Quando a tecnologia ajuda você mas não ao fabricante: caso Vicky Primeira Proteção

A diferença entre gripe e resfriado é grande. Gripe causa febre alta e é basicamente uma infeção pelo vírus influenza. Já resfriado é basicamente composto de sintomas nasais e na garganta e é uma infeção pelo vírus rinovírus ou coronavírus.

Em termos populares ambas deixam você ferrado, só que na gripe você pode ficar em casa e no resfriado você fica ferrado(queria dizer outra coisa) no trabalho.

Para gripe há remédio, um antiviral que custa caro e por isso é melhor você não tomar ele e ficar em casa colocando o sono em dia e lendo revistas em quadrinhos. Já para o resfriado não há nenhum antiviral eficiente, nem compensa, mas havia um remédio tecnológicamente avançado que resolvia.

O Vick Primeira Proteção era um medicamento, ou melhor um dispositivo médico que utilizava um microgel que removia a carga viral do nariz. Havia muitas evidencias que era extremamente eficaz no tratamento do resfriado. Eu posso atestar que nunca tive um resfriado em três anos que usei o Vick Primeira Proteção.

Puxa, mas que remédio fantástico, dirá você! Porque você está usando os verbos no passado? Porque faz um ano ele sumiu do mercado.

Bom, deve ser algum efeito colateral perigoso, pensará você. Não, nada deste tipo. Ele simplesmente desapareceu.

Ja havia percebido este desaparecimento e tentado contactar a Procter & Gamble. Eles disseram que foi uma decisão da empresa remover o produto!

Aí vai aqui minha teoria, já que eles não querem dar explicações. O Vick Primeira Proteção era tão bom que ele atrapalhava a venda dos outros produtos para resfriados da P&G e com isso decidiram tirar do mercado. Foi um famoso: dane-se o cliente.

Eu com meu resfriado gigante deste final de semana estou me lembrando da mãe de todos os dirigentes da P&G. Se vê que se a tecnologia atrapalha os lucros, remove-se a tecnologia e fica-se vendendo chazinho… Afinal de contas, os otários resfriados são mais lucrativos …

 

Comments on this entry are closed.

  • Deve ser esse mesmo o motivo. Assim como acontece com a obsolescência programada dos produtos que consumimos, que são feitos para ficarem rapidamente obsoletos ou estragarem com facilidade. Infelizmente o dinheiro é prioridade em nossa sociedade.

  • Fernando

    Lembro que apesar de funcionar bem, TODOS os que eu comprava tinha vencimento próximo, não importava em qual farmácia eu ia. Ou seja, se eu comprasse um em janeiro e quisesse usar em outubro, no way, já tinha vencido (e isso pq o produto tem validade de 2 anos)….

    E agora mais essa?!

  • Dario

    EU USAVA!!! Muito bom! Funcionava nem que fosse pelo efeito placebo. Hehehe! Mas realmente percebi que não estava mais sendo vendido 🙁

  • RABUGENTO

    Era um excelente produto.
    Telefonei diversas vezes para os importadores/fabricantes e não souberam dar uma explicação decente para o sumiço das prateleiras.

    Tentaram até mentir dizendo que ainda estavam produzindo.

    Consumidor é para isso mesmo > Se ferrar.

    Outro produto muito bom que também sumiu foi um cicatrizante e anti-inflamatório Polysporin da Pfizer …

  • Gustavo Luiz

    Se essa história é verdade, eu não colocaria a culpa no fabricante, mas no fato de que o mercado de remédios é regulamentado em excesso e altamente distorcido com protecionismo e corporativismo. É isso o que ninguém vê, que os fabricantes (e os empresários em geral, não só no Brasil, mas em muitos lugares do mundo) trabalham em verdadeiros campos minados de leis arbitrárias, politicagem, disputa por subsídios e punições severas.

    Por que, então, por exemplo, o fabricante não aumentou o preço do remédio para compensar o prejuízo? Vai ver alguma lei bem intencionada de controle de preços tenha causado esse efeito adverso: tornou proibitiva a venda de um bom remédio por um preço obrigatoriamente baixo.

    Não fiz pesquisa nenhuma, por isso não tenho a menor idéia, mas se fosse esse o caso, eu apontaria uma lei idiota como o verdadeiro culpado, não o alvo fácil que é o fabricante.

    É conveniente pensar que o fabricante quer ferrar o consumidor, afinal de contas, quem teria empatia por ricos donos de fábricas que geram milhões? Mas se você fosse o fabricante, ia fazer o possível para não perder dinheiro também, né? Não é à toa que quem faz milhões tem que saber proteger o próprio dinheiro.

  • Dario

    Genial, Gustavo! Falou e disse!!!

  • Pedro Paulo

    Gustavo,

    Na verdade a P&G se recusa a dar explicações. Se fosse alguma lei estúpida (eu creio que o Brasil do PT é o das leis estúpidas) ela seria a primeira a falar

  • Não recordo o nome , mas havia um supositório excelente que deixava a criança praticamente 12 horas sem febre, lembrei Farmidon! Pois então, tiraram do mercado porque era muito barato, essa foi a explicação que recebi na época, e não podiam corrigir seu preço por questões políticas.
    Como está na moda Fazer marcha por alguma coisa, podemos sugerir a MARCHA pelos bons remédios. Drogas que valem a pena!

  • Zumba

    Estou vendo que alguns aqui não conhecem as indústrias farmacêuticas. Graças a ANVISA que não funciona adequadamente, mas progrediu muito nos últimos anos, temos uma certa proteção a população brasileira.

    Medicamentos que são proibidos em mais de 70 países e são vendidos normalmente por aqui, indústria que reclama por reajuste, mas gasta milhões em publicidade. Vcs já viram stock car???? Porque financiar equipe de carro???? Porque não atletas, que estimulam uma vida mais saudavel????

    Poderia citar inúmeros outros exemplos. A Ind. farmacêutica é responsável pela pesquisa de novas drogas que propicionam qualidade de vida a pessoas enfermas, mas não esqueça que ela tem acionistas que querem lucro. Por isso algumas doenças “terceiromundistas” nunca tem um medicamento efetivo, seja na cura ou tratamento.

    Cabe ao governo sim, rgulamentar esse mercado. Para evitar aumentos abusivos, e manipulação do mercado, pois eu não acredito na boa fé dessas empresas.

    Só para terminar, vcs lembram dos antiinflamatórios como Vioox??? As empresas sabiam do aumento dos riscos cardiovasculares, por isso lá “fora” respondem ações até hoje.

    Abs a todos.

  • Gustavo Luiz

    Zumba, estou muito mais inclinado a encarar um monte de burocratas com empregos garantidos numa agência do governo como os inadvertidos vilões dessa história do que como os nobres guardiões da população contra empresários interesseiros. É a típica caracterização socialista da disputa de classes: burgueses motivados pelo lucro são sempre os culpados até que se prove o contrário. Será que ninguém se cansa dessa propaganda que nos empurram desde o ensino médio?

    O mal das indústrias controladas não está na falta de regulamentação, mas no excesso dela, em como elas distorcem o campo de atuação das empresas. Experimente perguntar a um empresário como é navegar todo dia num mar viscoso de regras arbitrárias e entenderá porque a livre concorrência não passa de ilusão. Grandes empresas podem se acomodar em monopólios que prejudicam o consumidor, porque há barreiras demais para a entrada de concorrentes.

    Seja como quiser definir “manipulação do mercado”, para mim não há manipulação mais óbvia, injusta e opressiva do que o excesso de regras.

  • silvia rioli

    Pedro Paulo

    resolviu entrar nessa luta !!!
    mande seu email que anexarei o arquivo enviado para a P&G via imprensa.

    abs

  • Daniel

    O medicamento em questão funcionava muito bem, eu o usei uma vez e ele afastou por completo um forte resfriado que se insinuava. Mas foi, sem mais nem menos, retirado de circulação. Penso que tanto o laboratório que o fabricava, quanto a ANVISA, deveriam necessariamente vir a público explicar a razão desse súbito desaparecimento. Caso contrário persistirá a nítida sensação de que o Brasil não passa de uma ‘casa da mãe Joana’, onde o consumidor é tratado com descaso, sem o mínimo respeito e dignidade, vítima de jogos de interesses escusos de grandes laboratórios e de deploráveis políticas de saúde.

  • zippo57

    Visitando o site da Vick de outros países, não encontrei na Argentina, EUA. Achei o produto no site da vick da Alemanha! Portanto o produto ainda existe:

    http://www.wick.de/produkte/abwehr-von-erkaeltungen/erste-abwehr-mikro-gel-spray/

    O jeito ‘e tentar comprar pelo ebay!
    Eu pesquisei noebay alemao (www.ebay.de) por ” WICK Erste Abwehr” e encontrei várias ofertas, tais como essa:

    http://www.ebay.de/itm/WICK-Erste-Abwehr-Nasenspray-15-ml-51-33-EUR-100-ml-/180428720580?pt=Haus_Garten_Medikamente_von_Apothekern_Medikamente_von_Apothekern&hash=item2a0263c9c4

    Outra opção seria comprar no ebay ingles: http://www.ebay.com. Nele a pesquisa pode ser feita por: “Vicks first defence”. Encontrei dois à venda por aprox $12:

    Exemplo: http://www.ebay.com/itm/Vicks-First-Defence-Micro-gel-Nasal-Spray-15ml-/130602610027?pt=UK_Health_Beauty_Over_The_CounterMedicine_CA&hash=item1e6885ad6b

  • zippo57

    Ah ia me esquecendo. Se a receita interceptar e mandar para a anvisa, talvez fosse o caso de pedir para o vendedor colocar uma referencia ao registro anvisa do similar nacional. Olhei na caixa que ainda tinha do produto e trazia a informação: Registro ANVISA n. 8.026319.0001.

  • Renato Alves

    Tudo o que foi dito sobre a eficiencia do Vick Primeira Proteção é verdade.Varias vezes evitei que resfriados que já se instalavam no meu organismo fossem adiante com o uso do medicamento.

  • Gesilda Bernardo

    Olá pessoal estou entrando atrasada na discução, mas é q

  • Gesilda Bernardo

    Olá pessoal estou entrando atrasada na discução, mas é que o meu resfriado só começou a me incomodar ontem, e surpresa fui em 8 fármacias de grande porte aqui no centro de São Paulo e nada. E ninguém diz o porque, eu também pensei que tinham proibido a venda por algum problema com o produto. Agora entendi o motivo, eu também usei durante um bom tempo, sempre que começava o sinal de resfriado, eu usava o medicamento e o resfriado realmente não se instalava.
    Também penso que o problema não deva ser com o fabricante, pois eles investem miçhões para desenvolver um produto, para que ele seja aprovado e ainda validado pelos clientes, para depois tirá-lo do Mercado, se fosse por conta de concorrencia com os próprios produtos internos da Empresa, eles não continuariam a ser vendidos em outros países. Pois bem, agora vou curtir meu resfriado!

  • Patricia

    o vicky primeira proteção ainda é vendido nos EUA e na Itália, em qualquer farmácia. Na Itália custa 15 euros e ainda tem uma versão para alergia. Também mandei e-mail para a empresa responsável pela comercialização do vicky no Brasil e não obtive nenhuma resposta convincente, simplesmente disseram que o produto foi descontinuado. ainda não achei nada melhor para resfriados que o produto. A solução que encontrei é importunar cada amigo que vai para o exterior e pedir para que traga um.

  • Marcello

    Palhaçada!!!Agora que começou o frio , adivinha!!!!Estou com simtomas de resfriado/gripe, e nada de achar o Vick que REALMENTE FUNCIONAVA PARA MIM!!!
    É uma grande palhaçada, seja de quem for a culpa da suspensão da venda desse produto.Na duvida vou boicotar os produtos VICK até saber mais detalhes desse suspensão de vendas.

  • Iara

    Saí hoje procurar o medicamento e não achei, para mim o vicky funcionava perfeitamente, se for verdade que a razão do sumiço do produto foi esse mesmo temos que protestar, gritar, reclamar….. Cadê nossos direitos?