Não tem notebook em estoque? Manda churrasqueira!

Não sei se foi isso que aconteceu, mas o resultado da lambança da Americanas.com foi esse, comprou notebook e recebeu churrasqueira.

Churrasqueira Giulietta
Churrasqueira Giulietta

Há uns dias minha esposa comprou na Americanas.com um notebook Samsung para dar de presente ao meu sogro pelo dia dos pais. Para nossa surpresa, o pedido, que estava previsto para chegar no dia 29/07, foi antecipado muito e chegou ontem, 25/07, enquanto estávamos viajando. Quem recebeu o pacote foi o porteiro do prédio, que, obviamente, não abriu para conferir o que havia na embalagem lacrada da Americanas.com.

Hoje minha esposa resolveu antecipar o presente e foi à casa do meu sogro com a embalagem ainda lacrada. Ao abrir o presente, para a surpresa de todos na sala, ao invés de um notebook Samsung, apareceu uma sensacional churrasqueira elétrica Giulietta. (Uma resistência elétrica, um tabuleiro e uma grelha).

Pensamos que podiam ter errado a entrega dos pacotes, mas ao conferir a nota-fiscal, que estava num envelope lacrado na embalagem, vimos que ela se referia a um notebook realmente, e não a uma churrasqueira elétrica que custava 10% do preço do computador comprado.

Ela entrou em contato com a Americanas.com que prometeu uma resposta em um dia útil, mas foi tão mal atendida, que duvido muito que resolvam isso de forma rápida…

Vamos aguardar os próximos capítulos para ver se a Americanas.com resolve de forma decente esse imbróglio que eles aprontaram.

Entrando no mundo dos HDs híbridos

Depois de lotar o HD original do meu Macbook Pro e de perder a paciência com a lerdeza dele (um Toshiba de 250GB @5400RPM), resolvi procurar uma solução maior e mais ágil para o HD do meu notebook.

Quando se pensa em “mais rápido” a primeira coisa que vem à cabeça é o SSD, aquele dispositivo de memória não volátil que aumenta imensamente a performance do computador. Infelizmente, a idéia de SSD nem chega a ser cogitada por causa do preço infeliz que ele ainda custa e porque o maior SSD que se encontra para vender por aí é o de 160GB, ou seja, pouco mais da metade do espaço do meu HD que já estava lotado. (Só por curiosidade, um SSD de 160GB custa aproximadamente R$ 1.000,00)

Procurando HDs de 7200RPM para notebook, o mais barato que eu encontrei de 500GB custava R$ 230,00 (note que estou falando de 7200 RPM, os de 5400 RPM custam bem mais barato).

Olhando por curiosidade os HDs mais caros de 7200RPM me deparei com uma opção interessante chamada Seagate Momentus XT, um HD híbrido. Ele tem 4GB de SSD e um disco rígido de 500GB. O preço não chega a ser um chute no …, na canela, apesar de não ser nada barato, R$ 335,00. Mas e a performance?

Fui pesquisar mais sobre o assunto e reparei que o HD híbrido da Seagate prometia estar, no quesito performance, entre os HDs de 10.000RPM e os SSD. 😮 Espantoso… Segundo a Seagate, o Momentus XT é esperto o suficiente para fazer um buffer no SSD do que você está acessando e, com 4GB de memória não volátil, as coisas passam a ser quase instantâneas.

Em tese, o HD híbrido possui o melhor de dois mundos. Por um lado a capacidade de armazenamento barata de discos rígidos e por outro a velocidade do SSD.

Ontem comprei o tal HD da Seagate e instalei no notebook.

Desmontar o Macbook Pro para colocar o HD não foi uma tarefa tão complicada, mesmo com a lâmpada queimando e me fazendo ir para a cozinha desmontar o bicho. Antes que alguém venha me zoar, não era uma lâmpada comum, e não pude trocar na hora.

Voltando ao assunto, um punhado de parafusos mínimos segura a tampa do Mac e, lá dentro, dois outros parafusos seguram o HD ao corpo do notebook. Mais quatro parafusos servem de apoio para ele. Nada do outro mundo.

HD instalado, hora de trazer a vida de volta ao notebook, recuperando o backup do Time Machine. Em mais ou menos duas horas o notebook estava pronto para usar novamente, exatamente como eu havia deixado antes de desmontá-lo. Agora com o dobro de HD.

Para começar, o boot, que antes demorava pouco mais de 1 minuto e 30 segundos, passou a durar 30 segundos. Eu filmei o “antes”, mas como a luz queimou, acabei não filmando o “depois”. 😀 Qualquer hora dessas filmo o “depois”.

Depois de dar boot, tudo passou a ser quase instantâneo. Eu clico no ícone do Safari e, póóim!, aparece o Safari. Antes, eu clicava, contava até 4, e o Safari aparecia carregando as miniaturas dos sites len-ta-men-te. O mesmo passou a acontecer com todos os outros programas. Tudo quase instantâneo.

Resolvi escrever esse post e o título dele iria ser “Não tem dinheiro para SSD? Vai de HD híbrido!”, mas resolvi, antes de ser tão otimista, procurar os defeitos desse HD Momentus XT. Pra que? 🙁

Para minha surpresa, logo de cara encontrei um montão de gente reclamando do Momentus XT justamente no Macbook Pro! Todos com problemas de dados corrompidos quando usavam com o Snow Leopard.

Resumindo a história, esse HD regula exatamente o que é guardado no SSD e o que vai para o disco rígido. Na prática, tudo vai para o disco rígido, mas algumas coisas ficam espelhadas no SSD ou ficam lá por algum tempo antes de irem para o disco, para aumentar a performance. Quem decide o que fica no SSD é o firmware, que, na versão SD23 não funcionava de jeito nenhum com Macbook Pro com Snow Leopard (não me pergunte o porquê). Nas versões seguintes a Seagate foi resolvendo os problemas e parece que a versão atual SD26, ainda não deu problema com os Macbook Pro.

Fui correndo ver a versão do meu firmware e, para minha tranquilidade, o bicho já veio com a SD26. Menos mal.

É muito cedo para comemorar, mas, por enquanto, estou muito contente com o HD. O tempo para carregar as coisas diminuiu muitíssimo e, o que é melhor, a bateria continua aguentando as mesmas 5 ou 6 horas de antes. Achei que, por ser um HD de 7200 RPM, ele gastaria mais, mas até agora está indo muito bem. Hoje ainda não usei o computador ligado à tomada e ainda tenho 30% de carga, o que me dá umas 2h de uso.

Ainda não posso fazer um post com o título que eu ia usar antes, mas, apesar de ter lido sobre esses problemas, acho que a performance desse HD é impressionante e o preço não chega a ser proibitivo como o do SSD. Quem sabe, se ele se comportar bem nos próximos meses, eu não faça o tal post que eu iria fazer hoje? Vamos torcer que sim!

IPad para pessoas com muita experiência profissional – Entrevista exclusiva

Meu pai trabalhou durante mais de 30 anos na Telerj (atual Oi) e já há dez anos trabalha numa empresa de tecnologia e telecomunicações. Apesar de ter pouca idade, 68 atualmente, e de ter comandado os mecanismos que possibilitaram o surgimento da Internet no Brasil (video-texto, frame relay, centrais digitais), mas nunca foi um usuário de computador feliz. O computador sempre foi visto por ele como um inimigo, ou pelo menos como uma alguém inoportuno com quem temos que conviver. Há 45 dias, após muita insistência, passou a usar um IPad, e aqui vão suas impressões após um mês e meio de uso. Como você poderá notar, o IPad e outras metáforas inteligentes de interface como a proposta para o Windows 8, podem ajudar a superar a distância entre pessoas que nasceram já num ambiente digital e os mais seniors.

1) Qual a principal vantagem do IPad?

Primeiro a portabilidade, é fantastico num ambiente em que há wireless. Não conseguia levar o computador comigo para tirar dúvidas, agora quando tenho qualquer dúvida técnica levanto e levo o IPad para fazer a pergunta que preciso.

2) A interface é mais fácil?

A interface é muito mais fácil, é nitidamente mais fácil. Não conseguia fazer multitask mas agora eu consigo achar um e-mail rapidamente. O touch é muito melhor que o mouse, tinha mais dificuldade de usar o mouse e com o touch fiquei bem mais a vontade. O tempo que gastava para entrar nos serviços que tinha que fazer cortou-se pela metade. O conforto é muito maior.

3) IPad lhe deu mais autonomia?

Completamente!  Dependo muito menos das pessoas que antes incomodava diariamente, uso Voip, e-mail como nunca usei na vida. E ainda há muito espaço para aprendizado. Com o que eu já domino vejo que é muito mais fácil que um desktop. O sistema é muito mais amigável. Aumentou meu poder de ler artigos, livros e de produzir.

4) Que aplicativos você usa mais?

E-Mail, Safari, ISilo, iBooks. Algumas vezes o aplicativo do Youtube.

5) Substituiu completamente seu computador?

100%. Não tenho mais computador.

6) Comparando com a tecnologia que viu nascer na Telerj qual a comparação que faz?

Isto é outro paradigma diferente, que finalmente conseguiu aproximar o homem da máquina. É claro que o avanço tecnológico sempre me agradou muito, só não acho que o avanço deva atrapalhar o raciocínio e a concentração. Neste caso do IPad, por exemplo, o fato de ter um aplicativo em foco de cada vez, ajuda muito na concentração. É bem superior ao computador.

7) O que poderia melhorar?

Um programa de ditado em português. Sempre tive secretária e ditava as coisas, atualmente as secretárias não funcionam muito assim, portanto seria bom que houvesse um programa para ditar diretamente no IPad.

8 ) Mensagem final?

Depois de ter um IPad. Não gostaria nunca mais de ver um computador convencional na frente. O IPad é extremamente inteligente.

Americano de 82 anos usando IPad, cortesia Google Images
Americano de 82 anos usando IPad, cortesia Google Images

Um best seller em versão Android

Para comemorar os 500.000 usuários do Manobrista Maluco no iOS lançamos ontem a versão do Manobrista para o Android. A principal diferença entre as duas versões é que não usamos InApp purchase no Android e portanto o usuário Android tem todos os níveis grátis. No entanto ao contrário do usuário iOS o Android tem exibição obrigatória de anúncios.

São dois modelos comerciais distintos. No entanto o importante é que você que tem Android agora pode jogar o Manobrista Maluco.

Segue o link para o jogo no Android Marketplace: Manobrista Maluco Android

 

Espero que gostem!

 

Quando a tecnologia ajuda você mas não ao fabricante: caso Vicky Primeira Proteção

A diferença entre gripe e resfriado é grande. Gripe causa febre alta e é basicamente uma infeção pelo vírus influenza. Já resfriado é basicamente composto de sintomas nasais e na garganta e é uma infeção pelo vírus rinovírus ou coronavírus.

Em termos populares ambas deixam você ferrado, só que na gripe você pode ficar em casa e no resfriado você fica ferrado(queria dizer outra coisa) no trabalho.

Para gripe há remédio, um antiviral que custa caro e por isso é melhor você não tomar ele e ficar em casa colocando o sono em dia e lendo revistas em quadrinhos. Já para o resfriado não há nenhum antiviral eficiente, nem compensa, mas havia um remédio tecnológicamente avançado que resolvia.

O Vick Primeira Proteção era um medicamento, ou melhor um dispositivo médico que utilizava um microgel que removia a carga viral do nariz. Havia muitas evidencias que era extremamente eficaz no tratamento do resfriado. Eu posso atestar que nunca tive um resfriado em três anos que usei o Vick Primeira Proteção.

Puxa, mas que remédio fantástico, dirá você! Porque você está usando os verbos no passado? Porque faz um ano ele sumiu do mercado.

Bom, deve ser algum efeito colateral perigoso, pensará você. Não, nada deste tipo. Ele simplesmente desapareceu.

Ja havia percebido este desaparecimento e tentado contactar a Procter & Gamble. Eles disseram que foi uma decisão da empresa remover o produto!

Aí vai aqui minha teoria, já que eles não querem dar explicações. O Vick Primeira Proteção era tão bom que ele atrapalhava a venda dos outros produtos para resfriados da P&G e com isso decidiram tirar do mercado. Foi um famoso: dane-se o cliente.

Eu com meu resfriado gigante deste final de semana estou me lembrando da mãe de todos os dirigentes da P&G. Se vê que se a tecnologia atrapalha os lucros, remove-se a tecnologia e fica-se vendendo chazinho… Afinal de contas, os otários resfriados são mais lucrativos …

 

Entrevista – Desenvolvimento Mobile

Conforme prometido, segue abaixo a entrevista com Mr C., que prefere revelar apenas uma das suas iniciais.

Há quanto tempo o sr desenvolve para o setor Mobile?
Há dois anos, mas a produção neste tempo foi bem intensa.

Qual sua plataforma preferida?
Do ponto de vista de conjunto, onde incluo aí a parte financeira, o iOS é disparado o melhor. Convém notar que outras plataformas tem coisas interessantes também. Eu gostei muito do QT nos Nokia, não sei qual será o futuro da plataforma.

Quais são os pontos fortes do iOS?
Apesar de muitos reclamarem da mão de ferro que a Apple coloca naquilo que vai dentro de seus produtos, é fato que o iOS é a plataforma mais uniforme e que faz com que o desenvolvedor seja disciplinado. Eu destacaria alguns pontos: uniformidade de resoluções: 320×480 ou 768×1024 (há o retina display, mas é transparente para o desenvolvedor). Outro ponto forte são as ferramentas de desenvolvimento: o XCode 4 está muito maduro e o simulador que vem com ele é muito bom. As API da Apple são muito bem documentadas e bastante coerentes. No entanto, a principal vantagem da plataforma é a capacidade e o potencial de fazer dinheiro com a aplicação. O modelo de loja do iOS é matador.

E os pontos fracos?
O principal ponto fraco do iOS, na minha opinião, é só permitir desenvolvimento em plataformas OSX. Isto encarece o desenvolvimento e dificulta a contratação de profissionais que já tenham sido expostos ao XCode. Outro ponto fraco é o balanço entre a loja ser monitorada (que é ótimo) e o tempo de avaliação dos aplicativos (que não poucas vezes chega a 8 dias). O uso de Objective-C pode ser também uma barreira, no entanto minha dica é: insista no Objective-C que você acabará vendo que ele é melhor que parece.

E o Android? Poderia nos falar de pontos fortes e fracos?
O Android é a plataforma mais exasperante que já vi em toda a minha vida. O Inferno de Dante deveria ter um círculo para a combinação Eclipse + Java + Fragmentação. Imagine desenvolver um aplicativo ou um jogo, tendo que levar em conta resoluções 320×240, 240×400, 320×480, 800×480, 1024×768, além disso cada aparelho pode ter tela resistiva ou capacitiva, para piorar a sopa há pessoas rodando Android 1.5 até 3.0. Há coisas que precisariam ser refeitas do zero para que o Android seja developer friendly.
Pode parecer implicância minha, reconheço que tenho bastante reserva para com a plataforma, mas a loja Android Market está mais próxima de um sexshop que de uma loja séria de aplicativos. O fato de você não ter nenhum tipo de controle prévio na loja faz com que aberrações abundem por lá.

E um ponto positivo do Android?
(risos) De fato só falei mal dele. Eu diria que a integração com os serviços Google pode ser útil para os desenvolvedores.

Alguma outra plataforma merece destaque?
Eu nunca deixaria de fora o Blackberry. É uma plataforma que tem usuários com muito poder aquisitivo e isto é interessante, mesmo considerando que compartilha alguns dos problemas do Android. Outra plataforma promissora é a do Windows Phone 7. A Microsoft é, na minha opinião, a que tem as melhores ferramentas de desenvolvimento.

Você fala do Visual Studio?
Sim. O Visual Studio é a IDE mais madura e mais poderosa que conheço. Gosto muito do Visual Studio. Pena que Steve Jobs não permite desenvolvimento iOS no Visual Studio (risos)

 

Entrevista: “O Android é a pior plataforma para desenvolver”

Amanhã começaremos uma série entrevistando Mr. C, considerando um dos mais experientes desenvolvedores mobile do mundo que numa entrevista exclusiva compara o desenvolvimento iOS,Android,Blackberry e Windows Phone 7.

Algumas frases

  • Objective-C melhor que parece
  • Visual Studio é a melhor IDE do Mercado
  • Há coisas no Android que precisariam ser totalmente refeitas para serem usáveis.
  • Não creio que o Blackberry esteja morrendo

Imperdível!