Situação das Telecomunicações no Brasil – Parte 1 de Infinito

Já não é a primeira nem segunda vez que comentamos da situação dramática em que se encontram as telecomunicações no Brasil. São já quase 10 anos de destruição do sistema de telecomunicações brasileiro e nesta série vamos mostrar os danos que este tipo de atraso causam.

Desde ontem a noite, a empresa em que trabalho está com o sistema de fibra ótica provido pela Telefonica inoperante. Hoje o dia inteiro ficou desligado após prometerem resolver o problema até as 14:00 e depois até as 15:31. Agora a previsão é resolver até amanhã às 14:00. Considerando que temos uma conexão de fibra ótica com 30 mbps de download e 5 mbps de upload e que a empresa é de tecnologia não é difícil entender que esta situação é inaceitável.

Pior que isso é o desgaste com call centers demenciados que a título de consolo dizem: “não se preocupe senhor que a Telefonica não irá cobrar este dia que ficou parado“. Ou então: “o senhor precisa entender que o problema não é na sua fibra, é na central“.

A culpa é da Telefonica? Ela deve ser processada por nós pedindo reparação de danos e lucro cessante? Sim, é a resposta para ambas as questões. A culpa é da Telefonica e ela será processada por nós (se a justiça no Brasil funcionasse …) no entanto é preciso notar que há outros responsáveis que dificilmente vão sofrer algo.

E quem são estes responsáveis? Além dos óbvios que moram ou já moraram no palácio do Planalto nos últimos 10 anos, há a impotência (ou talvez fosse melhor dizer incompetencia) da Anatel. Dizer que a Anatel é fraca é algo que superestima a agência, uma breve olhada no curriculum dos cinco conselheiros faz termos vontade de sentar no meio fio e chorar.

Também é digno de nota o silêncio sepulcral da imprensa brasileira que talvez tenha já morrido e esqueceu de nos avisar.

Continuará.

Telecomica, Telefonica

Em tempo: o lucro líquido da Telefonica Brasil até o terceiro trimestre de 2011 era 28% maior que o de 2010 que por sua vez era 9% maior que 2009.

5 comentários em “Situação das Telecomunicações no Brasil – Parte 1 de Infinito”