Mudar o idioma de teclados QWERTY é uma boa?

Provavelmente esse deve ser o último post de 2009, e como Papai Noel deve ter dado muitos celulares com teclado QWERTY nesse Natal, resolvi falar sobre o problema da atualização de firmware nesses aparelhos. Particularmente sobre a mudança de idioma.

A mudança de idioma nos celulares com teclado numérico ou totalmente touch através da troca do product code é um processo indolor e que em todos os casos resolve o problema de pessoas que compraram seus aparelhos no exterior e querem usar seus celulares em Português do Brasil. (curiosamente Dubai (EAU), Japão, China e EUA são os que mais aparecem aqui com dúvidas)

No caso dos teclados QWERTY, os teclados com todas as letras, o problema é bem mais complicado, já que o idioma do celular acaba ficando atrelado ao layout do aparelho.

Os teclados QWERTY (ou seja, onde a primeira linha de teclas começa com essa sequência de letras) são o mais comuns. Existem também teclados QWERTZ, AZERTY, DVORAK, dentre outros. O que interessa é que, mesmo que o teclado seja QWERTY, existem centenas de variações de teclados e cada país tem a sua variação. Até aparelhos comprados em Portugal têm layout de teclado diferente do nosso do Brasil.

Por causa disso, mudar o product code de um celular comprado em Dubai, por exemplo, para o português do Brasil, bagunça todo o layout do teclado do aparelho, tornando a digitação um sofrimento. Com isso, uma atividade que deveria ser muito mais fácil com um teclado completo, acaba sendo muito mais complicada.

Ainda não conheço nenhuma forma de trocar o idioma do celular sem tocar o layout do teclado, por isso, a dica que eu deixo é a seguinte: Se você comprou um celular com teclado QWERTY (N97, N97 mini, E90, E75, E72, E71, E70, E63, E62, E61 e E61i) fora do Brasil, não mude o idioma dele. Se você está querendo comprar um celular QWERTY fora do Brasil, pense duas vezes. Se você não sabe o idioma do celular, não compre. É melhor usar o celular no idioma de origem, pelo menos por enquanto.

[Breaking News] – Quebrada a criptografia do GSM

Como se sabe no regime policial que foi instalado no Brasil, não de direito, mas de fato, as chamadas telefônicas nem sempre tem a garantia da confidêncialidade.

No entanto, ao contrário do que muita gente acredita, esta confidêncialidade é quebrada tento acesso físico a circuitos dentro da operadora e não interceptando sua comunicação com a torre de celular.

Desde a criação do GSM toda a comunicação entre o terminal (aparelho celular) e a estação rádio base (ERB) é totalmente criptografado.

Ontem no CCC (Chaos Comunication Congress) o pesquisador de segurança alemão, vulgo hacker, Karsten Nohl, afirmou ter um algoritmo para quebrar a criptografia GSM e que ia distribuir a partir de hoje o próprio.

Portanto ao que tudo indica além de sermos espionados pela ABIN, Polícia Federal e sus muchachos, agora podemos ser escutados por outros bandidos, pelo detetive contratado pela sogra, pelos concorrentes, etc.

O 3G é imune ao ataque, portanto quando quiser privacidade na sua chamada, mude seu aparelho Nokia para UMTS no menu Ferramentas -> Configurações -> Telefone -> Rede -> Modo de Rede

Veja sua partição do Linux no Windows

Outra coisa que todo mundo que tem Windows e Linux no mesmo computador precisa e procura fazer é ter acesso (ler e escrever) aos dados da partição Linux no Windows e Vice versa.

Quando você está no Linux, montar uma partição FAT32 ou NTFS é muito simples e todo mundo consegue fazer sem instalar nada. O inverso não é tão simples assim.

O Windows até hoje não tem suporte nativo a partições Ext2 ou Ext3, e, por isso, é preciso instalar um programinha que dá acesso a partições do Linux no Windows e cria um drive a mais no seu computador.

A solução para isso é o Ext2IFS, um programinha hiper simples e gratuito. Depois de instalado você verá um (ou mais) drives extras no seu Windows e poderá acessá-los normalmente, conforme as figuras abaixo.

ext2-1

ext2-2

Para baixar o programa, clique aqui.

Ele funciona sem nenhuma “malandragem” nos Windows NT4.0, 2000, XP, 2003, Vista e 2008, tanto nas versões de 32 bits quanto nas de 64 bits.

Para que ele funcione com o Windows 7, é preciso fingir que o Windows é o Vista, clicando com o botão direito no arquivo de instalação e escolhendo o modo de compatibilidade do Windows Vista, conforme a figura abaixo.

compatibilidade

Boa sorte!

O E72 deve estar próximo

Procurando novidades sobre o lançamento do E72 aqui na terra da pizza (não estou falando da Itália, estou falando do Brasil mesmo), não achei nada concreto sobre datas ou operadoras, mas… Eu achei a lista de product codes dos E72 brasileiros já disponíveis, o que pode nos dar algumas pistas!

0584212: BRAZIL_QW_BLACK
0584226: BRAZIL_QW_BROWN
0586711: BRAZIL_QW_GREY
0586714: BRAZIL_QW_WHITE
0593360: (NDB) BR Metal Grey V1

Isso quer dizer que já existem 7 firmwares para o E72 brasileiro e que ele virá nas cores preto, marrom, cinza, e branco.

Se você ainda não quebrou seu porquinho nesse Natal, espere um pouquinho mais para quebrá-lo em breve! 😀

O X6 vem aí, lá lá lá lá lá…

Acabei de ler no blog Picolé Parcelado que a ANATEL homologou o X6 para o mercado brasileiro.

Esse celular, se não for absurdamente caro, será, na minha humilde opinião, o maior sucesso! Tem tudo para dar certo: Tela touch Capacitiva com proteção anti-risco, Comes With Music (1 ano de músicas grátis), 32GB de Memória interna, Câmera de 5MPx com lentes CarlZeiss, GPS, Acelerômetro, e por aí vai.

Maiores informações lá no Picolé Parcelado. Dêem um pulinho lá!

Recuperando o Grub 2 no Ubuntu 9.10

Uma coisa que já tive que fazer algumas vezes e que sempre me esqueço de anotar como faz é a recuperação do bootloader grub 2 do Ubuntu, depois de instalar outro sistema operacional em outra partição do HD.

Ontem criei coragem e troquei meu terrível Windows Vista Professional 32 bits pelo sensacional Windows 7 Professional 64 bits. Depois de instalado, o Windows sobrescreve a MBR do HD como se só ele estivesse instalado lá e o grub acaba indo para o céu dos bootloaders.

Para recuperar o grub, existem várias maneiras, mas algumas delas não funcionaram comigo. Deixo abaixo a maneira mais simples que funcionou comigo.

Antes de mais nada você vai precisar do disco de instalação do seu Ubuntu. Se, assim como eu, você instalou o Ubuntu lá no passado e veio atualizando para as versões mais recentes, provavelmente você não terá esse disco. Isso vale para quem perdeu o disco também.

Neste caso, comece o tutorial no passo 1 logo abaixo. Caso você seja um sortudo e tenha o disco que usou para instalar seu Ubuntu, continue no passo 2.

Passo 1) Obtendo a instalação do Ubuntu 9.10 (32bits ou 64 bits)

Se você tem à mão uma mídia virgem de CD-R ou CD-RW, pode baixar o ISO do Ubuntu no site deles e gravar na mídia. O endereço para isso é o http://www.ubuntu.com/getubuntu/download. Lembre-se de baixar a mesma versão que está instalada no seu computador, isto é, se você instalou a de 64 bits baixe o ISO de 64 bits, ou vice-versa para 32 bits.

Caso não tenha uma mídia de CD ou DVD à mão ou não tenha um gravador de CD, a solução é arranjar um Pendrive de 1GB ou mais e baixar o programa UNetbootin, que baixa automagicamente a imagem e monta um pendrive “bootável” com três cliques.

Para baixar o UNetbootin, clique aqui. Ele é totalmente gratuito e simples de usar. Depois de baixá-lo, execute o programa siga os passos abaixo:

unetbootin

Escolha a versão que você tem instalada e sempre o Live. No meu caso era 9.10 64 bits
Escolha a versão que você tem instalada. No meu caso era 9.10 64 bits

Depois disso, escolha o seu drive USB do pendrive (meu caso F:) e clique em OK. O programa faz tudo sozinho. (Lembre-se que o pendrive será formatado e você perderá tudo que está nele. Se não quiser perder o conteúdo do pendrive, faça uma cópia antes).

Dependendo da sua conexão, o processo desse passo deve demorar de uma a duas horas. Vá fazer alguma coisa de útil, como lavar a louça para sua esposa ou mãe ou levar o lixo para a lixeira ou ler um capítulo de um livro, etc.

Passo 2) Executando o LiveCD do Ubuntu:

Reinicie o seu computador com o CD ou o Pendrive instalados e selecione na sua BIOS um dos dois para dar boot (inicializar).

Depois que a instalação do Ubuntu iniciar, escolha um idioma dentre as dezenas de idiomas disponíveis (de preferência um idioma que você saiba) e depois escolha a primeira opção que diz alguma coisa como “Executar o Ubuntu sem modificar o computador”.

Isso executará o Ubuntu em modo LiveCD, isto é, sem alterar nenhuma partição. Com isso podemos passar para o passo 3.

Passo 3) Recuperar o Grub

Abra um terminal (Aplicativos->Acessórios->Terminal) e digite os comandos a seguir. Se for copiar e colar em algum lugar, só copie o que não estiver em negrito. O que está em negrito é o prompt do terminal.

[ubuntu]$ sudo fdisk -l

Esse comando exibirá a lista de partições disponíveis, com o device respectivo. No meu caso, minha partição Linux estava em /dev/sda5. No seu caso pode estar com outro nome. Você vai ter que procurar esse dado e substituir /dev/sda5 pela partição do seu caso.

Depois de identificada a partição, monte-a na pasta /mnt com o seguinte comando:

[ubuntu]$ sudo mount /dev/sda5 /mnt
(lembre-se de trocar sda5 pela sua partição)

Se você tem o /boot em outra partição (exemplo: /dev/sda6), monte-a também usando o comando abaixo:

[ubuntu]$ sudo mount /dev/sda6 /mnt/boot
(Caso você não tenha o /boot em outra partição, pule esse passo)

Agora monte o resto dos devices com o comando abaixo:

[ubuntu]$ sudo mount --bind /dev /mnt/dev

Agora precisamos mudar a raiz para usar o grub-install. Execute o código abaixo:

[ubuntu]$ sudo chroot /mnt

Depois disso, o prompt vai mudar e você já vai estar executando comandos como root e não vai mais precisar usar o sudo, como abaixo:

[root]#

Depois disso, execute o seguinte comando para restaurar o seu grub original:

[root]# grub-install /dev/sda

Pronto! Agora é só desmontar tudo e reiniciar o computador:

[root]# exit
[ubuntu]$ umount /mnt/dev
[ubuntu]$ umount /mnt
[ubuntu]$ sudo shutdown -r now

Não se esqueça de retirar o CD ou o pendrive para não entrar novamente no LiveCD. Depois disso, quando o computador reiniciar, você verá seu bom e velho grub.

O passo 3 foi adaptado do tutorial em inglês do Linuxers.

Mapeando acentos no N900 com teclado US

Se tinha algo que estava me incomodando no N900 era a digitação de acentos (o meu modelo segue o teclado americano). Perde-se um tempo enorme já que é preciso exibir a janela de símbolos e escolher o acento desejado através de um toque na tela. Depois, voltar para o teclado e digitar a letra a ser acentuada.

Pensei que o xmodmap resolveria o problema mas vi no fórum do Maemo que ele não está funcionando adequadamente ainda. A estratégia alternativa é via xkb, alterando o mapeamento do teclado. O melhor link que achei sobre o assunto foi o blog The world won’t listen. No fundo, é preciso alterar o arquivo /usr/share/X11/xkb/symbols/nokia_vndr/rx-51, indicando as alternativas de mapeamento.

No meu caso, eu usei a tecla de função (shift azul) para acessar os acentos grave, agudo, circunflexo e til nas teclas de direção up, down, left e right. Também aproveitei para mapear o cedilha na combinação shift azul + backspace, como pode ser visto nesta montagem perfeita:

Abaixo, o trecho alterado, que fica bem no final do arquivo. As quatro linhas comentadas são as originais, seguidas pelas cinco linhas novas. Eu usei o vi para fazer a edição, direto no aparelho, como super usuário (root). Veja como virar root neste post e use o leafpad caso não saiba usar o vi. Todo cuidado é pouco e não me responsabilizo por qualquer dano. Tudo por sua conta e risco, naturalmente. Fazer uma cópia do arquivo original é sempre uma boa idéia. O arquivo completo, compactado, pode ser baixado daqui.

    //key 	{ type[Group1] = "ONE_LEVEL", symbols[Group1] = [	Up	] };
    //key 	{ type[Group1] = "ONE_LEVEL", symbols[Group1] = [	Left	] };
    //key 	{ type[Group1] = "ONE_LEVEL", symbols[Group1] = [	Down	] };
    //key 	{ type[Group1] = "ONE_LEVEL", symbols[Group1] = [	Right	] };
    key 	{ type[Group1] = "PC_FN_LEVEL2", symbols[Group1] = [	Up,dead_acute	] };
    key 	{ type[Group1] = "PC_FN_LEVEL2", symbols[Group1] = [	Left,dead_circumflex	] };
    key 	{ type[Group1] = "PC_FN_LEVEL2", symbols[Group1] = [	Down,dead_grave	] };
    key 	{ type[Group1] = "PC_FN_LEVEL2", symbols[Group1] = [	Right,dead_tilde	] };
    key 	{ type[Group1] = "PC_FN_LEVEL2", symbols[Group1] = [	BackSpace,ccedilla	] };

Parece estranho, mas você acostuma rapidinho. Enquanto não temos um teclado brasileiro no N900, acredito que a dica pode ser útil para os que estão importando o aparelho.

Review do 5530 Xpress Music – Parte 2

Amanhã fará um mês que comprei o Nokia 5530 Xpress Music e, durante esse tempo, deu para formar uma opinião mais madura sobre o aparelho.

Como vocês devem lembrar da Parte 1 do Review, o 5530 é o Symbian com tela de toque mais barato encontrado no mercado brasileiro. Mais barato até que o E63, que é o Symbian entry-level da série executiva. Por esse motivo, acredito que é um aparelho que vale a pena pelo que oferece.

Vou falar dos pontos fortes e dos defeitos que encontrei nesse mês de uso. Só lembrando que o aparelho foi atualizado da versão 10 para a versão 20 do firmware, o qual tem poucas mudanças notáveis, como a melhora do scroll em locais de texto e melhora na estabilidade do sistema.

Vamos começar falando da parte boa do aparelho:

  • O brilho e o contraste da tela são bons. Inclusive só preciso colocar no máximo se estiver no meio do rua, com sol forte.
  • A tela responde muito bem aos toques! Ela é pequena, com 2,9″, mas só tive problema com um programa, que colocou um botão de menu minúsculo.

Quem faz um menu tão pequeno?

  • Acima da tela, existe um botão para acesso rápido ao Media Player, Galeria, Browser, Real Player e Email. Eles aparecem como uma barra de opções. Muito útil!

  • Pequeno, fino e leve. Por causa disso, ele é bem confortável de segurar na mão e colocar no bolso. Nem parece que está lá e também é bem elegante.
    

Comparação de tamanho do 5530 com o N97.

  • Alto-falantes são bons. Tem também entrada para fone de ouvido comum (excelente, já que os fones que vêm com o aparelho não me agradaram). O Player de música me agradou. Ainda bem, pois o aparelho é feito para música! 😀
  • Acelerômetro. Sei que todo aparelho novo tem isso, mas é demais. Instalei uma centena de programas que usam o acelerômetro para os mais diversos usos e gostei muito. O aparelho percebe que você tirou a foto em pé e já gira para você, por exemplo.
  • A bateria é de 1000mAh, mas dura bastante. Um dia acordei atrasado, e percebi que o marcador mostrava apenas 2/7 da bateria. Não dava tempo de carregar e já eram 8hs da manhã, então saí assim mesmo. Nesse dia precisei fazer várias ligações, ouvi umas músicas, mostrei um vídeo a um amigo, transferi coisas por bluetooth e fiquei brincando com o acelerômetro :)… Quando eu estava voltando pra casa, umas 15hs, a bateria finalmente acabou.
    Eu acredito que a bateria dure bastante porque o aparelho não tem 3G e uso o botão de travar quando vou colocar no bolso, fazendo com que a tela sempre fique apagada.
  • Botão para travar e destravar. Isso é demais! Muito prático e que faz uma diferença enorme quando você se acostuma… Nunca mais terei que apertar “Menu” e “asterisco” para isso!

Agora a parte ruim, ou menos boa, como queiram:

  • A câmera de 3.2MPx é a grande decepção. Quando o lugar está mal iluminado, ela aumenta a sensibilidade (ISO) e deixa tudo granulado. Ao testar lado-a-lado com a câmera de 2MPx do E63 meu irmão e dono desse blog, vi que ele perde feio. Os dois aparelhos têm flash de apenas um LED. Acho que eles poderiam ter melhorado o software de captura com o update de firmware.

Imagens em lugar com pouca iluminação. Clique para ver no tamanho original:
Pelos meta-dados das imagens, ISO 200, ISO 600, ISO 400 e ISO 100, respectivamente.

Pena que o Flash só funciona bem para bem perto. Aqui já vemos bastante granulação na imagem:

Com uma iluminação boa, as fotos ficam um pouco melhores:

   

Mas, somente em lugares muito iluminados, as fotos ficam boas:

         

       

       

  • Quando comprei, achei estranho a bateria balançar um pouco. Isso não é um grande problema, pois os contatos metálicos ficam para dentro da bateria, fazendo com que não solte. Mas, por causa disso, recortei um minúsculo pedaço de papel e coloquei na parte de baixo da bateria e resolvi o problema dela ficar frouxa. A construção do aparelho, em geral, é razoável.
  • A parte da frente do aparelho é um imã de impressões digitais!! O jeito é ter um paninho para limpar, mas toda hora ele fica com aquelas marcas de dedos típicas de um aparelho touchscreen.
  • Falta de rolagem cinética no menu principal! Todo o resto do aparelho conta com isso, que, por um lado é muito bom, mas logo no menu eles deixaram de colocar.
  • Falta de 3G e GPS pode ser um ponto contra para muita gente. Pelo preço dele, seria impossível incluir um GPS, mas um 3G mono-banda não seria nada mal se um dia eu quisesse ter plano de dados.

Fora isso, o 5530 Xpress Music é um grande pequeno aparelho que faz quase tudo que promete, sendo bem barato. Inclusive, vi que na loja da operadora onde comprei o meu, o aparelho já custa 80 reais a menos do preço que paguei.

Não esperem ver uma caixa cheia de acessórios, que, por esse preço, eles economizam até no cabo USB.

Então é isso, pessoal. Aproveito para desejar um Feliz Natal e ótimo Ano Novo à todos os leitores do Blog!

Comparação de câmeras: N86 e N82

Não me lembro de ter visto outro comparativo como esse, entre os dois melhores celulares voltados para fotografia da Nokia, o N86 8MP e o N82.

O post original é do blog World of Nokia e ele faz algumas considerações sobre a qualidade das fotos do N86, comparando-as com o melhor camera phone de todos os tempos da Nokia, o N82. 🙂

Um detalhe das fotos abaixo é que nas dos ventiladores eles estavam em movimento, mas no caso das fotos do N82 eles parecem estar parados por causa da velocidade da câmera e do flash de xenon.

As fotos abaixo falam por si mesmas. O link aponta para o arquivo que está com as imagens no tamanho natural, e tem quase 8MB, portanto, só clique na foto, se você está com uma conexão rápida e ilimitada.

Pelas fotos eu posso dizer que o N82 ainda é o melhor celular com câmera da Nokia. Ainda não vi fotos de outros celulares Nokia que consigam se igualar à qualidade das cores e agilidade da câmera.

Atualização do N82 no Ovi Suite

Já estava indo embora quando leio aqui no blog o post que o Pedro Paulo escreveu anunciando a nova versão de firmware para o N82. Com isso foi por água abaixo meus planos de sair cedo.

Para começar decidi que essa seria a primeira atualização que eu faria no Ovi Suite (pelo menos que eu me lembre). O resultado foi muito bom! Ela foi bem mais rápida do que com o Nokia Software Updater.

O que demorou mais foi o backup porque eu me esqueci e deixei marcado o backup de vídeos e imagens do celular (nesse aparelho tenho quase 4GB de vídeos e imagens). Depois que eu voltei e desmarquei isso, tudo foi rápido.

Ainda não vi nada de diferente no celular, que aliás, não perdeu nada depois da atualização. Vou procurar saber qual é o changelog dessa versão para colocar aqui.

Por enquanto deixo abaixo as imagens da atualização no Ovi Suite.






É verdade, eu estava com pouca bateria e ele reclamou na hora de voltar o backup. 🙂

Não sei se já dá para recomendar o Ovi Suite, mas eu achei que ele foi muito mais simples e rápido do que o Nokia PC Suite e o Nokia Software Updater.

Alguém aí já descobriu o que mudou nessa versão 35.0.002?