Review do 5530 Xpress Music – Parte 2

Amanhã fará um mês que comprei o Nokia 5530 Xpress Music e, durante esse tempo, deu para formar uma opinião mais madura sobre o aparelho.

Como vocês devem lembrar da Parte 1 do Review, o 5530 é o Symbian com tela de toque mais barato encontrado no mercado brasileiro. Mais barato até que o E63, que é o Symbian entry-level da série executiva. Por esse motivo, acredito que é um aparelho que vale a pena pelo que oferece.

Vou falar dos pontos fortes e dos defeitos que encontrei nesse mês de uso. Só lembrando que o aparelho foi atualizado da versão 10 para a versão 20 do firmware, o qual tem poucas mudanças notáveis, como a melhora do scroll em locais de texto e melhora na estabilidade do sistema.

Vamos começar falando da parte boa do aparelho:

  • O brilho e o contraste da tela são bons. Inclusive só preciso colocar no máximo se estiver no meio do rua, com sol forte.
  • A tela responde muito bem aos toques! Ela é pequena, com 2,9″, mas só tive problema com um programa, que colocou um botão de menu minúsculo.

Quem faz um menu tão pequeno?

  • Acima da tela, existe um botão para acesso rápido ao Media Player, Galeria, Browser, Real Player e Email. Eles aparecem como uma barra de opções. Muito útil!

  • Pequeno, fino e leve. Por causa disso, ele é bem confortável de segurar na mão e colocar no bolso. Nem parece que está lá e também é bem elegante.
    

Comparação de tamanho do 5530 com o N97.

  • Alto-falantes são bons. Tem também entrada para fone de ouvido comum (excelente, já que os fones que vêm com o aparelho não me agradaram). O Player de música me agradou. Ainda bem, pois o aparelho é feito para música! 😀
  • Acelerômetro. Sei que todo aparelho novo tem isso, mas é demais. Instalei uma centena de programas que usam o acelerômetro para os mais diversos usos e gostei muito. O aparelho percebe que você tirou a foto em pé e já gira para você, por exemplo.
  • A bateria é de 1000mAh, mas dura bastante. Um dia acordei atrasado, e percebi que o marcador mostrava apenas 2/7 da bateria. Não dava tempo de carregar e já eram 8hs da manhã, então saí assim mesmo. Nesse dia precisei fazer várias ligações, ouvi umas músicas, mostrei um vídeo a um amigo, transferi coisas por bluetooth e fiquei brincando com o acelerômetro :)… Quando eu estava voltando pra casa, umas 15hs, a bateria finalmente acabou.
    Eu acredito que a bateria dure bastante porque o aparelho não tem 3G e uso o botão de travar quando vou colocar no bolso, fazendo com que a tela sempre fique apagada.
  • Botão para travar e destravar. Isso é demais! Muito prático e que faz uma diferença enorme quando você se acostuma… Nunca mais terei que apertar “Menu” e “asterisco” para isso!

Agora a parte ruim, ou menos boa, como queiram:

  • A câmera de 3.2MPx é a grande decepção. Quando o lugar está mal iluminado, ela aumenta a sensibilidade (ISO) e deixa tudo granulado. Ao testar lado-a-lado com a câmera de 2MPx do E63 meu irmão e dono desse blog, vi que ele perde feio. Os dois aparelhos têm flash de apenas um LED. Acho que eles poderiam ter melhorado o software de captura com o update de firmware.

Imagens em lugar com pouca iluminação. Clique para ver no tamanho original:
Pelos meta-dados das imagens, ISO 200, ISO 600, ISO 400 e ISO 100, respectivamente.

Pena que o Flash só funciona bem para bem perto. Aqui já vemos bastante granulação na imagem:

Com uma iluminação boa, as fotos ficam um pouco melhores:

   

Mas, somente em lugares muito iluminados, as fotos ficam boas:

         

       

       

  • Quando comprei, achei estranho a bateria balançar um pouco. Isso não é um grande problema, pois os contatos metálicos ficam para dentro da bateria, fazendo com que não solte. Mas, por causa disso, recortei um minúsculo pedaço de papel e coloquei na parte de baixo da bateria e resolvi o problema dela ficar frouxa. A construção do aparelho, em geral, é razoável.
  • A parte da frente do aparelho é um imã de impressões digitais!! O jeito é ter um paninho para limpar, mas toda hora ele fica com aquelas marcas de dedos típicas de um aparelho touchscreen.
  • Falta de rolagem cinética no menu principal! Todo o resto do aparelho conta com isso, que, por um lado é muito bom, mas logo no menu eles deixaram de colocar.
  • Falta de 3G e GPS pode ser um ponto contra para muita gente. Pelo preço dele, seria impossível incluir um GPS, mas um 3G mono-banda não seria nada mal se um dia eu quisesse ter plano de dados.

Fora isso, o 5530 Xpress Music é um grande pequeno aparelho que faz quase tudo que promete, sendo bem barato. Inclusive, vi que na loja da operadora onde comprei o meu, o aparelho já custa 80 reais a menos do preço que paguei.

Não esperem ver uma caixa cheia de acessórios, que, por esse preço, eles economizam até no cabo USB.

Então é isso, pessoal. Aproveito para desejar um Feliz Natal e ótimo Ano Novo à todos os leitores do Blog!

42 comentários em “Review do 5530 Xpress Music – Parte 2”