Nokia N8: impressões da bateria após uma semana de uso

Após uma semana deu para ter uma ideia melhor do aparelho. Em especial, a bateria era algo que me incomodava por seguir a linha das baterias que não são removíveis facilmente. No N8 você precisa retirar dois parafusos para isso. Logo, não foi feito para o usuário ficar tirando.

Durante a semana, fiz três testes diferentes.

1) No primeiro, tudo ligado sem economia e uso intenso. Foi o dia que deixei o N8 na mão de quem quisesse ver. Fizeram a festa com ele: fotos, vídeos, mapas, Internet, etc. Logo, a bateria foi embora em um dia.

2) O segundo teste foi deixar o modo de economia ligado enquanto seguia com minha rotina normal. Para isso, aperte o botão power e escolha “Ativar modo de economia de energia”. Dá para perceber que ele desliga o 3G, reduz o brilho da tela, some com o screen saver, reduz os tempos de bloqueio de tela e desliga o bluetooth. Não sei se ele faz outras coisas, como reduzir a velocidade do processador, mas acredito que sim. Segui com meu uso normal, que envolve navegações esporádicas, twitter intenso, algumas chamadas, bluetooth no carro para streaming de áudio e hands-free (ligava ao entrar e desligava ao sair, dando cerca de uma hora e meia, no total), escutas música durante o dia (deve ter somado umas 3a 4h) e muitos SMSs. Também fiz o que já era hábito com meus Nokias: desligar na hora de dormir. Isto me deu dois dias e meio de bateria. Fico pensando que poderia ser melhor se eu eliminasse o streaming via bluetooth mas isto foge do meu uso normal e do requisito “um aparelho pra tudo”.

3) Finalmente, passei pro teste “esqueça que a bateria existe”. Antes de mais nada, este é o meu modo default. Como o aparelho carrega via USB, volta e meia você acaba carregando um pouco a bateria. Além disso, se a bateria dura pelo menos um dia em uso intenso, sempre se tem tempo para carregar de noite. A demanda do dia irá decidir a recarga, não o contrário. Deixei em modo de economia ligado quase sempre mas mudava ao querer velocidade de acesso a Internet via 3G.  Não gosto de ficar pensando em bateria, prefiro ter os meios de carregar sempre a mão quando for necessário (carregador no carro, via USB e o de parede). Neste modo, vi de tudo, desde a bateria reduzir à metade após dois vídeos via HDMI para a TV, não cair nem um pontinho ao final de um dia tranquilo, o transmissor de FM sumir com um quarto dela após uma hora de uso e depois a USB recuperar um pouco disso ao carregar por alguns minutos enquanto eu descarregava mais músicas. Enfim, dá pra ser menos “certinho” com a bateria, até porque quando os pontinhos começam a cair eles não vão de uma vez. Sei que não é a forma melhor de usar uma bateria, mas não tenho paciência pra ficar regrando isso sempre.

Dúvidas, mandem que eu respondo.

32 comentários em “Nokia N8: impressões da bateria após uma semana de uso”