Criando um computador do zero

Bem, quase do zero, do nada não é possível criar nada, já dizia Aristóteles.

Em 1996, no quarto ano de engenharia da computação na PUC-Rio havia uma disciplina chamada projeto lógico. Ministrada pelo Prof. Marco Aurélio Pacheco, esta disciplina tinha como prova final a construção de um microprocessador utilizando circuitos integrados discretos (TTL).

Construir um microprocessador, usando fios para ligar os componentes TTL é algo extremamente trabalhoso mas com um poder didático impressionante. Você após concluir esta tarefa, se torna íntimo da máquina, começa a chamá-la de você, conhece as entranhas dela e com isso se torna um melhor engenheiro.

Enquanto lembrava deste episódio que se passou há pouco menos de 15 anos, procurei no Google sobre pessoas que disponibilizaram seus resultados na Internet. Encontrei vários projetos interessantes que coloco aqui para caso algum de vocês tenha interesse em se aventurar (eu recomendo!).

Indico dois sites:

http://wiki.bennington.edu/mediawiki/index.php/LM3000

http://www.homebrewcpu.com/

Comments on this entry are closed.

  • Silva

    O pessoal da ufrgs tinha uma tralha pra testar arquiteturas de CPU. Hoje em dia com o preço dos CIs TTLs lá em baixo, só é preciso tempo e disposição pra fazer isso. Mas parece que o pessoal prefere ir pro bar do que estudar/pesquisar. Também, no Brasil atual, vale mais a pena ser vagabundo ou advogado. Mais ainda, as universidades atuais estão cheia de politicos safados, sociologos e outros bichos afim, ao invés de professores competentes.