Um comentário que vale um post

Um leitor, o Eduardo que tem o blog
evolubit.com.br fez o comentário que vai abaixo no post “grandes empresas, pequenos programadores” – muito bom argumento que comento ainda hoje.


Cara, assim como o TIRANOREX te informou que isso é normal eu te digo que tanto é normal como o exemplo batido das faculdades de informática (sou formado em Sistemas de Informação) é péssimo para explicar o sentido da transação.

Eu já trabalhei em uma empresa que cria software para essas máquinas e o que os “gersons” conseguem fazer é inimaginável. Olha esse caso que eu vou contar e tu vais entender por que mesmo com um erro na entrega das notas o valor deve ser debitado.

A máquina possui as seguinte peças (que são importantes para esse caso):
– Os cartuchos (onde ficam separadas uma pilha de notas, contadas. E cada cartucho possui notas de somente um valor). Na hora que a máquina é carregada o software (que possui um backoffice) solicita que tal quantidade de quais notas seja inserida e o número deve bater com o cadastro no banco de dados central do banco)
– O selecionador de notas (que junta as notas que vêm de cada cartucho e as conta. Alguns equipamentos possuem identificação óptica através daquele conjunto de símbolos que há nas notas – no canto esquerdo da face da cédula)
– O dispenser, um equipamento externo que disponibiliza as notas.

Bom, diminuindo a explicação:
Se o erro acontece no cartucho (notas grudadas por exemplo), ou no selecionador (a contagem não condiz com o valor) essas notas são descartadas (há um local dentro da máquina que recebe esses valores e um ticket é registrado, a máquina pode tentar novamente ou até mesmo bloquear a opção de saques. Agora, se o erro é no dispenser, como por exemplo o cliente esquecer de pegar o dinheiro (é, acontece) a máquina recolhe as notas e conclui a transação (bancária).

Parece burro né? Pois é, mas já teve gente que faz o seguinte: Como a máquina identifica apenas que “há” ou não notas no dispenser, o cara manda sacar R$200, aí a máquina disponibiliza 2 notas de R$50, 3 notas de R$20 e 4 notas de R$10, o cara cuidadosamente retira as notas centrais, a máquina recolhe o dinheiro por que ele não foi pego e se não fosse debitado o cara repetia essa operação até terminar o dinheiro da máquina.

Hoje se tu tentar alegar que pediu R$200 e não veio os caras vão identificar o tíquete, conferir nas câmeras e te devolver só os R$60, isso se não acionarem as autoridades.

É meu amigo, duvido que tu tinhas pensado nisso.

Comments on this entry are closed.