Um review do E70, o topo de linha atual da série E

Como eu havia dito antes, pedi ao meu grande amigo Dario que fizesse um review do seu aparelho Nokia E70. Transcrevo o review abaixo, sem cortes! 🙂

Review do Nokia E70

Bem, o meu E70 eu pedi para um amigo trazer dos EUA pois só tinha vendendo no Mercadolivre por uns 50% a mais do que eu pagaria se esse meu amigo trouxesse. Quando chegou o aparelho, fiquei impressionado com a resolução da tela, maior que a do meu Treo 650, mesmo com uma tela de LCD de menores dimensões. O brilho da tela é ótimo: dá para ver bem o que aparece mesmo com a luz do Sol batendo diretamente nela. E nem configurei no brilho máximo.

Não é um dos celulares mais leves por aí, mas com certeza é bem menos pesado e mais compacto que o Treo 650 com que estava acostumado.

O aparelho tem um teclado QWERTY que se abre para uma digitação mais eficiente. Achei-o muito bom, apesar de o do meu aparelho não vir com suporte à acentuação do português. Caso tenha que escrever algum acento, o que evito, fecho a aba do teclado e uso o numérico. Depois abro de novo para terminar de digitar o texto. Estou para fazer um upgrade do firmware que, espero, resolva isso, já que a versão que eu quero instalar é a lusitana. Ainda por cima algumas teclas têm umas “perninhas” de caracteres chineses (ver FIGURA ABAIXO) para suporte ao idioma daquele país, mas que em nada interferem com a digitação na nossa língua. Não sei porque um celular comprado nos EUA veio com suporte ao mandarim, mas…


A princípio achei o pequeno joystick de navegação meio estranho por que, além de ir para os lados e cima/baixo, você pode apertá-lo como um botão para selecionar algum item. Até aí tudo bem, mas, ao fazer isso, é muito fácil ele acidentalmente se mover também e você acaba escolhendo a opção errada. Com a prática, porém, pega-se o jeito.

A câmera de 2.0 MP, um dos motivos pelo qual escolhi esse aparelho, tem uma resolução decente. Suas imagens ficam um pouco embaçadas, mas ela já quebra um galhão se você tiver esquecido a câmera “oficial” em casa. O modo noturno exige uma exposição maior, o que torna fácil borrar a imagem se você não deixar o aparelho bem parado ao apertar o botão. Não consegui tirar o som artificial de obturador que o celular toca ao tirar uma foto. Vai ver é de propósito para evitar que se tire fotos sem que outros percebam.


A qualidade do vídeo é razoável e dá para colocar no Youtube, por exemplo, embora ainda não tenha conseguido trabalhar com o formato do arquivo gerado, MP4.

O navegador web é MUITO bom, pois tem suporte a JavaScript, CSS, AJAX e Flash, entre outros. Fiquei impressionado! O navegador do Treo não chega nem aos pés. Mas ele devia armazenar as páginas visitadas em um cache, em vez de carregá-las todas de novo quando você opta por voltar na navegação. Também é comum o sistema operacional reclamar de pouca memória quando você tentar abrir o navegador após muito tempo do celular ligado. Nesse caso só desligando e ligando o aparelho. Espero que o upgrade do firmware resolva isso também.

Não gostei das opções de cliente SSH, algo que preciso usar às vezes. O PuTTY para Symbian é muito fraco se comparado com o pSSH que usava no Treo. E a Nokia deveria ter uma versão melhor do PC Suite para o E70, pois tem muitas coisas que são “genéricas” para melhor compatibilidade com outros aparelhos, tornando as funções muito básicas. Por exemplo, no celular dá para armazenar vários telefones do trabalho de um contato, mas pelo PC Suite só consigo informar um. O Palm Desktop do Treo 650 bate de 10 a 0 nesse quesito. Não custava nada também o telefone já agendar um aviso de aniversário de um contato, algo que o Palm faz automaticamente. Eu não esquecia o aniversário de nenhum dos meus amigos, fato que passou a ocorrer quando da troca de aparelho.

O Wi-fi funciona bem, com suporte a vários protocolos de criptografia. Não notei, contudo, muita diferença de velocidade no acesso comparando com o GPRS da Claro. O bluetooth eu uso para fazer sincronização e descarregar as fotos que eu tiro. Mas às vezes o Nokia PC Suite teima em não achar o celular. Aí só rebootando o XP para funcionar.

O viva-voz é bom e dá para a outra pessoa ouvir você falando do outro lado sem problemas. No Treo, o microfone fraco não ajudava muito.

A recepção do sinal é boa, mas já tive aparelhos Nokia melhores nesse quesito. Já o Treo com certeza era era pior. Quanto à bateria, dura uns 3 dias entre cargas. Como o aparelho está programado para baixar e-mails a cada 5 minutos, o que consome energia além do uso regular, então achei esse tempo bastante razoável.

No geral, é um ótimo celular, como todo Nokia, com boas funções de organizador pessoal e uma câmera que não dá vexame.

Comments on this entry are closed.