais. Posso oferecer algumas sugestões de bom senso e no futuro, espero que seja breve, quando tiver uma estratégia mais concreta, escrever outro texto.

  1. Melhore a qualidade do seu jogo: é um conselho obvio, mas que não é tão fácil de implementar. “Adapt or die” – ou você faz algo que as pessoas queiram jogar por algum tempo ou você será engolido pela avalanche de títulos de jogos que serão ofertados por aqui.
  2. Pense em aplicativos fora da categoria jogos: o mercado não jogos é bem menor e exige muito mais suor para crescer, mas não é desprezível. Você diversificando pode conseguir compensar em outra categoria o que perdeu com jogos. Posso dizer que há alguns meses conseguimos subir nossa fatia de vendas de aplicativos não jogos de 15% para 30%.
  3. Estude formas de comer parte do mercado que você tinha menos acesso antes. O mercado de Apps no Brasil é 20 vezes menos que o dos EUA, metade da Austrália, 5 vezes menor que a Inglaterra, oito vezes menor que o Japão, um terço do mercado chinês, metade do mercado coreano, etc. Antes você estava confinado na categoria entretenimento, lance uma nova versão e mude-se para a categoria jogos. Traduza seu jogo em outras línguas: há serviços em conta para fazer isto.

Não poderia deixar de mencionar a importância, já aqui comentada, de pressionar o governo. Os últimos dez anos com Lula e Dilma trouxeram um grande atraso tecnológico para o Brasil. Os danos que o enfraquecimento das agências reguladoras (em especial a Anatel) trouxe sentiremos e estamos percebendo. A falta de infra-estrutura, os impostos achacantes, a dependência de um estado paquidérmico e ineficiente, juros elevadas, praticamente inexistência de capital de risco sendo investido, a falta de mão de obra qualificada, as leis de trabalho da época Vargas; tudo isto faz com que seja mais difícil ser competitivo no novo cenário. No entanto, esta é uma variável sobre a qual temos pouco poder e só de quatro em quatro anos.

Não é um momento de pessimismo, mas sim de reflexão para buscar tirar uma oportunidade de um cenário difícil que os desenvolvedores teremos pela frente com esta abertura.

Apple começa a vender jogos na AppStore Brasileira

Hoje a Apple começou a vender jogos na AppStore Brasileira. Esta é uma breve nota para informar. Será que os desenvolvedores brasileiros que estavam vendendo jogos a rodo aqui no Brasil por falta de concorrência serão prejudicados ou não?

Aguarde a análise, que não será do Mobile Analyst, no Zeletron

Crise
Crise em chinês

Nokia e Microsoft partiram para a guerra

Veja os 3 vídeos abaixo. Dois deles batem nos Androids e um deles no iPhone. Eles são da campanha: www.smartphonebetatest.com

Enquanto o pessoal da maçã está levando numa boa a piada, nas rodas de discussão do robozinho verde o tempo ficou quente. Não acredito, ao contrário do Mobile Analyst que o Android seja um sistema tão tosco assim, eu acho que eles tem problemas, mas tem um mercado gigante; no entanto a guerra é boa para o consumidor.

Image from http://www.pocketgpsworld.com

[Breaking News] – Zeletron compra a RIM

Rio de Janeiro, 01 de Abril de 2012

Num movimento já esperado pelo mercado o famoso blog brasileiro Zeletron (NYSE:ZZZZ) (ex-Nomequenaopodeserdivulgado) adquiriu o controle da RIM. O diretor do blog afirma que os funcionários da RIM não devem se preocupar pois já iam perder o emprego de qualquer forma e agora tem chance de escrever posts para o Zeletron.

A RIM e o Blackberry estavam em estado vegetativo há alguns anos e o Zeletron resolveu acabar com o sofrimento deles. Foi como um ato de misericórdia afirma uma fonte do mercado que pediu para não se identificar. Foi quase como o ato de clemência que a HP teve quando comprou a Palm, só que no caso atual o Zeletron espera não ir para o buraco como a HP vai indo.

Especula-se nos bares da Cinelândia onde este e outros analistas comem seus ovos cozidos que o próximo alvo de aquisição do Zeletron será o Android. “O Android anda tão caído nesses xing-lings da vida que se bobear fazemos uma vaquinha com algum outro blog de tecnologia e compramos eles” afirma outra fonte de um blog que divide bits mas que prefere ficar anônimo.

Os acionistas do Zeletron (NYSE: ZZZZ) devem esperar uma pequena redução das cotações nos próximos dias, no entanto este analista recomenda a compra de ações do Zeletron (até porque eu ganho comissão).

Mobile Analyst

(p.s. – se você quiser me processar, saiba que no dia primeiro de abril o humor ainda é permitido no Brasil)