Uma revisão dupla: N95 e 8800 Sirocco Edition

Conforme prometido, vamos à segunda postagem do dia com a revisão de dois aparelhos espetaculares, o N95 e o 8800 Sirocco Edition (Os topos de linha S60 e S40, respectivamente).

Nokia N95.

A melhor definição para esse aparelho é a da própria Nokia “it’s what the computers have become”, ou seja, na minha versão, esse é o futuro dos computadores, ou na tradução literal, “No que os computadores se transformaram”.

A idéia da Nokia ao criar esse aparelho foi combinar tudo que ela tinha de melhor em computação móvel e celular em um único dispositivo portátil, ou seja, Celular GSM e 3G, GPS, MP3 Player, Câmera Digital, Filmadora com qualidade de DVD e acesso total à Internet, dentre outras funções.

A minha primeira impressão do aparelho, que eu vi ao vivo pela primeira vez ontem, foi boa. Eu esperava um tijolão de aparelho e vi um celular quase do tamanho do N80 com um slider que desliza para cima e para baixo. O peso do aparelho também é bastante razoável. Chega a ser mais leve que o E61.

Para quem já está há oito meses com um celular com teclado QWERTY, chamar um celular que só tem as teclas de 0 a 9 de dispositivo de computação móvel soa estranho, mas no caso do N95, reparei de cara o porquê desse título. Tudo nele funciona de forma rápida e ágil graças ao processador uma vez e meia mais rápido que o do E61. Os vídeos rodam em tela cheia sem atraso ou pulos; os programas e os menus se abrem quando você clica, ao contrário da demora do E61 em abrir as coisas.

Uma das primeiras coisas que eu testei foi a câmera de 5.1MPixels. A qualidade da foto ficou muito boa mesmo sem muita luz. Está certo que o modelo ajudou à qualidade da foto…


O vídeo que eu fiz não ficou muito bom porque eu aproximei muito o E61 da câmera e porque a luz vermelha da gravação ficou refletindo na tela. A outra gravação é de uma prova de Fórmula 1 de barcos que aconteceu mês passado em Maputo, Moçambique. A qualidade dos dois vídeos foi reduzida quando o Youtube recodificou os vídeos, mas já é possível ter uma idéia da qualidade da câmera.



Infelizmente não tive oportunidade de usar o GPS do aparelho, mas vi que o Smart2Go funciona igualzinho ao E61. Imagino que deva ser muito melhor usar um GPS embutido do que um GPS Bluetooth.

Outra ponto para esse aparelho é o sistema de som stereo que ele tem. As duas caixas de som laterais têm um som limpo e alto. Além disso ele tem saída para headphone e para TV.

Quanto ao problema da folga na tela do celular, pude reparar que isso não é, pelo menos no aparelho que eu vi, uma coisa que atrapalhe muito. A tela desliza de forma suave sobre dois trilhos laterais, apesar disso existe um certo molejo que incomoda alguns usuários. Não foi o meu caso, mas eu também não usei por muito tempo.

Finalizando, achei o aparelho excepcional, de zero a dez, daria nove e meio para ele, a única coisa que falta nele é um teclado QWERTY, mas se ele tivesse um desses, não seria um N95, mas um E90, rsrsrsrs. Como um representante da série N da Nokia, não falta nada no N95.



Para completar, vamos passar agora para o Rei dos celulares S40.

Nokia 8800 Sirocco Edition:

Quando a Nokia lançou em 2005 o 8800, pensava em um aparelho de luxo, um passo antes dos extravagantes Vertu, e conseguiu. O 8800 virou sinônimo de status e luxo, assim como seus primos ricos da Vertu.

O sucesso foi tão grande, que em novembro de 2006 eles lançaram uma edição especial chamada Sirocco Edition, numa alusão ao vento do Saara que segue em direção do Mediterrâneo.

Existem poucas diferenças entre a versão original e a edição Sirocco, dentre elas está o desenho da tampa de aço, que ganhou um espaço grande para o polegar e a versão 3 do sistema S40.

O aparelho é todo feito em Aço Inoxidável e a tela é de um vidro revestido de safira, resistente a riscos. Ele é pesado e inspira solidez, mas ao mesmo tempo abre com extrema facilidade e suavidade.

O forte desse modelo, é a beleza. Ao contrário do N95 que tem todos os dispositivos imagináveis embutidos, o 8800 SE tem apenas o básico que um celular deve ter, já que o público alvo desse aparelho não busca sofisticações tecnológicas, mas uma aparência impecável.

Os sons de toques foram criados pelo famoso compositor Inglês Brian Eno, e todos inspiram calma e tranqüilidade. Eles são sutis e sofisticados, dignos do aparelho. Não espere encontrar toques espalhafatosos como aqueles do Nokia 3100.

Enfim, o 8800 Sirocco Edition não é um celular para os aficcionados em tecnologia, ele é um celular chique, elegante, resistente e bonito, ponto.

Seguem as duas fotos que eu tirei dele ontem.


10 comentários em “Uma revisão dupla: N95 e 8800 Sirocco Edition”