Resolução Anatel 272 para Serviço Comunicação Multimídia

Nos últimos dias, revoltado pela cobertura deficiente (entenda, ridícula) da NET e da Telefônica na minha cidade (Sertãozinho/SP), comecei a procurar pelas resoluções da Anatel ao dar a concessão para as operadoras. Veja que interessante o artigo 45 do anexo “Resolução Anatel 272 para Serviço Comunicação Multimídia“:

Art. 45. O serviço deve ser prestado em condições não discriminatórias a todos os assinantes localizados na área de prestação especificada no termo de autorização.

E aí, a gente é idiota ou não ?

Concorrência, a única solução.

Comments on this entry are closed.

  • Pedro Paulo

    O grande problema é que as Agências reguladoras com o aparelhamento que aconteceu nos últimos oito tristes anos viraram um espectro….

  • Mario

    Marcelo, como trabalho há muitos anos em operadoras de telecomunicações, incluindo uma que foi citada em seu comentário, devemos entender que há questões comerciais. Os investimentos em tecnologia são muito elevados (na casa dos milhões) e uma empresa privada tem que dar lucro para atrair investimentos. Este é princípio do capitalismo moderno.
    Entendo que há muito desrespeito das operadoras em muitos quesitos importantes, porém não será uma resolução da ANATEL que proporcionará banda larga para os quatro cantos do país, tanto é que o governo federal está ressuscitando a Telebrás para que isso acontece. As operadoras investirão sempre buscando retorno comercial, não há como gastar milhões em rede para ter apenas alguns poucos assinantes. O retorno não pagaria o investimento.
    Até e parabéns pelo blog de vocês.

  • Não é só em Sertãozinho/SP que acontece isso… mesmo aqui em São Paulo muitas das opções de pacotes oferecidas pelas operadoras ficam restritas somente a 3 ou 4 bairros (os nobres claro)…

  • A ANATEL assim como outros órgãos reguladores do Brasil não funcionam, as teles fazem o que bem entendem, tem o disparate de oferecer em contrato apenas 10% da banda contratada, absurdo, como bem disse a @garotasemfio e se pagassemos somente 10% do valor contratado? eles aceitariam?
    Ficamos a mercê de serviços de péssima qualidade e preços exorbitantes, o preço do pacote de dados 3g pra celular é muito caro, os pacotes de minutos também e a qualidade do sinal e ligações nem se fala.
    até quando?

  • marcelobarros

    Oi @Mario, obrigado pelos comentários.

    Eu entendo perfeitamente isto. Mas gostaria que a empresa desse uma olhada no bairro para ver o tanto de antena de rádio que tem. Cada casa tem uma, pagando caro por um serviço mediano, longe de banda larga e muitas vezes pirata. Será que ela analisou o potencial do bairro mesmo ?

    Ou seja, investem o mínimo e não se preocupam mais em analisar a situação. A instalação de 3G no país é outra piada de mau gosto. Colocam uma antena 3G em algum canto nobre e reportam a cidade como com cobertura 3G. Isto não é sério, onde fica o acompanhamento da Anatel ? Onde está o parâmetro que cita um número objetivo para a cobertura mínima ?

    Precisamos de concorrência real, não fictícia como ficar entre o 3G da Vivo ou speedy, ambos da mesma empresa. Ou Claro e embratel, se preferir.
    Eu não acredito na proposta do governo, cheira engodo político em ano de eleição. Esta democratização da banda larga não acontecerá tão cedo, não enquanto os atuais assinantes deixarem a receita das operadoras confortáveis e elas não precisarem de mais injeção de dinheiro.

    E, permita-me discordar do seu discurso neste nosso espaço democrático, mas Internet e luz já estão quase no mesmo patamar, não pode ser tratado da forma como você falou, é mais próximo de infraestrutura básica do que se imagina, não é serviço de luxo para a classe A.

  • marcelobarros

    @Erlon

    Quando o 3G passa a ser a solução para banda larga para os excluídos eu fico desanimado. Ah, aqui nos EUA também tem os 10%, estavam comentando hoje no jantar, mas o preço é muito mais baixo por uma taxa bem mais alta.

    Marcelo

    PS: moro numa cidade com 100 mil habitantes e uma central telefônica para o speedy. Como o raio do serviço ADSL é de 5km no máximo, a conta é simples para ver que não atinge muitos lugares. Até mesmo locais “bons” … piada.

  • Mario

    Marcelo,
    Entendo bem seu descontentamento. Até porque mesmo trabalhando em operadora de telecomunicações, sofro do mesmo mal de todos os usuários de serviços banda largo no Brasil. Mas infelizmente esta realidade é a mesma em todos os países em desenvolvimento. Não há investimentos em massa pois não há retorno. A conta não fecha e sei o que estou falando.
    Os problemas vão desde os impostos e taxas até a falta de incentivo do governo. Ou você acha que as operadoras não gostariam de participar desta democratização da banda larga?
    Citando a luz de sua réplica. O programa de universalização da eletricidade, chamado de luz para todos, é bancada por todos os outros usuários de eletricidade. Vem na nossa conta todos os meses. Se houvesse um programa deste tipo para banda larga, os consumidores pagariam a conta, que já é alta.
    Para concluir, está há pelo menos 4 anos no Ministério da Comunicações o projeto de WI-MAX para o Brasil sendo apreciado pelos assessores do Ministro. Este seria uma solução compatível entre investimento e retorno, porém alguns lobistas não permitem a implantação no Brasil. Uma pena para quem não está nos grandes centros e, como você, sofrem para ter um acesso digno a algo tão essencial como a internet.
    Não discordo de você, apenas quero colocar a visão de quem está do outro lado desta linha.
    Att. Mario.

  • Pedro Paulo

    @mario concordo com você quando diz que o Governo tem muita culpa nesta história. A história vai mostrar que estes últimos 8 anos foram desastrosos para o país e que houve uma desmoralização das instituições.

    Mas você há de convir que as empresas de Telecom se aproveitaram de que a Anatel virou um espectro para deitar e rolar. E posso dizer que há muita incompetência nas empresas de telecom, acho que os que conhecemos elas por dentro poderíamos contar casos de arrepiar os cabelos dos não “iniciados”